DISCOS
Os Quais
Meio Disco
· 24 Fev 2009 · 14:39 ·
Os Quais
Meio Disco
2009
Amor Fúria / Mbari


Sítios oficiais:
- Os Quais
- Amor Fúria
- Mbari
Os Quais
Meio Disco
2009
Amor Fúria / Mbari


Sítios oficiais:
- Os Quais
- Amor Fúria
- Mbari
Não se põe a dúvida do disco meio cheio ou meio vazio, porque Meio Disco mostra logo que o escritor Jacinto Lucas Pires não deve estender às suas apresentações o ofício da música.
A discussão que se tem centrado na mais recente vaga de “roque (em) português”, aspas um pouco marotas, tem padecido do efeito bipolar que tende a afastar para os antípodas as apreciações entre os que sentem repulsa e os que rezam o terço com fervor. O espectro está sempre um pouco mais preenchido e equi-espaçado que isso, ou seja, nem só de bom (ou mau, depende do partido tomado) se faz a festa, como vem a lume o mediano e o resto. Surgem estas palavras a propósito das linhas que se seguem e não são nem desculpa nem justificação, apenas uma explicação tosca de que aqui não se tiram fotografias homogéneas a um conjunto tão diferenciável. Mas também não se atenta ao luso-porreirismo para aplaudir o que deve ser desancado, como o Meio Disco d’Os Quais.

É quase certo que a capacidade de pegar no quotidiano pouco idiossincrásico e nas boçalidades do dia-a-dia com o fim de criar massas de palavras dignas de notas cantadas, parece estar reservada quase só a gente lida. Jacinto Lucas Pires, o escritor, tem o estatuto ideal para tomar esse papel de quem olha o mundo e lhe dá um interesse dobrado, dividindo-o. Fala-se logo de letras, porque é o que primeiro se estranha, pelas razões óbvias da atenção que se lhes dá. De “tiques de sofisticação intelectual” sobra-lhes o pretensiosismo e pouco mais, do discorrer “coisas tão ingénuas quanto familiares” nada mais que isso. O pintor Tomás Cunha Ferreira é o outro co-criador destas seis canções no álbum de desabrochamento musical público dos dois artistas.

Depois das letras, estranha-se a voz. Jacinto Lucas Pires não sabe cantar, o que não seria grave se não fosse incomodativo. Esse constrangimento percorre todo o disco, e mesmo as canções meio conseguidas são-no quase sempre com a abstracção que a filtragem selectiva do cérebro permite, confrontado o que está a ser cantado com o que convive à volta.

Há seis temas: três maus, um meio mau e outros dois meio bons. No lote 1: “Um Bife No Chiado”, “A Rapariga da Caixa” e “Lero-Lero”; no lote 2: “Recado”; e no lote 3: “Mondriânica” e “Caído no Ringue”. São todos pop aproximadamente cantarolável, uns menos que outros, mas naqueles três primeiros é difícil tirar suco quer da estética quer da palavra, como as referências primárias e secundárias aos Pontos Negros também não valem muito. Uma canção que começa com “Não, nada disso / isso não é nada / o que ele disse é uma coisa de nada /não tem mesmo nada a ver” até podia soar bem, dá-se a dúvida, mas aqui definitivamente não.

É quando se aproximam da música brasileira que conseguem as melodias mais interessantes e nisso é preciso tirar meio chapéu a “Mondriânica” e “Recado”, com valor potencial, mas onde em bruto resta apenas a força da mediocridade. No fim há “Caído no Ringue”, spoken word e saxofone free, de todos o mais valioso dos temas. Mas não há brilho que justifique o todo e a sensação que se tem é a de que Meio Disco não passa do canto de um cisne que acabou de nascer.
Tiago Gonçalves
tgoncalves@bodyspace.net
ÚLTIMOS DISCOS
Márcia
Vai e Vem
· POR Rafael Santos ·
Eis, pejado de distinto ser!
ÚLTIMAS

Parceiros