Festival Sudoeste 2005
Zambujeira do Mar
04-07 Ago 2005

Reportagem Eugénia Azevedo, Rodrigo Nogueira e Tiago Gonçalves
Fotografias Luís Bento

Todos os anos é a mesma coisa, mas neste foi diferente. Perto da Zambujeira do Mar, na Herdade da Casa Branca, milhares de nómadas, inconformados, loucos, bêbedos, excêntricos e uma ou outra pessoa normal dançaram, cantaram, beberam e fumaram. O Sudoeste não é bem um festival, é mais um país: República Independente do Sudoeste, como disse um dia Álvaro Costa. Porque, mal se entra no recinto, o ambiente altera por completo: tudo é liberto e permitido, mas nada descamba em confusão ou problemas. Coisa difícil de não acontecer, no ano em que mais pessoas pisaram o chão do recinto. Pouco importa as vestes, a sujidade na roupa, o facto de se estar deitado e mocado mesmo em frente ao palco, com centenas a saltar ao lado. Fenómeno curioso e a estudar: só se apercebe da sujidade do carro quando se chega a casa. Mas também houve a música (complemento ou substância?). O óvni que foi Domingos António, o rock eléctrico dos International Noise Conspiracy, a pop perfeita do Josh Rouse e muitos, muitos outros. A dada altura, a meio do recinto, olha-se em volta: ninguém está indiferente, todos dançam, riem e cantam. É a universalidade da “Maria Albertina” que os Humanos estão a tocar no palco principal. Isto é que é tabaco. T.G.

Palco Planeta Sudoeste
Gato Fedorento · Ladytron
Palco TMN
Junior · Domingos António · Expensive Soul · Orquestra Imperial · Sean Paul


O primeiro dia do Festival Sudoeste TMN 2005 tinha como nomes fortes Emir Kusturica & the No Smoking Band, Fischerspooner, Ladytron e Sean Paul. Os dois primeiros nomes cancelaram as suas actuações. Isto em termos de música, obviamente, porque no palco Planeta Sudoeste fez-se algo que nunca tinha sido feito em festivais em Portugal: pôs-se um espectáculo de comédia, com o Gato Fedorento. Quer nos tenhamos fartado das piadas repetidas ad infinitum por aqui e por ali, ou achemos que aquilo já não são piadas, são como canções para todos recitar, já não há estímulo nenhum para a audiência senão aquilo que já é totalmente conhecido ou não, é inegável que é um marco. R.N.

Palco TMN

Junior
Vencer um passatempo do patrocinador principal do festival (TMN Garage Sessions) possibilita isto: abrir quatro dias de muita música e algum barulho enjoativo nos palcos da Herdade da Casa Branca. O recinto verde estava longe de ter muitos pés ou corpos a alterarem-lhe a cor - a crer pelos agradecimentos feitos, meio atabalhoadamente, quando a luz faltou, à frente estavam essencialmente a família e os amigos mais chegados -, mas foi presenteado com um animado, nem sempre feliz, hip-hop para várias vozes e T-shirts brancas. As letras ganhavam em ritmo e métrica o que perdiam em substância de conteúdo. Algum flow, mas pouco interesse. T.G.

Domingos António
É preciso levar as mãos à cabeça, revirar e mexer o cabelo, desorientar e tornar os neurónios um tanto lunáticos para justificar a entrada de um pianista e do seu piano na vastidão que é o palco principal do evento. Nem sequer se discute a qualidade técnica do artista que percorreu meio mundo em busca de uma carreira, a destreza manual era evidente naquelas assíncronas partituras. E como tudo o que pode correr mal, corre (assim postulam as leis de Murphy), o som que chegou ao público tinha qualidade deficiente: estava muito abafado e um pouco distorcido. Aquele concerto de piano precisava desesperadamente de um espaço próprio com som à altura. Domingos António saiu do palco num rompante, com ar de quem sabe não ser aquele o espaço apropriado para as músicas que ali levou. T.G.

Expensive Soul

Parecem ser os sucessores dos Da Weasel (e até Virgul cantou), pelo menos a crer pela quantidade de público que ali estava. É banda teenager com ritmo, hip-hop e soul suficientes para que quem nem sequer os conheça possa balançar um pouco. Acompanhados pela Jaguar Band, Demo e New Max aqueceram quem antes tinha ficado indiferente perante Domingos António. “Eu Não Sei” foi o primeiro coro geral do festival e é talvez aí que está o mérito da actuação. Revelam já algum entrosamento, mas não é isso que faz boas canções. Passível de descartar. T.G.

Orquestra Imperial
A Orquestra Imperial responde, por vezes, à questão-pesadelo "e se a Banda Eva fosse uma orquestra?". Bons músicos, nem sempre ao serviço do bom gosto. Fischerspooner foi cancelado e Patrice gostou de agradar às jovens com o seu reggae-que-não-é-reggae-que-passa-pelo-funk-e-pela-pop. R.N.

Sean Paul
Entre rappers entroncados, bailarinas exóticas e fitas jamaicanas, o r&b mesclado com hip-hop num todo que a convenção apelida ragga foi pretexto para alguma animação no recinto, mas mais por vontade festivaleira de festa do que pela qualidade musical que emanava do palco principal, não descontando o esforço da banda em puxar pelas pessoas. Sean Paul e os seus acompanhantes fizeram por repetir o seu nome até à exaustação, numa manifestação que se afigurava mais egocêntrica do que espectacular. O sangue português, que disse ter, animou alguns, e os êxitos de Dutty Rock serviram para o resto. Tratou-se contudo de um concerto abatido, tímido e pouco entusiasmante. A dada altura a vontade já era deitarmo-nos algures no recinto e olharmos para o céu. Dizia alguém: “Aquela ali é a Ursa Maior ou a Cassiopeia?”. T.G.

Sean Paul

Palco Planeta Sudoeste

Gato Fedorento
Tal como os seus heróis e antecessores Monty Python, os tipos do Gato Fedorento estão reduzidos a aplausos pela repetição de piadas e sketches sobejamente conhecidos, sem qualquer espaço para improviso e criatividade. Ainda assim, aguentam-se à bronca. O palco Planeta Sudoeste é um palco onde ver concertos é extremamente difícil. R.N.

Gato Fedorento

Ladytron
Estão seis pessoas em palco, quatro sintetizadores, um baixo, uma bateria e duas vozes femininas que não são nada de especial. Os sintetizadores têm nomes de mulheres escritos, e deles sai um electropop que não é só inofensivo com “Playgirl” (ou “Playguy”, que era mais o que parecia na altura) e “Seventeen”, os únicos dois êxitos algo sacarinos do conjunto. Há momentos barulhentos, em que o ritmo apressa, tudo em divertimento sem malícia e sem muitas consequências.
Os Ladytron trazem quatro pessoas nos sintetizadores, um baixista e um baterista. Electropop que nem sempre faz sentido, devaneios instrumentais e muita dança à mistura, em menos de uma hora de concerto, ou seja, evitando muita monotonia. Duas vozes femininas, quase sempre desafinadas, mas onde isso não é importante. As pessoas dançam, aplaudem os momentos mais barulhentos em que o ritmo vai acelerando e cantam alto os únicos dois êxitos do grupo, "Playgirl" (aqui "playguy" ou algo parecido) e "Seventeen". Divertimento sem malícia e sem consequências. Os sintetizadores tinham nomes de mulheres lá escritos. R.N.

· 04 Ago 2005 · 08:00 ·

RELACIONADO / Black Dice
Discos
Creature Comforts
2004
Load Blown
2007
Repo
2009
Mr. Impossible
2012
Ao Vivo
Black Dice / Panda Bear
21 Abr 2006: Galeria Zé dos Bois, Lisboa
Ao Vivo
The Peppermints / d3ö
14 Out 2005: Galeria Zé dos Bois, Lisboa
Discos
Rejoicing in the Hands / Niño Rojo
2004
Cripple Crow
2005
Smokey Rolls Down Thunder Canyon
2007
Mala
2013
Ao Vivo
CAVEIRA / Devendra Banhart
12 Nov 2005: Aula Magna, Lisboa
Festival Para Gente Sentada 2004
1-2 Out 2004: Teatro António Lamoso, Santa Maria da Feira
Discos
Beyond
2007
Ao Vivo
Festival Heineken Paredes de Coura 2007
13/14/15 Ago 2007: Paredes de Coura
Ao Vivo
Festival Sudoeste 2003
7-10 Ago 2003: Zambujeira do Mar
Discos
One Life Stand
2010
In our heads
2012
Entrevistas
BPM emocional
04 Set 2011
Ao Vivo
Hype @ Tejo
08 Jul 2006: Terrapleno de Santos, Lisboa
Festival Sònar
15-17 Jun 2006: Barcelona
Sónar Galicia
19 Jun 2010: EXPOCoruña, Corunha
Super Bock Super Rock
16-18 Jul 2010: Meco
Ao Vivo
Nuno Prata / Josh Rouse
17 Dez 2004: Fórum Lisboa, Lisboa
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
Discos
Gravity The Seducer
2011
Ao Vivo
Ladytron
04 Nov 2008: Lux, Lisboa
Discos
LCD Soundsystem
2005
Sound of Silver
2007
This Is Happening
2010
American Dream
2017
Ao Vivo
LCD Soundsystem
20 Jun 2005: Casa da Música, Porto
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
Summercase 2007
13-14 Jul 2007: Boadilla del Monte, Madrid
Etc.
Shut up and Play the hits [DVD]
2012
Discos
Less Than Human
2005
Discos
Midnight Boom
2008
Keep On Your Mean Side
2003
Blood Pressures
2011
Ao Vivo
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
Clubbing Abril
16 Abr 2008: Casa da Música, Porto
The Kills
4- Nov 2016: Hard Club, Porto
Discos
The Electric Chants of the Disenchanted
2003
Up On The Walls
2005
Sounds Like Trouble
2008
Entrevistas
Vícios conspirados, púbicas vicissitudes
22 Out 2005
Ao Vivo
Pixies / The Vicious Five
20 Jul 2006: Pavilhão Atlântico, Lisboa
The Vicious Five / Arctic Monkeys
18 Mai 2006: Paradise Garage, Lisboa
The Vicious Five
31 Out 2005: Clube Mercado, Lisboa
Linda Martini / The Vicious Five
13 Out 2005: FLUL, Lisboa
The Vicious Five
10 Set 2005: Mercado, Lisboa
The Vicious Five + Ex-Models
21 Mai 2005: Galeria Zé dos Bois, Lisboa
The Vicious Five
23 Abr 2004: Galeria Zé dos Bois, Lisboa
Creamfields
19 Mai 2007: Parque da Bela Vista, Lisboa
Oeiras Alive!07
8-10 Jun 2007: Passeio Marítimo de Algés, Algés
Discos
Dubnobasswithmyheadman
1993
Oblivion With Bells
2007
Barbara Barbara, We Face a Shining Shining Future
2016
Ao Vivo
Underworld
7- Ago 2019: NeoPop, Viana do Castelo
Entrevistas
Arte (bruta) em constante mutação
04 Abr 2012
Um segundo de cada vez
27 Jun 2007
Ao Vivo
Dead Combo / Wray Gunn
01 Dez 2005: Santiago Alquimista, Lisboa
Noites Ritual Rock 2005
26-27 Ago 2005: Jardins do Palácio de Cristal, Porto
Super Bock Super Rock
28-30 Mai 2005: Parque do Tejo, Lisboa
Wraygunn
19 Nov 2004: Porto Rio, Porto
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
X-Wife + Wraygunn
03 Jul 2004: Caldas de São Jorge
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros