Julho 2010
Novidades para a rentrée: Faust, anbb, Jóhann Jóhannsson e Hauschka são as apostas do Maria Matos
· POR Nuno Catarino · 29 Jul 2010 · 19:03 ·

anbb

Antes de irmos de f√©rias deixamos as novidades para a reentr√©. O Teatro Maria Matos j√° apresentou a programa√ß√£o para o Outono e, entre os meses de Setembro e Outubro, v√£o passar por aquela sala os ic√≥nicos Faust, o duo anbb, J√≥hann J√≥hannsson e Hauschka. Os anbb, duo de Alva Noto e Blixa Bargeld, estreiam-se em Portugal no dia 21 de Setembro. Tamb√©m em estreia nacional, J√≥hann J√≥hannsson apresenta-se acompanhado pelo Iskra String Quartet, no dia 28 de Setembro. No dia 6 de Outubro √© a vez dos velhinhos Faust, lendas do krautrock que continuam a sua impec√°vel caminhada na procura da subvers√£o sonora. Mais para o final do m√™s, no dia 22 de Outubro, actua o alem√£o Hauschka (senhor que gosta de pianos pouco convencionais), acompanhado por um ensemble de m√ļsicos nacionais. Este espect√°culo est√° enquadrado nas celebra√ß√Ķes do 41¬ļ anivers√°rio do Teatro Maria Matos e promete muito. Agora j√° podemos ir de f√©rias descansados.
Paz e Amor numa reedição essencialmente essencial
· POR Rafael Santos · 29 Jul 2010 · 15:49 ·


Quando se fala da m√ļsica da Jamaica, n√£o √© o primeiro nome a vir √† cabe√ßa. Mas Dadawah (tamb√©m conhecido como Ras Michael) √© um nome seminal da hist√≥ria da m√ļsica da pequena ilha das Cara√≠bas. E a nova reedi√ß√£o de Peace & Love ‚Äď editado originalmente em 1974 e depois reeditado em 75 pela Trojan ‚Äď comprova-o de forma bastante evidente: primeiro porque eleva a doutrina rastafari para um patamar espiritual mais profundo; segundo porque mergulha profundamente no lama√ßal ancestral de √Āfrica e de l√° tr√°s, n√£o s√≥ a ess√™ncia do ritmo, como alma de toda uma m√ļsica cerimonial dedicada ao reverendo deus Niyabinghi. S√£o quatro longos temas quase todos de dez minutos. Quatro longas divaga√ß√Ķes m√≠sticas e incorp√≥reas que nunca se perdem no tempo nem no espa√ßo, mesmo que a janela para o cosmos esteja ami√ļde aberta.

Depois de v√°rios anos a ser considerado uma raridade, este disco merece finalmente esta reedi√ß√£o. Agora pela m√£o Mark Ernestus, uma das faces dos Rhythm & Sound e dos Basic Channel, associado com a rec√©m criada Dug Out, este novo Peace & Love - Wadadasow (com uma nova capa) √© um documento precioso que ilustra bem a face mais delirante e psicad√©lica do reggae, dando ainda coordenadas indispens√°veis para algumas das fontes primordiais do dub-techno ‚Äď que hoje o caracteriza parte do som minimal de Berlim ‚Äď ou algum dubstep com aspira√ß√Ķes roots ‚Äď como, por exemplo, o som dos Digital Mystik. Um disco j√° dispon√≠vel em Portugal (por exemplo na Flur) para descobrir ou redescobrir. Peace & Love - Wadadasow √© m√ļsica essencial na colec√ß√£o de qualquer devoto do bom som. Mas cuidado para n√£o se perderem, tudo isto √© espiritualmente muito vicioso.

"Zion Land"


Seventy Two Nations
Bruno Silva actua (toma lá acordo ortográfico) no Espaço APAV & Cultura amanhã, dia 30 Julho
· POR André Gomes · 29 Jul 2010 · 12:20 ·
Sim, ele √© escriba do Bodyspace. E a APAV apresenta um concerto dele no dia 30 de Julho, pelas 19h00, O concerto acontece no Espa√ßo APAV & Cultura, na Rua Jos√© Est√™v√£o 135-A (ao Jardim Constantino), em Lisboa, e tem entrada livre. Para que n√£o nos acusem de favoritismo, transcrevemos integralmente o press release que apresenta o concerto: "Bruno Silva √© membro dos projectos Osso, Ninjas!, Som√°lia e Brisa Panaca e tem vindo ainda a apresentar-se ao vivo sob diversos pseud√≥nimos. A adop√ß√£o [eish, que co√ßa no acordo ortogr√°fico, tau] do nome pr√≥prio prende-se com o regresso ao seu instrumento primordial: a guitarra el√©ctrica. Ao longo dos √ļltimos meses tem vindo a redescobrir este instrumento, na senda de uma linguagem de experimenta√ß√£o, que poder√° encontrar paralelo com o trabalho de Donald Miller, guitarrista dos Borbetomagus, em aproxima√ß√£o a determinadas latitudes noise". Vai um bocadinho de noise antes das f√©rias, meus meninos?
O bop-groove-free dos Angles vai ao Lux (e é de borla)
· POR Nuno Catarino · 29 Jul 2010 · 09:55 ·


O sexteto sueco Angles, que acaba de editar um novo disco atrav√©s da Clean Feed, apresenta-se esta noite (quinta feira, 22h30) no Lux, num espect√°culo com entrada livre. Martin K√ľchen, Magnus Broo, Johan Berthling (fila de cima), Mattias St√•hl, Kjell Nordeson e Mats √Ąleklint (fila de baixo) formam os Angles, grupo que pratica um jazz resultante da combina√ß√£o de elementos ‚Äúbebop‚ÄĚ, ‚Äúgroove‚ÄĚ e ‚Äúfree‚ÄĚ, entrela√ßados com incr√≠vel coer√™ncia - o disco novo tem por t√≠tulo Epileptical West e foi gravado ao vivo no Jazz Ao Centro 2009, em Coimbra. Este concerto servir√° tamb√©m de apresenta√ß√£o do programa do festival jazz.pt, que vai decorrer de 8 a 12 de Setembro de 2010 no Cais da Pedra (Santa Apol√≥nia, Lisboa), estendendo-se a v√°rios espa√ßos da zona: Lux, Loja da Atalaia, Bica do Sapato, Nord, Flur, Casa Nova, Delidelux e Odessa/FactoLab. A programa√ß√£o deste ano inclui 8 concertos, 8 lan√ßamentos de √°lbuns de editoras europeias, debates, uma feira do disco, ac√ß√Ķes did√°cticas e v√°rios showcases. Recapitulando, Angles, Lux, de borla. Se algu√©m ainda tem d√ļvidas, espreite ali as can√ß√Ķes do MySpace - ‚ÄúMy world of mines‚ÄĚ √© cl√°ssico instant√Ęneo.
Rejubilemos, o Jazz Em Agosto está quase aí
· POR Nuno Catarino · 29 Jul 2010 · 01:13 ·
Os nomes grandes da programa√ß√£o j√° tinham sido desvendados, mas agora que o grande festival portugu√™s de jazz & etc. (elogio) se aproxima a passos largos, deixamos o programa completo. Al√©m do duo John Surman /Jack DeJohnette, do novo projecto de Louis Sclavis e do Electro-Acoustic Ensemble liderado por Evan Parker, a programa√ß√£o do festival de ver√£o da Gulbenkian apresenta a grande Circulasione Totale Orchestra (big band "free" que re√ļne Louis Moholo, Frode Gjerstad, Sabir Mateen e Paal Nilssen-Love, entre outros nomes lend√°rios), o projecto Sol 6 (grupo que junta gente dos The Ex e dos The Necks, entre outros, e trabalha covers de Burt Bacharach e Charles Ives), o "power trio" Steamboat Switzerland (Dominik Blum no √≥rg√£o hammond, Marino Pliakas no baixo el√©ctrico e Lucas Niggli na bateria), o duo Guus Janssen & Han Bennink e o trio Pat Thomas / Raymond Strid / Clayton Thomas. Do cartaz fazem tamb√©m parte dois trios nacionais: Open Speech Trio (Carlos Bechegas, Ulrich Mitzlaff e Miguel Cabral) e RED Trio (Rodrigo Pinheiro, Hern√Ęni Faustino e Gabriel Ferrandini). A programa√ß√£o √© diversificada, h√° propostas para todos os gostos, basta ter vontade de descobrir "o outro lado do jazz". Aqui fica o trailer/teaser oficial.

A escalar o monte do pós-dubstep
· POR Rafael Santos · 28 Jul 2010 · 11:43 ·


N√£o, ainda n√£o estamos de f√©rias (Agosto querido Agosto!). Mas para l√° caminhamos. Enquanto n√£o estamos mesmo, tempo ainda para a divulga√ß√£o de mais um v√≠deo de mais um projecto que se estreia no formato de longa dura√ß√£o. S√£o eles os Mount Kimbie. Com Crooks & Lovers ainda rec√©m nascido, a dupla Dominic Maker e Kai Campos apresenta pela m√£o do realizador Tyrone Lebon a primeira amostra visual do disco, chama-se "Would Know". Conotados com a linha da frente de uma coisa a que j√° chamam p√≥s-dubstep, os Mount Kimbie estrearam-se no ano passado com o EP Maybes e desde ent√£o t√™m vindo a captar aten√ß√Ķes pelo cruzamento pouco usual das linguagens lo-fi da pop, do hip-hop, do r&b e do dubstep. Escutem e vejam "Would Know" e comprovem at√© que ponto estes rapazes se d√£o √† pura especula√ß√£o sonora.

Duo Zul Zelub apresenta-se ao vivo no Museu do Chiado
· POR Nuno Catarino · 28 Jul 2010 · 11:39 ·


A Filho Único apresenta na próxima quinta-feira, dia 29 pelas 19h30, o duo Zul Zelub no Museu do Chiado.
Os Zul Zelub s√£o o mais recente projecto de Jorge Lima Barreto, o hist√≥rico experimentalista que editou h√° dois anos um disco na Clean Feed com o mesmo nome. Esse disco registava um conjunto de improvisa√ß√Ķes ao piano acompanhadas por r√°dio ondas-curtas (gravado ao vivo no Jazz Em Agosto 2005), mas este projecto vai al√©m desse disco; Zul Zelub √© agora um duo de Barreto (piano el√©ctrico) e Jonas Runa ("computer music & kima x"). O concerto ter√° lugar no Jardim de Esculturas e tem entrada livre, como j√° √© habitual.
Nos dezoito anos do Festival Paredes de Coura, 18 estreias
· POR André Gomes · 22 Jul 2010 · 15:52 ·


O festival minhoto arranca já na próxima quarta-feira, 28 de Julho, mas diz-nos a organização há já pessoas a usufruir do campismo gratuito que abriu hoje e está disponível até dia 1 de Agosto. Para quem se deslocar de carro, existe também estacionamento gratuito com capacidade suficiente para todos.

Em 2010 o Festival Paredes de Coura celebra 18 anos e para ajudar a apagar as velas conta com 18 estreias absolutas em Portugal. Não fomos contar mas não duvidamos. A organização sublinha a "estreia de veteranos", como The Specials e Peter Hook performing "Unknown Pleasures", mas também de alguns novatos, como White Lies, Jamie T, Vivian Girls (no vídeo acima) ou Memory Tapes, entre muitos outros. O passe de 4 dias com campismo gratuito custa 70 euros.

O cartaz é este:

28 de Julho - Dia da Recepção ao Campista: Los Campesinos!, Memory Tapes, Best Coast, Cosmo Jarvis e Isidro LX

29 de Julho: The Cult, Caribou, Enter Shikari, Gallows, Eli Paperboy Reed e Vivian Girls. Palco After-Hours: We Have Band e DJ Coco. Palco Iberosounds by Coruna: Lost Park e Nouvelle Cuisine. Jazz na Relva: José Valente e Experiences of Today

30 de Julho: Klaxons, White Lies, Peter Hook performing "Unknown Pleasures", The Courteeners, Plan B e The Tallest Man on Earth. Palco After-Hours: Plus Ultra e Mega Bass. Palco Iberosounds by Coruna: Boat Beam e Madame Godard. Jazz na Relva: Zelig

31 de Julho: The Prodigy, The Specials, M√£o Morta, Jamie T, The Dandy Warhols e Os Dias de Raiva. Palco After-Hours: Dum Dum Girls e Os Yeah. Palco Ibersounds by Coruna: Triangulo de Amor Bizarro e Samuel √öria. Palco Jazz na Relva: Barbez
O entno-jazz dos Trigon apresenta-se ao vivo no OndaJazz e Museu do Oriente
· POR Nuno Catarino · 22 Jul 2010 · 12:32 ·


O grupo Trigon, forma√ß√£o que ao longo das √ļltimas duas d√©cadas tem desenvolvido uma s√≠ntese entre as tradi√ß√Ķes musicais romenas e a liberdade do jazz, apresenta-se ao vivo em dois concertos em Lisboa. Numa iniciativa do Instituto Cultural Romeno, o grupo de Anatol Stefanet (violeta), Dorel Burlacu (teclados, harm√≥nica), Alexandru Arcuş (saxofones, flauta) e Gari Tverdohleb (bateria, percuss√£o) apresenta-se no dia 28 de Julho, quarta-feira pelas 22h30, no Onda Jazz, num concerto com entrada livre. No dia seguinte o grupo actua no Museu do Oriente, desta vez √†s 21h30 (os bilhetes para este concerto encontram-se √† venda no Museu do Oriente, FNAC, Worten, Lojas Viagens Abreu, BLISS, Liv. Bulhosa (Oeiras Parque) e pontos Megarede). Este √© um regresso do grupo de "etno-jazz" a Portugal, depois de em 2007 o grupo ter efectuado uma bem sucedida digress√£o nacional.
Flower e Corsano apresentam-se em mini-tour nacional
· POR Nuno Catarino · 22 Jul 2010 · 00:29 ·
O duo de Mick Flower e Chris Corsano, responsável pelos soberbos The Radiant Mirror (2007) e The Four Aims (2009), vai apresentar-se ao vivo em três concertos no nosso país. No próximo sábado, dia 24 de Julho, Flower e Corsano actuam na Galeria ZDB (Lisboa), na mesma noite de Z'EV & David Maranha - o início está marcado para as 23h. No dia seguinte, domingo, o duo actua no Porto, no campo de ténis de Serralves ao final da tarde (18h30). Esta pequena tour nacional termina na segunda feira, dia 26, em Leiria - o Teatro Miguel Franco acolhe o concerto que se inicia às 22h. O drone psicadélico de Flower encontra-se com a bateria genialmente imprevisível de Corsano (que há uns tempos foi entrevistado por aqui) e o resultado é imperdível. O vídeo ali em baixo dá uma ideia daquilo que nos espera.

Robert Plant lança Band Of Joy a 13 de Setembro
· POR André Gomes · 21 Jul 2010 · 15:55 ·
√Č verdade que os anos 80 n√£o lhe fizeram nada bem, mas os 90s (ei, Fate of Nations √© um belo disco) e sobretudo os 00s foram muito diferentes para o outrora vocalista dos Led Zeppelin. Assimiu gostar de coisas t√£o boas como DJ Shadow, e lan√ßou dois discos muito muito interessantes: Dreamland e Mighty Rearranger. Com Alison Krauss lan√ßou ainda o muito elogiado Raising Sand by Robert Plant and E agora chega Band Of Joy. " a 13 de Setembro

Diz-se que este disco retoma o caminho deixado em aberto pelo rock de raiz de Raising Sand, e que foi gravado em Nashville por uma "constela√ß√£o de estrelas da m√ļsica".

O √°lbum foi co-produzido por Plant e pelo guitarrista Buddy Miller, de Nashville. "Buddy est√° presente em todo o √°lbum; podem ouvir-se os seu gostos em toda a instrumenta√ß√£o", disse Plant com entusiasmo. "O universo musical de Buddy √© lind√≠ssimo, com influ√™ncias do rockabilly de meados dos anos 50, o canto dos pescadores e a melhor m√ļsica country, para al√©m da soul e R&B de Detroit".

Ao lado de Miller, a Band of Joy integra o multi-instrumentista Darrell Scott, que toca bandolim, guitarra, acorde√£o, banjo, pedal e lap-steel guitars; a cantora e compositora country Patty Griffin, que d√° apoio √† voz principal de Plant; Byron House no baixo e Marco Giovino nas percuss√Ķes.

Neste disco há uma versão de "Angel Dance", de Los Lobos e, surpresa das surpresas, covers para "Silver Rider" e "Monkey", dos nossos queridos Low. Dá-lhe Robert. Diz-se que Robert Plant e a Band Of Joy estão em digressão no sul dos Estados Unidos durante o mês de Julho, e que serão anunciadas novas datas brevemente. Resta esperar que Portugal esteja nos planos dele.

Lisboa e Porto - 9 e 10 de Novembro - !!!
· POR Simão Martins · 21 Jul 2010 · 12:16 ·
"Hello? Is this thing on"? Ah, pronto, j√° estamos em directo para todo o pa√≠s. A ocasi√£o serve para informar que a banda furac√£o da Calif√≥rnia vai voltar a pisar solo nacional em Novembro. Dia 9 e 10 de Novembro, no Lux e Teatro S√° da Bandeira, em Lisboa e no Porto, respectivamente, os Chk Chk Chk v√™m p√īr a malta a dan√ßar naquela que dever√° consagrar a apresenta√ß√£o do novo disco Strange Weather, Isn't It? em Portugal. Por enquanto, "AM/FM" j√° anda a rodar pelos ouvidos da malta e, depois de actua√ß√Ķes absolutamente contagiantes em Paredes de Coura - corriam os anos de 2005 e 2006 -, podemos dizer que estamos prontos para os ouvir, para dan√ßar e delirar num concerto em nome pr√≥prio. 25 euros, por favor!!!

Quantic: Um animal sem trela
· POR Rafael Santos · 21 Jul 2010 · 11:42 ·


Will Holland n√£o desiste. Poderia ser teimosia, casmurra e sem sentido de responsabilidade. Mas nada disso. Quantic √© um verdadeiro animal sem trela, mas nunca vadio. Fiel ao ideal de ter o mundo na palma da sua m√£o, este homem, ano ap√≥s ano, n√£o degenera. Especialmente nestes √ļltimos anos em que se instalou na Col√īmbia e da√≠ tem operado com muita persist√™ncia, virando e revirando a tradi√ß√£o da m√ļsica local (cumbia), integrando-a numa matriz que tamb√©m contempla as coordenadas da m√ļsica das Cara√≠bas, o jazz e, o seu velho amor, o funk. √Č a forma singular e coerente como comp√Ķe e produz (com o recurso frequente de m√ļsicos da am√©rica-latina) que Quantic consegue fazer soar como suas sonoridades como a rumba, a cumbia, o reggae ou o dub. E o preparado est√° longe do instant√Ęneo, apesar de tudo come√ßar a ser cada vez mais natural para brit√Ęnico. √Č como se todos sons lhe fossem ing√©nitos e lhe corressem no sangue desde sempre.

A comprovar uma vez mais a profici√™ncia e a versatilidade de Quantic est√° o novo trabalho em que apresenta uma vez mais o projecto Flowering Inferno. O novo registo chama-se Dog With a Rope e √© mais um excelente exemplo da habilidade de Holland em integrar os mais diversos sons com as mais diversas proveni√™ncias numa √ļnica e coesa massa. Indo mais al√©m que Death Of The Revolution de 2008 (leia-se menos chato), Dog With a Rope prova inequivocamente que h√° mais pontos em comum entre a rumba, a cumbia ou o dub (o grande King Tubby continua vivo!) que as diferen√ßas que os separam. Por ter uma vis√£o universal da m√ļsica abdicando de fronteiras que apenas restringem o olhar, este disco j√° merece a mais lisonjeira v√©nia do mel√≥mano.

Deixamos aqui como aperitivo dois temas do alinhamento do excelente Dog With a Rope:

"Cumbia Sobre El Mar"


"Dog with a Rope"
Sob o Signo do Tri√Ęngulo
· POR Paulo Cecílio · 21 Jul 2010 · 11:35 ·


A contagem decrescente j√° havia come√ßado assim que se anunciou nova edi√ß√£o em Barcelos; agora que estamos a menos de dois dias, a altura em que o cora√ß√£o come√ßa a palpitar, o corpo treme e sua, e os minutos contam-se lentamente como no 24, n√£o h√° maneira de n√£o nos sentirmos como putos em noite de Natal. A pergunta que se imp√Ķe: conseguir√° a cidade que se tornou num dos grandes p√≥los do rock em Portugal aguentar com tanta pujan√ßa el√©ctrica? Vamos por partes; para al√©m dos filhos da terra - Black Bombaim, Glockenwise ou Alto!, h√° ainda os reunidos Karma To Burn, Monotonix ou o heavy metal drogado dos Electric Wizard (Nuclear warheads ready to strike!). Isto para f√£s da riffalhada, claro. Para os mariquinhas (brincadeira...) existe a feira tropical de El Guincho, o chillwave/hypnagogic pop/n√£o interessa: √© bom de Toro Y Moi, ou a pop balear dos Delorean, cujo recente Subiza se apresenta como um dos salvadores deste ver√£o. N√£o chega? Ent√£o a isto tudo junte-se o carism√°tico Mark E. Smith e os seus The Fall, o que s√≥ por si √© raz√£o suficiente para fugir cinco dias ao trabalho e fazer 350km para ouvir os resultados da √ļltima jornada da Premier League (sem esquecer Your Future Our Clutter, o mais recente - e fant√°stico - trabalho). E entre tantos nomes conhecidos, aqueles que um dia o ser√£o: Dreams, Sizo, PAUS, Long Way To Alaska. Tr√™s dias, tr√™s palcos, tr√™secinco euros. Milh√Ķes de Fest√Ķes garantidos.
Hip-hop? Alienação escapista? Hype Williams
· POR Pedro Rios · 20 Jul 2010 · 23:06 ·
S√£o um objecto musical n√£o totalmente identificado e a piada est√° no aparente disparate de unir sons aparentados aos de gente como Excepter, Black Dice ou Gang Gang Dance ao hip-hop mais exibicionista. Interessados no lado mais poser do hip-hop, aquele que se orgulha de mostrar folhas de erva, e na aliena√ß√£o hedonista da malta de Brooklyn, os Hype Williams, trio que se divide entre Londres e Nova Iorque, est√£o entre n√≥s. Amanh√£ tocam no Lounge, em Lisboa, sexta no Bambi, na Praia de S. Pedro de Moel, na Marinha Grande, e s√°bado em Barcelos, no festival Milh√Ķes de Festa.
Estratégias para uma estreia
· POR Bruno Silva · 16 Jul 2010 · 19:18 ·
Dada a escassez de registos perenes na Uk Funky, a ansiedade em torno do √°lbum da Katy B come√ßa j√° a ganhar contornos √©picos para uma estreia. Justificada, entenda-se. Num g√©nero em sentido contr√°rio √† postura diva do R'n'B ou da House norte americana, a Katy B ser√°, a par da Princess Nyah, a vocalista mais emblem√°tica num g√©nero pouco dado a acrobacias vocais. Tratar-se-√° tamb√©m do primeiro √°lbum vocal do g√©nero, depois de discos de produtor como Volumes 1 do Geeneus ou Rinse presents : Roska, por uma persona at√© agora irrepreens√≠vel em tudo aquilo que tocou. ‚ÄúAs I‚ÄĚ ou ‚ÄúTell me What it is‚ÄĚ s√£o j√° cl√°ssicos absolutos. Dado o seu papel fulcral na identidade vocal do g√©nero e as not√≠cias que davam o Geeneus e o Zinc como produtores principais do √°lbum, n√£o deixa de ser intrigante a escolha de ‚ÄúKaty On a Mission‚ÄĚ para primeiro single. Poder√° at√© cumprir a fun√ß√£o de manifesto de inten√ß√Ķes, mas n√£o deixa de soar desajustado com tudo aquilo que est√° para tr√°s.

Uma outra explica√ß√£o poder√° residir numa tentativa de crossover entre diferentes p√ļblicos, com a produ√ß√£o do sobrevalorizado Benga (Afro Warrior era, acima de tudo, aborrecido) a servir de chamariz para malta do dubstep, regra geral, indiferente a movimenta√ß√Ķes mais hedonistas e/ou calorosas. Tendo em conta que a possibilidade deste plano singrar est√° longe de se confirmar, teria sido prefer√≠vel aproveitar o reconhecimento de ‚ÄúWile Out‚ÄĚ e recorrer a ‚ÄúLights On‚ÄĚ com a Ms. Dynamite para primeiro single.

Apesar de se tratar de dubstep mid-tempo gen√©rico, o tema n√£o deixa de revelar algumas virtudes. Os sintetizadores s√£o os mais interessantes vindos do Benga em muito tempo, mesmo que enredados em torno de uma batida j√° demasiado batida (s√≥ para o jogo de palavras foleiro), na linha dos padr√Ķes de algo como ‚ÄúPleasure‚ÄĚ ou ‚ÄúGo Tell Them‚ÄĚ, mas ainda assim com alguma capacidade galvanizadora. √Č tamb√©m revelador da versatilidade da voz da Katy B, afastando-se do gozo pl√°cido da refix de ‚ÄúGoodlife‚ÄĚ, sem com isso revelar alguma quebra de confian√ßa, e sem encetar uma presta√ß√£o √©pica em nada coadunante com aquilo que se lhe reconhece. Bom senso.

Bom senso esse que permeia tamb√©m o v√≠deo. Eficiente nessa mesma procura de um efeito de chamada-resposta para a dan√ßa e cheio de cameos de thugs do grime como o Jammer. E com os necess√°rios valores de produ√ß√£o para passar a mensagem. Katy est√°, certamente, numa miss√£o. O meio √© que desilude. N√£o s√≥ pela mediania do tema, como por deixar latente a ideia de que o √°lbum poder√° recorrer a solu√ß√Ķes dubstep de car√°cter formulaico, quando seria previs√≠vel algo bem mais relevante. A resposta para estas quest√Ķes ter√° o selo da Rinse (naturalmente) e espera-se pacientemente. Por vezes, n√£o existe mal nenhum em refrear os √Ęnimos.

Milh√Ķes de Festa: bandas, palcos, hor√°rios, j√° se sabe tudo
· POR Nuno Catarino · 16 Jul 2010 · 01:07 ·
J√° se sabia que a coisa ia ser em grande, tinham sido ventilados alguns nomes, a internet foi invadida por tri√Ęngulos invertidos ▼ e n√≥s at√© t√≠nhamos avan√ßado (em primeira m√£o) a presen√ßa de Toro Y Moi. Agora j√° √© tudo oficial, h√° site novo e at√© j√° foram anunciados os detalhes, hor√°rios inclu√≠dos. Vai haver tr√™s palcos: Palco Milh√Ķes, Palco Vice e Piscina. O primeiro dia, sexta 23, fica reservado para os nomes mais pesados: Valient Thorr, Electric Wizard e Men Eater (estas guitarras todas v√£o testar a instala√ß√£o el√©ctrica). No s√°bado h√° os portugueses PAUS, os enormes The Fall (Mark E. Smith ainda est√° vivo) e o veraneante El Guincho. No domingo, dia 25, Barcelos vai receber o rei do chillwave Toro Y Moi, os stoner americanos Karma To Burn e a dan√ßa hipn√≥tica dos espanh√≥is Delorean. Estes s√£o s√≥ alguns dos nomes mais sonantes, mas garantem desde logo brutalidades de festarola. O programa completo est√° ali em baixo (e tamb√©m no site, claro) e recomenda-se a sua consulta atenta. Os pre√ßos parecem coisa de saldos: um dia de festa fica por 15‚ā¨, tr√™s dias valem 35‚ā¨. N√£o tenham medo, Barcelos √© j√° ali. Est√° tudo no site oficial MdF: www.milhoesdefesta.com.

Chillwavers deste mundo, preparem os vossos samplers; o Bryan Ferry tem novo disco
· POR André Gomes · 15 Jul 2010 · 17:46 ·
√Č mesmo verdade. Bryan Ferry, o senhor Roxy Music, edita novo √°lbum , Olympia, a 25 de Outubro. Diz que esta √© a sua estreia na editora Astralwerks. O primeiro single extra√≠do do √°lbum √© ‚ÄúYou Can Dance‚ÄĚ, tem um v√≠deo gravado no hist√≥rico Wilton‚Äôs Music Hall em Londres.

O √°lbum √© como o Lux ou o Plano B num s√°bado √† noite, cheio de estrelas: ele √© Nile Rodgers, David Gilmour, Groove Armada, Scissor Sisters, Marcus Miller, Flea, Mani ‚Äď ex-Stone Roses ‚Äď, ele √© at√© o Jonny Greenwood. Bryan Ferry trabalhou tamb√©m com membros dos Roxy Music, tais como Brian Eno, Phil Manzanera e Andy Mackay. Esta, ali√°s, √© a primeira vez que se juntam em √°lbum, desde For Your Pleasure, o cl√°ssico editado nos tempos idos de 1973.

Olympia tem oito novas can√ß√Ķes (anda poupadinho) ‚Äď e uma adapta√ß√£o de ‚ÄúSong To The Siren‚ÄĚ de Tim Buckley e uma vers√£o de ‚ÄúNo Face, No Name, No Number‚ÄĚ dos Traffic. O disco foi produzido por Bryan Ferry and Rhett Davies. De recordar que os Roxy Music actuam j√° no pr√≥ximo dia 22 de Julho, nos Jardins do Pal√°cio do Marqu√™s de Pombal, inseridos no cartaz do festival Oeiras Sounds.

Liguem os samplers a partir de... agora:

Pop Dell'Arte sobem ao palco do Music Box
· POR Rafael Santos · 14 Jul 2010 · 17:33 ·


Com um novo √°lbum (Contra Mundum) acabadinho de editar, os portugueses Pop Dell'Arte est√£o mais que prontos para apresent√°-lo em palco. √Č isso que se poder√° atender na 5¬™ feira, dia 15, pelas 23h00 no Music Box no Cais do Sodr√©. E mais vale tarde que nunca. Relembre-se, a bem da mem√≥ria, que o √ļltimo trabalho em longa dura√ß√£o dos Pop Dell'Arte data de 1995, tendo o projecto editado apenas um EP pelo meio (h√° 8 anos). Contra Mundum √© definitivamente o regresso de Jo√£o Peste e companhia √†s actividades em disco e em palco depois de um longo hiato. Para f√£s, apreciadores casuais e curiosos esta √© uma oportunidade de ouro de ver renascido um dos mais interessantes projectos de m√ļsica pop alternativa criados no Portugal dos anos 1980.
O universo Cosmogramma revela novas imagens
· POR Rafael Santos · 14 Jul 2010 · 15:45 ·
√Č dif√≠cil resistir √† tenta√ß√£o de voltar ao caos organizado de Cosmogramma, o mais recente trabalho de Flying Lotus. Tanto que √© irresist√≠vel que n√£o poder√≠amos deixar de compartilhar com os nossos mais fieis leitores o mais recente v√≠deo. Sim, estamos a sabujar a malta que por aqui passa com regularidade. Mas independentemente disso, o bel√≠ssimo "MmmHmm" (com participa√ß√£o de Thundercat) √© mesmo o √ļltimo tema de Cosmogramma a ganhar vida no ecr√£. O novo v√≠deo √© da responsabilidade de Special Problems e, como √© do √ļltimo √°lbum de originais de Steven Ellison que falamos, vale mesmo a pena dar uma vista de olhos.

Fim-de-semana de hedonismo eclético à beira-mar
· POR Gustavo Sampaio · 14 Jul 2010 · 15:44 ·


Dos consagrados Prince e Pet Shop Boys aos emergentes Hot Chip e Vampire Weekend, passando pelas que prometem ser as grandes revela√ß√Ķes do pr√≥ximo fim-de-semana no Meco, a saber (e anotar no Moleskine), Beach House, St. Vincent, Grizzly Bear, Sharon Jones & The Dap Kings, entre outros, anseia-se por muita divers√£o e demais contempla√ß√£o (da m√ļsica e do cen√°rio natural envolvente) na edi√ß√£o de 2010 de um Festival Super Bock Super Rock que, qual n√≥mada camale√≥nico, volta a ser completamente reconfigurado, ora, como tal, n√£o correndo, de todo, o risco de se repetir, tanto na forma como no conte√ļdo.

Percebe-se a estrat√©gia comercial da coisa: cativar os mais saudosos do antigo Festival Hype@Meco, para√≠so perdido das vanguardas electr√≥nicas urbanas transpostas para um id√≠lico e verdejante beira-mar, e fundi-los com as novas tribos indie que costumam deambular pelas Avenidas Novas de Lisboa numa busca incessante por novos segredos mel√≥dicos, em stock, para (n√£o) partilhar, ao que se acrescem os quarent√Ķes em crise de identidade que aproveitam para passear o Porsche (cuidado com a pintura!) ao som das √ļltimas compila√ß√Ķes dos (velhinhos) consagrados em permanente destaque numa qualquer FNAC com ar condicionado. Talvez se juntem todos a dan√ßar, ao nascer do sol, na recta final do set de Ricardo Villalobos, o berlinense chileno, ou vice-versa, para uma epifania de impura sensualidade r√≠tmica e tribal. H√° que ir exercitando as ancas...
O novo EP de B Fachada, Há Festa na Moradia, já está disponível para download gratuito e promete alegrar o verão
· POR Miguel Arsénio · 13 Jul 2010 · 16:55 ·

H√° Festa na Moradia, o prometido novo EP de B Fachada, j√° pode ser ‚Äúsacado‚ÄĚ legalmente atrav√©s deste link. S√£o sete can√ß√Ķes in√©ditas que recuperam a ginga de rua de ‚ÄúKit de Prestidigita√ß√£o‚ÄĚ, a ponta solta do √ļltimo √°lbum, como ponte para o ambiente de festa paroquial que se verifica nestes ritmos assumidamente populares e nos refr√£es prontos a ir de boca em boca. √Č tudo B Fachada de primeira apanha. O EP marca tamb√©m o regresso da fixa√ß√£o pelo meio independente de Lisboa (confirma-se: ‚ÄúMem√≥rias de Paco Forcado vol.1‚ÄĚ √© quase a sequela n√£o-oficial de ‚ÄúL√° na Selva‚ÄĚ). N√£o faltar√° ent√£o alimento para futuras tert√ļlias sobre B Fachada, o m√ļsico e o homem (as duas partes que contrastam em ‚ÄúQuem quer casar com B Fachada‚ÄĚ). Al√©m dos sete temas em mp3, o ficheiro ZIP traz tamb√©m a capa (bonito padr√£o de azulejos) e a contra-capa, que inclui as letras. H√° Festa na Moradia ter√° edi√ß√£o limitada de 500 unidades em vinil amarelo-can√°rio. O disco ser√° colocado √† venda em Agosto, mas, at√© l√°, a Mbari j√° aceita reservas atrav√©s do e-mail mbarimusica@mbarimusica.com. Deve esgotar depressa, n√£o s√≥ porque B Fachada √© um dos mais admirados escritores de can√ß√Ķes desta nova turma, mas tamb√©m porque haver√° sempre quem compre o disco para rituais de vudu na mata de Leiria e outras encruzilhadas refundidas.


Memórias truncadas de Paco Forcado:

Novo Daft Punk em Novembro?
· POR Rafael Santos · 13 Jul 2010 · 11:41 ·


N√£o parece ser surpresa para ningu√©m que o duo franc√™s ser√° respons√°vel pela banda sonora da nova vers√£o de Tron. O que agora se fica a saber pelo NME, que por sua vez tirou conclus√Ķes de uma discreta info no Amazon americano, √© que os Daft Punk ir√£o, em princ√≠pio, editar o novo trabalho em Novembro pr√≥ximo, sensivelmente um m√™s antes da estreia do filme Tron: Legacy. Verdade ou boato, o tempo dir√°.
The Strange Boys chegam-se à frente no Musicbox
· POR Miguel Arsénio · 12 Jul 2010 · 22:19 ·


Na √ļltima passagem dos Strange Boys por Lisboa, em v√©speras de uma actua√ß√£o no Festival Paredes de Coura de 2009, a noite terminou com um sorriso parvo chapado na cara de quem mal se tinha aguentado sobre a sela do cavalo, durante uma hora de rock feito de riffs disparados para o ar e uma ‚Äúpica‚ÄĚ que pertence apenas aos que nunca envelhecem. Os Strange Boys ganharam a noite do Lounge e uns quantos rendidos, certamente. Quase um ano depois, a coboiada √† moda do Texas volta a acontecer em Lisboa tendo como pretexto o mais recente √°lbum Be Brave. A borrasca ter√° lugar no Musicbox, situado numa zona do Cais do Sodr√© particularmente c√©lebre pelo seu cheiro a mijo (o que at√© √© adequado numa noite de puro rock), no ser√£o de 14 de Julho (quarta-feira). Acerca dos Strange Boys fica sempre bem referir tamb√©m que gravam actualmente pela In The Red, a casa norte-americana que muito tem feito por manter aceso o facho do rock com bandas bem capazes de deixar leite na cuequinha como √© o caso dos Oh Sees ou dos Black Lips.
Fat Freddy's Drop: novo disco ao vivo em Setembro
· POR Rafael Santos · 12 Jul 2010 · 12:32 ·


Editado em 2001, Live at the Matterhorn foi o primeiro trabalho a demonstrar de forma inequ√≠voca a excelente din√Ęmica live do colectivo de Wellington e a forma singular no cruzamento das coordenadas do raggae, da soul, do blues, do dub ou da electr√≥nica. Foi tamb√©m, e na verdade, a primeira edi√ß√£o em formato longa dura√ß√£o com a deliciosa designa√ß√£o com que os conhecemos actualmente. Agora, e nove anos volvidos sobre o primeiro disco ao vivo, os neozelandeses Fat Freddys Drop regressam aos registos live num √°lbum que n√£o dever√° fugir muito aos moldes de jam band a que nos habituaram. O novo registo ao vivo, a ser editado no pr√≥ximo m√™s de Setembro, chama-se Live at the Roundhouse e, como √© natural nestas coisas, as escolhas para o alinhamento reca√≠ram nos temas do √ļltimo trabalho de originais que o grupo de Dallas Tamaira editou h√° um ano atr√°s, o excelente Dr Boondigga and the Big BW.

Fica para olhar e escutar um excelente exemplo do que poderemos ouvir em Live at the Roundhouse. Esta é a versão ao vivo de "The Camel":

Bill Orcutt abre novos caminhos para a guitarra hoje e amanh√£, no Porto e em Lisboa
· POR Pedro Rios · 09 Jul 2010 · 00:24 ·
Esque√ßam tudo o que associavam √† guitarra ac√ļstica. Nas m√£os de Bill Orcutt, o instrumento √© levado para territ√≥rios desconhecidos (as Guitar Excursions Into The Unknown de Fahey, mas de uma forma sua e n√£o reverente a nenhum mestre). Territ√≥rios que bebem da bruteza rock dos Harry Pussy, institui√ß√£o que influenciou meio mundo do rock underground contempor√Ęneo nos quais Orcutt militou, dos blues mais partidos e anti-forma e da improvisa√ß√£o sem idioma de Bailey - √© ouvir o espantoso A New Way To Pay Old Debts, lan√ßado no ano passado. Gravou o disco num apartamento (ouvem-se os carros a passar) com meios de grava√ß√£o rudimentares e uma guitarra dos tempos de inf√Ęncia, a que retirou duas cordas

Tudo isto para dizer que Orcutt actua hoje na Culturgest do Porto e amanh√£ no Museu do Chiado, em Lisboa. E que vale a pena parar as coisas mi√ļdas do dia-a-dia e ir ouvi-lo.

Röyksopp e Tricky na despedida do Verão que agora começa
· POR Rafael Santos · 06 Jul 2010 · 19:27 ·


Mal est√° a come√ßar a √©poca-tonta (estival e "festivaleira") em que a crise n√£o √© convidada para o mesmo saco de viagem onde convivem as t-shirts e os chinelos, v√£o sendo j√° anunciadas novas edi√ß√Ķes para a reentr√©. Falamos, pois, do tal m√™s de Setembro, o tal per√≠odo em que batemos com a tola no Outono e nos relembramos que as chatices da vida afinal t√™m uma continua√ß√£o. E o que temos para j√° agendado para esse belo m√™s em que os dias come√ßam a encolher? Dois regressos: dos R√∂yksopp e de Tricky.

Os noruegueses R√∂yksopp t√™m a data de regresso marcado para o dia 13 do m√™s nove. Depois de terem parido um Junior no ano passado, vez agora de darem √† luz um Senior. Gravado em simult√Ęneo com o registo pop de 2009 (mais voltado para as pistas de dan√ßa), este novo disco ser√° totalmente instrumental procurando explorar ambientes mais introspectivos e melanc√≥licos, algo meio desaparecido da m√ļsica de Torbj√łrn Brundtland e Svein Berge desde os dias do bel√≠ssimo √°lbum de estreia, Melody A.M. (2001).



Noutro quadrante sonoro, Tricky ‚Äď esse veterano do velho trip-hop que iniciou-se nos Wild Bunch e que militou com os Massive Attack at√© ao surgimento das diferen√ßas criativas ‚Äď tamb√©m est√° de volta com uma novo disco. Sucessor directo de Knowle West Boy de 2008, Mixed Race √© o nono √°lbum de originais de tricky kid desde que se estreou a solo em 1995 com o emblem√°tico Maxinquaye. Este novo registo, com data prevista para 27 de Setembro, contar√° com as colabora√ß√Ķes de Terry Lynn, Bobby Gillespie (dos Primal Scream) e do irm√£o Marlon Thaws. A edi√ß√£o ser√°, uma vez mais, da responsabilidade da Domino.

Estes são os primeiros sons do novo álbum; o single de apresentação chama-se "Murder Weapon" e já é possível escutá-lo:

Miguel Azguime leva biodiversidade ao S√£o Luiz
· POR Nuno Catarino · 01 Jul 2010 · 10:40 ·


O vers√°til Miguel Azguime - compositor, poeta, percussionista, co-fundador do Miso Ensemble, figura de proa da m√ļsica contempor√Ęnea nacional - vai apresentar um novo espect√°culo no Teatro S√£o Luiz, em Lisboa, no pr√≥ximo dia 3 de Julho. Entitulado "(Ths)inking Survival Kit", o espect√°culo √© uma encomenda do City of London Festival, em co-produ√ß√£o com a EGEAC. O espect√°culo baseia-se em textos de sete autores, entre eles Lu√≠s de Cam√Ķes, Fernando Pessoa e William Shakespeare, e aborda de uma forma muito original a m√ļsica contempor√Ęnea, criando uma rela√ß√£o directa com o tema da biodiversidade, nomeadamente as quest√Ķes que hoje se instalaram relativamente √†s altera√ß√Ķes clim√°ticas, atrav√©s de projec√ß√Ķes v√≠deo que v√£o estar presentes ao longo do espect√°culo. A execu√ß√£o musical ser√° da responsabilidade do Sond‚ÄôAr-te Electric Ensemble e dos solistas Frances M. Lynch e Pedro Carneiro (sempre em alta), sob direc√ß√£o de Jean-S√©bastien B√©reau. Este espect√°culo est√° integrado nas Festas de Lisboa 2010 e vai ser apresentado no bonito Jardim de Inverno.
ARQUIVO

Parceiros