Festival Para Gente Sentada 2004
Teatro António Lamoso, Santa Maria da Feira
1-2 Out 2004
Assim como aconteceu com os Kings of Convenience de Quiet Is The New Loud para Riot on an Empty Street, também o Festival Para Gente Sentada (ou Abraçada) se mudou para o conforto do lar. As folhas secas de Outono foram substituídas por tapetes, o banco de jardim e os arbustos deram lugar a um biombo e a três gigantescas molduras – um prenuncio para a noite a guardar que se aproximava – rodeadas por uma enorme fita vermelha que pendia do tecto – o ideal seria imaginar que pendia o céu, só para abrilhantar as coisas. Desde logo foi possível observar que a segunda noite do “Festival dos Sentados” – como foi tantas vezes curiosamente abreviado – seria de devoção a Devendra Banhart. Mas primeiro, Kate Walsh, a britânica que visitava Portugal pela terceira vez (em 2004). Acompanhada do seu guitarrista - Rick Oliver – Kate Walsh apresentou mais uma vez as canções do seu álbum de estreia, Clocktower Park. O nervosismo natural registado nas primeiras actuações quase desapareceu – é agora uma mão segura que percorre as cordas da guitarra acústica pelas canções intimistas que a sua ainda curta vida – Kate Walsh tem apenas 21 anos – lhe fez escrever. Além disso, Kate Walsh mostrou ser menina para uma piada ou duas: confessou-nos que a sua guitarra é temperamental e precisa por isso de afinações constantes e mostrou ainda dominar alguns termos em português tais como “olá”, “adeus e “posso beber uma cerveja?”, expressão que – nas suas palavras – é de primordial importância. Mas no que diz respeito à música propriamente dita, Kate Walsh percorreu Clocktower Park em quase todas as suas canções: “Animals on Fire”, canção que compara o poder de uma paixão a animais em fogo, a solarenga “Quicksand”, “It’s Never Over”, a afirmação do sonho e da esperança, “Junebug”, “Impressionable” – o melhor tema do disco de estreia, transportador de uma imensa sensação: “Silence is the voice I miss the most” -, “Star” e “Holes in my Jacket”.

Para muitos desconhecido, Robert Fisher, o líder dos Willard Grant Conspiracy, entrou em palco para rapidamente manifestar a sua insatisfação por não tocar com a sua banda e anunciar que a sua actuação iria centrar-se essencialmente em canções sobre a morte. E assim foi. Mais uma vez, a guitarra acústica e uma voz. E algum humor. Fisher reportou-se à noite anterior para contar que, depois de recolhido ao Hotel, teve de lidar com a mais fácil das indecisões: escolher entre a cerveja e o whisky. Deixou para o público, a complicada tarefa de descobrir qual tinha sido a sua opção e prosseguiu com as canções. A sabedoria que Fisher possui caminhou sempre ao lado das suas canções e a melancolia também, de braço dado. Numa dessas canções, Rosie Thomas – sempre doce – e Nicolai Dunger deram uma ajuda na voz, e na harmónica respectivamente. Perto do fim, Robert Fisher apresentou mesmo aquela que para si é a canção mais triste que conhece, e não é difícil perceber porquê. A palavras tantas, Fisher faz quase lembrar Will Oldham - quando em “Death To Everyone”, do seminal I See a Darkness, diz: ”Death To Everyone is gonna come / And it makes hosing much more fun” - ao revelar tamanho pessimismo: “Suffering is gonna come / To everyone / Someday”.

Não vale a pena escondê-lo, o concerto de Devendra Banhart era a razão pela qual mais de metade das almas que enchiam o Teatro António Lamoso esperavam ansiosamente. Na primeira canção, Devendra fez-se acompanhar somente da sua guitarra mas a partir daí – para surpresa de muitos – fez-se acompanhar dos The Queens of Sheeba, a sua trupe: Andy Cabic dos Vetiver, Kyle Field dos Little Wings no baixo, Adam Forkner na guitarra e Jona Bechtolt na bateria. Por força das circunstâncias, as canções de Devendra Banhart, que em disco são pautadas por um enorme intimismo, ganharam um novo corpo – um corpo de banda. “Will is my Friend” surgiu, mais emotiva do que nunca, adocicada pelo baixo e pela guitarra e suavemente balanceada pela percussão. Devendra teceu elogios à comida, ao vinho do Porto, ao vinho Moscatel - chegou a ler o rótulo de uma das garrafas que se passeavam pelo palco – mas deixou um aviso: Santa Maria da Feira precisa de uma loja de fatos; fatos dos Power Rangers, das tartarugas-ninja ou apenas de tartarugas ou ninjas. Houve tempo para uma canção dos Little Wings, outra dos Vetiver, uma cover de Neil Young e uma jam do caralho – sim, do caralho – que se deve ter prolongado por uns quinze minutos: ouviram-se dedicatórias a John Fahey, elogios multi-continentais, gritos de “ It’s allright to be a white reggae troll” e “ I believe in Africa” e mesmo os sons do reggae - sim, porra, reggae. “This Beard Is For Siobhan”, repleta de la la la las, e “This is the Way” surgiram em versões fantásticas; também surgiram dois ou três encores, cada vez mais intensos e imprevisíveis – rondou sempre uma estranha atmosfera de nostalgia ou a sensação de se estar, de repente, na década de 70; um estranho sentimento de distanciamento do presente. Como reflexo daquilo que se estava a passar em palco, na plateia as coisas começaram a ganhar contornos de histerismo: pessoas em pé, constantes trocas de lugar, dança desenfreada, palmas, cânticos e um sentimento quase geral: aquilo que se estava a passar em palco tarde ou nunca será esquecido.

· 01 Out 2004 · 08:00 ·
André Gomes
andregomes@bodyspace.net
RELACIONADO / Devendra Banhart
Discos
Rejoicing in the Hands / Niño Rojo
2004
Cripple Crow
2005
Smokey Rolls Down Thunder Canyon
2007
Mala
2013
Ao Vivo
CAVEIRA / Devendra Banhart
12 Nov 2005: Aula Magna, Lisboa
Festival Sudoeste 2005
04-07 Ago 2005: Zambujeira do Mar
Ao Vivo
Festival Para Gente Sentada 2006
24-25 Nov 2006: Teatro António Lamoso, Santa Maria da Feira
Festival Para Gente Sentada 2005
01 Out 2005: Teatro António Lamoso, Santa Maria da Feira
Entrevistas
As canções do parque
31 Jan 2005
Ao Vivo
Kate Walsh
01 Jul 2004: Café Concerto Rivoli, Porto
Discos
Only With Laughter Can You Win
2003
Entrevistas
Canções em suspenso
29 Mar 2006
De uma sinceridade e simplicidade desconcertantes
02 Out 2003
Discos
The Avalanche
2006
Come On! Feel the Illinoise!
2005
Songs for Christmas
2006
The Age of Adz
2010
Ao Vivo
Sufjan Stevens / St. Vincent
07 Nov 2006: Casino de l'Aliança del Poblenou, Barcelona
Sufjan Stevens / DM Stith
30 Mai 2011: Coliseu do Porto, Porto
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros