Optimus Alive
Passeio Marítimo de Algés
10-12 Jul 2008
No segundo dia houve Dylan e Buraka Som Sistema. O chapéu de cowboy, sempre no órgão, os arranjos diferentes que espoletam o jogo “mas que raio de canção é esta que ele está a tocar?” que se ganha ao conseguir discernir, no meio da voz mais grave, completamente alterada, presume-se, pelo álcool e a idade, uma ou outra palavra. Um concerto interminável, para convertidos, para quem sentiu o chamamento de Dylan cedo na vida, que conhece a discografia do início ao fim, que ouve cada palavra e cada poema e cada canção como se fosse o melhor que já se fez no mundo. Para os outros, ou seja, o público em geral, muito menos que o que se juntou para os Rage Against the Machine, há palmas entusiasmadíssimas cada vez que ele pega na harmónica e um coro no fim, em “Like a Rolling Stone”.

Para quem viu os Buraka Som Sistema nos primeiros concertos no Clube Mercado em 2006, alguns longe de estarem completamente cheios, ou mesmo a vê-los no último dia do Alive do ano passado, no palco secundário, vê-los a fechar um dia de um festival grande no palco principal é uma experiência indescritível. São das maiores bandas portuguesas de agora, e os níveis de produção cénica aumentaram muito para aquilo que é basicamente dois tipos com computadores e drum pads, um artista de spoken word e dois ou três MCs, dependendo das condições, a dizer palavras de ordem viradas ou para a dança ou para a obscenidade ao microfone. E dança, muita dança, para além de um domínio completo sobre o público (eles dizem para o público se baixar e o público baixa-se, por muito que custe). Ecrãs de televisão com o diamante branco sobre o fundo preto que é o logótipo de Black Diamond, o disco que está aí a chegar, mostram que acho já não estamos no Kansas, Toto.

E não é só de kuduro que eles vivem, há convidados como Deize Tigrona que traz o baile funk, há beats de dubstep, há a remistura de “Dialectos de Ternura” dos Da Weasel com Pac Man a rimar ao vivo e há a maior banda de estádio portuguesa de 2008, dois anos depois daquilo que devia ter sido um fenómeno passageiro. Estes tipos são grandes, muito grandes, capazes de ombrear com qualquer música de rua feita por pessoas que não são bem da rua do resto do mundo (com a adição da bailarina incrivelmente boa que dançava no meio do palco).
· 10 Jul 2008 · 08:00 ·
Rodrigo Nogueira
rodrigo.nogueira@bodyspace.net
RELACIONADO / Bob Dylan
Discos
Blonde on Blonde
1966
Bob Dylan In Concert - Brandeis University, 1963
2010
Ao Vivo
Bob Dylan
22- Mar 2018: Altice Arena, Lisboa
Etc.
Don't Look Back [DVD]
2006
Discos
From Buraka to The World EP
2007
Black Diamond
2008
Komba
2011
Entrevistas
A caminho dum som tipo Buraka
07 Nov 2011
Ao Vivo
Urban Vibe
14 Abr 2007: Casa da Música, Porto
Digital Mystikz vs. Loefah + MC Sgt. Pokes / Buraka Som Sistema
18 Nov 2006: Ateneu Comercial de Lisboa, Lisboa
Buraka Som Sistema
12 Jun 2006: Miradouro de Santa Catarina, Lisboa
Buraka Som Sistema
10 Nov 2011: Coliseu dos Recreios, Lisboa
Buraka Som Sistema
28 Jan 2012: Pavilhão Multiusos, Guimarães
Discos
Blue Songs
2011
Discos
Harvest Moon
1992
Le Noise
2010
Live at the Cellar Door
2013
Ao Vivo
Primavera Sound
30 Mai 2009: Parc del Forum, Barcelona
Discos
Contra
2010
Ao Vivo
Super Bock Super Rock
16-18 Jul 2010: Meco
Vampire Weekend
10 Nov 2010: Campo Pequeno, Lisboa
Vampire Weekend
26- Nov 2019: Coliseu dos Recreios
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros