DISCOS
Koop
Koop Islands
· 02 Nov 2006 · 08:00 ·
Koop
Koop Islands
2006
!K7


Sítios oficiais:
- !K7
Koop
Koop Islands
2006
!K7


Sítios oficiais:
- !K7
Uma vez mais navegamos nos mares onde ignoramos a realidade e nos deixamos surripar pela fantasia.
Será possível estar em dois sítios ao mesmo tempo? As leis da física diriam que não, mas se a nossa imaginação se mantiver fiel ao princípio the sky is the limit, de certo que não haverá qualquer limite para fantasia. O importante será mesmo ignorar as fronteiras delimitadoras entre a realidade e a ficção e deixarmo-nos envolver com os sonhos. Se for possível encontrar a banda sonora que acompanhe um retrato tanto melhor. A música sempre enriqueceu as imagens…

Volvidos cinco anos sobre a edição de Waltz for Koop, o duo sueco regressa com mais um inocente manifesto fantasioso onde é mesmo possível estar em dois locais diferentes sem sair do mesmo lugar. Uma vez mais isso torna se possível muito graças a extraordinária capacidade de Oscar Simonsson and Magnus Zingmark em compor música que desafiam as leis da física convencional. Ainda bem que alguém o faz, caso contrario teríamos de ficar encalhados para o resto da eternidade num universo excessivamente formatado, quadrado e cinzento e onde todos falam a mesma linguagem.

Koop Islands é um convite de embarque numa curta viagem de meia hora com destino à ilha onde tudo se passa de forma quase surrealista. Onde fantasiar acaba por ser um acto praticamente incontrolável. Existe uma estranha onda de calor com origem nas terras frias do norte da Europa que nos aquece o coração numa altura em que o Verão nos abandonou definitivamente por mais uma ano. Tudo resulta da extraordinária capacidade de compor canções, onde um sincretismo pragmático se transforma numa ferramenta essencial para a transformação de diversas matérias como o swing ao velho estilo big band anos 30, a pop dos anos 60 ou a soul dos anos 70 numa única massa sonora moderna possuidora de uma eloquência formal que literalmente nos deixa siderado.

Será impossível resistir aos encantos de um "Come To Me" porque não só nos deparamos com a voz irresistível e inocente de Yukimi Nagano, como nos sentimos embalados por um swing hipnótico que nos arrasta para um vórtice temporal onde nos vemos sentados num velho club jazz característico da Nova Iorque dos anos 30 instalado numa praia das Caraíbas. Ou de "Koop Island Blues" que nos mergulha nas águas quentes do mediterrâneo enquanto no horizonte imaginamos uma cena de amor entre um jovem siciliano e uma qualquer Bond-Girl dos anos 60.

Em Koop Island mantêm-se as características de todos os álbuns anteriores dos Koop. Podemos mesmo admitir que não existe diferenças de relevo entre os encantos de Waltz for Koop e este terceiro álbum, mas a forma como nos capta uma vez mais o espírito, nos conquista a atenção ou revela um natural enlevo místico, deixa nos imbuídos numa luxúria de voluptuosidade. Koop Island fará com que ignoremos os princípios elementares de evolução artística que separam os álbuns uns dos outros da mesma maneira como ignoramos as leis da física num universo fantástico, surreal, onde tempo e espaço correm ao sabor dos ventos e marés. Certamente as mesmas brisas e correntes que assolam uma ilha imaginaria algures nos mares do norte. Às vezes o melhor é mesmo deixarmo-nos envolver com os sonhos e esquecermos a realidade.
Rafael Santos
r_b_santos_world@hotmail.com
RELACIONADO / Koop
Discos
Waltz For Koop
2001
ÚLTIMOS DISCOS
Cigarettes After Sex
Cigarettes After Sex
· POR Rafael Santos ·
Somos sonâmbulos felizes.
ÚLTIMAS
AO VIVO
Neopop
Viana do Castelo
3-5 Ago 2017
· POR Paulo Cecílio · 08 Ago 2017 · 23:45 ·

Parceiros