DISCOS
Battles
Mirrored
· 08 Jul 2007 · 08:00 ·
Battles
Mirrored
2007
Warp


Sítios oficiais:
- Warp
Battles
Mirrored
2007
Warp


Sítios oficiais:
- Warp
Irritante? Irritante é o Akon e o spam relacionado com e-cards. “Atlas” são 7 minutos de puro génio pop, e o que está à volta também é muito bom.
Em termos de singles de 2007, nada bate “Atlas”, dos Battles, pelo menos em termos de peculiaridade. Ora vejamos: é um supergrupo de estrelas do pós-rock e do rock avant-garde num projecto math/pós-rock a começar com uma combinação de baixo e bateria que lembra a batida de “Beautiful People” de Marilyn Manson e a trazer na voz a chipmunk soul popularizada por RZA dos Wu-Tang Clan e mais recentemente por Kanye West e Just Blaze para uma canção pop. Porque é essa a sua estranheza, pode haver a muscularidade toda das baterias do math-rock, uma guitarra que demora a fazer-se ouvir e a voz com o pitch alterado, mas não deixa de ser uma canção pop, com verso e refrão (ou só dois refrães).

E é incrível, até passa na rádio (dizem que passa na Radar, mais longe que isso não deve chegar), os DJs renderam-se (Erol Alkan, DJ de techno, passa o single nos seus sets, por exemplo) e a malta do free odeia-a, dizendo que os Battles se limitam a ir buscar os Black Dice, os Lightning Bolt e os Animal Collective para fazer algo sem quaisquer ideias.

O que não é, de todo, verdade. Basta ouvir Mirrored uma vez para se perceber que, apesar de haver pontos de contacto com estas bandas, nada soa assim no mundo inteiro. Há assobios, vibrafones, teclados, vozes processadas, guitarras, mas há também imensas melodias memoráveis e quase canções. É óbvio que vai buscar muito ao rock mais recente e marginal de Brooklyn e de Providence, mas é muito mais perfeito e high tech (para não dizer mais acessível que pelo menos os Black Dice e os Lightning Bolt) que qualquer um desses grupos, também pelo domínio que os membros têm de cada um dos seus instrumentos.

Claro, as vozes alteradas podem ser um entrave à degustação de “Atlas” e outras faixas, mas, mesmo que se considere irritante, é tremendamente menos irritante que Akon (outro herdeiro da chipmunk soul e um dos seus maiores crimes), o seu “Mr. Lonely” e basicamente todas as canções que passam na Rádio Cidade em que aparece (ou seja, quase todas).
No vídeo de “Atlas” e na capa e no booklet do disco (que não passa de um poster), há uma sala espelhada onde está todo o equipamento da banda. Nessa sala espelhada, Tyondai Braxton, filho do saxofonista de free jazz Anthony Braxton e semi-líder da banda, de mini-afro e guitarra às costas, mexe os pés ao som da canção e está visivelmente a divertir-se. Ele sabe quão boa é a canção, dançando (aquilo é uma dança coreografada ao pormenor, quase certamente) não para prová-lo, mas porque é a única alternativa que tem perante tal canção.

Mas Mirrored não é só “Atlas”. Há mais momentos, desde o assobio de “Race:In” às vozes rápidas de “Ddiamondd”, passando pela quase soul de “Layendecker”, a voz arrastada de “Rainbow” ou os “whoa-whoa-whoas” à Animal Collective de “Bad Trails”. Gira tudo à volta do mesmo: batidas enérgicas, melodias memoráveis e outros elementos hipnóticos repetidos que alternam entre as texturas sonoras (muito menos que aquilo que a banda fez nos EPs que antecederam o disco e foram lançados por várias editoras diferentes) e as partes pop.

É quase música de dança, mas não é música de dança. Foi isto que o pós-rock nos deixou. Foi isto que a chipmunk soul nos deixou. Foi isto que os Black Dice, os Lightning Bolt e os Animal Collective nos deixaram. Mas é muito mais que isso. E é muito, muito bom.
Rodrigo Nogueira
rodrigo.nogueira@bodyspace.net
RELACIONADO / Battles
Discos
EP C / B EP
2006
Entrevistas
Batalha sensorial
22 Set 2005
Ao Vivo
Festival Sònar
16-18 Jun 2005: Barcelona
Optimus Clubbing Dezembro
3 Dez 2011: Casa da Música, Porto
ÚLTIMOS DISCOS
Sound Of Lapland
Scapes
· POR Paulo Cecílio ·
Feliz Natal.
ÚLTIMAS

Parceiros