Festival Summercase 06
Boadilla del Monte, Madrid
14-15 Jul 2006
Não parece existir tal coisa como “Festivais a mais em Madrid”, ou sequer em Espanha. Chega o Verão e multiplicam-se os festivais assumidamente de época (ou então não) e há até quem se afirme veraneante por oposição directa ao Inverno e ao Wintercase. Na sua primeira edição de sempre, o festival Summercase (organizado pela Sinnamon), a acontecer na localidade de Boadilla del Monte, em Madrid, e, simultaneamente no Parc del Fòrum, em Barcelona, entra no panorama dos festivais espanhóis com um certame de peso. Não só por se realizar nas duas maiores cidade espanholas (as bandas que tocavam no dia 14 em Madrid faziam-no em Barcelona no dia seguinte, e vice-versa), mas também porque a enorme quantidade de bandas obrigou a que o Summercase fosse um festival de quatro palcos simultâneos, denominados Terminal O, E, S e N. Dois palcos maiores colocados lado a lado mas com a distancia suficiente para o som não se sobrepor, e outros dois palcos em duas tendas de tamanhos consideráveis.

Felizmente ou infelizmente a situação ainda não acontece muitas vezes em Portugal (talvez com a excepção do Festival Sudoeste), mas o Summercase é um daqueles festivais em que é necessário andar de mapa na mão e fazer por vezes difíceis escolhas de selecção. Mas como há que começar por algum lado, os britânicos The Paddingtons foram as primeiras vitimas de uma espreitadela rápida, uma visita que deu para conferir o punk rock persistente mas não deu para aferir totalmente o seu interesse. As movimentações em palco deram indicações de uma energia próxima à de uns Minutemen, com as devidas distâncias. Depois do final do concerto dos The Paddingtons, atravessar o recinto para espreitar os The Feeling no Terminal E e logo perceber que nada de interessante se passava no Terminal E. Olhando para a biografia dos britânicos apetece dizer que nunca deveriam ter abandonado a vida de banda de versões – e daí talvez nunca o tenha feito. Pop rock redundante com reminiscências dos anos 70, canções bizarras provenientes de histórias não menos descabidas. A certa altura contava-se no palco a história do disco, gravado no sul de Inglaterra, onde se incluíam idas ao supermercado para comprar álcool barato que depois servia de inspiração para canções resultantes de embriaguês (“Rosé”). Resumindo, os The Feeling parecem uma paródia, uma piada mal conseguida. Algo a evitar.

Difícil de evitar eram os Dandy Warhols há não muito tempo quando se fazia zapping na televisão. O hit “Bohemian like you” estava sempre por lá para destruir a saúde mental mesmo à mais forte das almas. Agora que esses tempos acabaram, uma rápida inspecção ao Terminal O deu para perceber que os Dandy Warhols não serão assim tão maus quanto se poderia pensar. Pelo menos não incomodam por aí além quando se degusta as suas canções num Festival de sol e cerveja. Mais para mais, os Dandy Warhols despacharam os singles e hits (alguns mais suportáveis que outros) quase todos no inicio da actuação.

Mas pouco depois era altura de mudar de Terminal para, logo ali ao lado, assistir à actuação dos Divine Comedy de Neil Hannon, sempre perfeitamente aprumado e com aquele ar de quem tem uma farpa pronta pronta a ser disparada. O Sr. Hannon tem disco novo, Victory for the Comic Muse, um veiculo mais para as suas histórias mais ou menos assentes na terra. E começou pelo início. O início de Victory for the Comic Muse, entenda-se. Ouve-se "If There’s a war I’ll spleep with you before you get killed". É a quase cabarética “To die a Virgin”, onde Hannon mostra prazer em misturar a guerra com o sexo (e até o amor), enquanto lembra a voz de David Bowie. A luxuosa “Diva Lady” (também do novo disco) mostrou pela primeira vez o porquê de estarem oito pessoas em palco – legitimidade conferida. Durante a mesma canção, Neil Hannon aponta para o helicóptero que entretanto rasgava os céus e pergunta-lhe, seja lá quem for, se quer dançar.

The Divine Comedy © Angela Costa

Quando perguntou ao público quem possuía uma cópia de Liberation em casa, as mãos eram muitas no ar, facto que deixou Neil Hannon visivelmente surpreendido. Desse mesmo álbum de estreia de 1993 retirou “Queen of the South” para satisfação de muitos. De Fin de Siecle sacou “Generation Sex” para contentamento de muitos mais. Havia mesmo no público quem segurasse orgulhosamente um cartaz onde se podia ler: “Wonderhit for english speakers”. A pop meia barroca de “A lady of a certain age” trouxe tudo de novo ao último disco e a familiar “Mother Dear” – apresentada como uma canção para as mães - manteve-nos por lá, com um extra: um banjo. As repescagens continuaram com um momento de especial beleza: “Eye of the needle” lembrou-nos Regeneration de 2001 e algumas ideias chave: “I know that it's wrong for the faithful to seek it / But sometimes I long for a sign, anything / Something to wake up the whole congregation / And finally make up my mind.”

Mas como “Neil Hannon” parece não conseguir estar muito tempo sem gracejar ou mostrar o seu humor refinado, “Our Mutual friend” surge para contar uma história – na verdade tragicómica de um triângulo amoroso. E foi mais ou menos por aqui que Neil Hannon se mostrou mais activo, gesticulando, encenando. Em “Charge”, mistura-se de novo o sexo com a guerra, com direito a imitação de vozes soul por parte de Neil Hannon lá para o final. O homem continua em forma, Neil Hannon continua em forma. Pop redentora, pop bem humorada, pop substancial, pop inteligente ou até sofisticada, pop.

A certa altura do concerto dos Divine Comedy, Neil Hannon perguntava ao público quais eram as suas escolhas para o resto da noite e deixou a sua: Rufus Wainwright. O norte-americano começava a sua actuação pouco depois com uma surpresa desagradável. Sozinho em palco, ao piano ou à guitarra, Rufus Wainwright não foi capaz de evitar que o som que vinha dos outros palcos não se sobrepusesse às suas canções. Foi por isso mesmo que confessou a certa altura que se sentia no Fellini Show e que estava à espera que os palhaços chegassem. Chegou até a confessar que não ouvia aquilo que estava a fazer, mas continuou. Para além de temas como “California”, “The Art Teacher” ou “11:11”, “Cigarettes And Chocolate Milk”, Rufus Wanwright interpretou ainda “Hallelujah” e algumas canções novas que confessou ter escrito há pouco tempo. E porque a família não tem fim, Rufus fez-se acompanhar pelo menos um par de vezes de uma das suas irmãs. Não Martha, mas sim Lucy que apesar de cumprir não foi capaz de mostrar ter uma voz distinta. Tentaram proteger Rufus Wainwright e dar ao concerto alguma intimidade ao marcar o seu concerto para a maior das duas tendas, mas esqueceram-se de a isolar. Nota mental: em Festival de Verão, pop despida e intimista necessita de isolamento extra.

Rufus Wainwright © Angela Costa

Já perto do fim, a meio de uma qualquer canção, Rufus alertava: “Here comes New Order”. Tinha razão. Com direito a volume muito elevado, os New Order tinham acabado de aterrar no Terminal O. A primeira prova séria de que o Summercase de devia fazer de três dias foi o momento em que se teve de escolher entre os New Order e os Happy Mondays – o mesmo deve ter sentido o jovem que se passeava orgulhosamente pelo recinto com uma camisola da Factory. Feita a escolha, urge dizer que os New Order não são uma banda; são duas. E fazem questão de o mostrar. Não foi surpresa alguma então que a actuação se foi fazendo de temas dos Joy Division e dos New Order: de um lado “Love Will Tear us apart” (aos soluços, às três pancadas, e não foi a única), “Transmission”, do outro lado “Regret”, “Temptation”, esta última já quando os New Order haviam encostado as guitarras para darem prioridade as batidas. Na verdade, e talvez porque o peso fosse demasiado grande, os New Order ‘despacharam’ as “covers” de Joy Division na primeira meia hora de concerto. Muitos devem ter ficado com a sensação que Joy Division sem Ian Curtis é o mesmo que chinês com talheres. Houve ainda temas do último disco e, como não poderia deixar de ser, “Blue Monday”, em modo turista. Ainda assim os New Order estiveram sempre melhores quando apresentaram os temas historicamente assinados como New Order. A passagem por Power, corruption & Lies e o belíssimo momento de “Temptation” (“Oh, you've got green eyes / Oh, you've got blue eyes / Oh, you've got gray eyes / And I've never seen anyone quite like you before”) foram os momentos mais altos.

Alguns passos ao lado era possível ver os Primal Scream de Bobby Gillespie e perceber logo ali, nos primeiros momentos, que neste momento o que lhes vai na cabeça é acima de tudo o rock ‘n’ roll. De resto isso já se podia perceber em Riot City Blues, o último disco. Foi em traços gerais uma actuação plana, sem altos nem baixos, com potencial destaque para o final quando os Primal Scream se fizeram acompanhar por duas senhoras ‘afro’ nas vozes. Mesmo assim quem esperava algo como uma representação em palco de Screamadelica saiu muito provavelmente dali com as expectativas goradas. Apesar de não terem conseguido uma grande actuação, os Primal Scream mostraram que a experiência tem de valer alguma coisa. E experiência é algo que os senhores que se seguiram, os Razorlight, não possuem. Foi no mesmo palco que os Razorlight, apesar da evidente energia, terão conseguido convencer muito pouca gente. Simplesmente porque ainda existem monges copistas mais originais que estes britânicos.

Razorlight © Angela Costa

Terminada a noite (pelo menos para alguns, já que a noite continuava nas tendas), e olhando para trás registava-se uma sucesso gigantesco: conseguir escapar aos Keane e às suas baladonas rock FM formatadas. Erro de casting? Tiro no pé? O certo é que ainda só se tinha cumprido um dia de festival e com pena ainda não havia a registar uma grande actuação, um concerto memorável – o melhor do dia foram mesmo os Divine Comedy. Nada de perder esperanças. Era altura de apontar para Barcelona e dizer: mandem-nos os vossos que estes já vão a caminho.

· 14 Jul 2006 · 08:00 ·
André Gomes
andregomes@bodyspace.net
RELACIONADO / Astrud
Discos
Tú no Existes
2007
Ao Vivo
Belle & Sebastian / Pop Dell´Arte
17 Jul 2006: Coliseu dos Recreios, Lisboa
Discos
100th Window
2003
Heligoland
2010
Ao Vivo
Hype @ Tejo
08 Jul 2006: Terrapleno de Santos, Lisboa
Massive Attack
22 Mai 2003: Coliseu dos Recreios, Lisboa
Ao Vivo
Super Bock Super Rock
28-30 Mai 2005: Parque do Tejo, Lisboa
Discos
Poses
2001
Vibrate: The Best Of / Live From the Artists Den
2014
Ao Vivo
Rufus Wainwright
25 Abr 2005: Coliseu do Porto, Porto
Rufus Wainwright
13 Nov 2004: Aula Magna, Lisboa
Discos
( )
2002
Takk...
2005
Ao Vivo
Sigur Rós
16 Jul 2006: Pavilhão Atlântico, Lisboa
Sigur Rós + Amina
20 Nov 2005: Coliseu dos Recreios, Lisboa
Sigur Rós + Amina
19 Nov 2005: Coliseu do Porto, Porto
Sigur Rós
28 Fev 2003: Coliseu do Porto
Sigur Rós / For a Minor Reflection
11 Nov 2008: Campo Pequeno, Lisboa
Sigur Rós / Blanck Mass
13- Fev 2013: Coliseu do Porto, Porto
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros