ETC.
DVD
Dentist, the menace
Holy Molar
· 12 Jul 2006 · 08:00 ·
Dentist, the menace
Holy Molar
2006
Three One G
Dentist, the menace
Holy Molar
2006
Three One G
A composição da imundice que Justin Pearson palita aos dentes incisivos contém espanto e horror em doses de alto risco. Além de obrigar a abrir comportas ao tóxico qualquer abordagem dirigida a uma mutação estável – se bem que saudavelmente non-sense – dos cimeiros Locust, esclareça-se a primeira frase como um apontamento ácido dirigido a algum aburguesamento camuflado por excentricidade. Isto por parte do baixista e voluntário irregular da berraria que tempestuosamente serve aos Locust e a este colectivo paralelo, Holy Molar, que se distingue da entidade dominante por exploração absurda de um imaginário dentário – os cinco membros trajam a bata própria dos dentistas em concertos e fotos promocionais. Justin Pearson ocupa-se também de gerir a caótica Three One G e pouco provavelmente alguém se atreverá a lixar-lhe a cabeça por se multiplicar em constelações underground tantas vezes confundíveis. Com a agravante de aqui fazê-lo de um modo tão evidente que não dispensa sequer o contributo de dois outros Locust – o colossal baterista Gabe Serbian aqui subaproveitado na guitarra e Bobby Bray (alcunhado como Henk) aos comandos de uns teclados vintage saturados de efeitos spooky. Mesmo assim, aceite-se os Holy Molar com alguma seriedade e não como uns Locust de horas vagas e sem a pressão que implica suceder a Plague Soundscapes.

Ou então não, e acaba mesmo por ser o deboche violento e encenado a servir de impulso punk a uns Holy Molar que tudo fizeram por destabilizar a ordem às paragens percorridas durante uma digressão pela costa Oeste. Em Dentist, the Menace, o DVD que procura fielmente documentar isso, encontramo-los a reproduzir os petardos de The Whole Tooth and Nothing but the Tooth com uma hostilidade e energia electrizante que não se via desde os primórdios do pogo britânico. A Califórnia afunda-se em violência gratuita: trocam-se escarretas como abraços, socos em saudável espírito de camaradagem e há até mesmo quem suspenda o corpo nu a partir de um tecto raso de cave. Isto enquanto os Holy Molar fazem os possíveis por tornar mais abrasivo e bizarramente convulso um núcleo duro que eclipse a guitarra e baixo fechados em minúsculo cubo de zinco quente – forma geométrica claustrofóbica que se conhece aos discos de Locust. Entre o descalabro, descobre-se um “Drip! Drip! Drip!” que é estupidamente eficaz e fácil de memorizar. Tudo o resto é massa amorfa com cobertura espinhada.

Aparentemente, serve tudo isto para provar que nem sequer são tão falaciosos aqueles anúncios em que uma banda se oferece para tocar em qualquer circunstância - baptizados, festas de aniversário ou cerimónias fúnebres - em troca de uma quantia simbólica e cattering vegetariano. Já o haviam feito os Mae-Shi recentemente e voltam a cometer a proeza uns destemidos Holy Molar que se pelam para tocar num bar subterrâneo onde se encontra escrito a letras berrantes: Fuck your hipster scene status.. O roteiro modestamete marginal alonga-se por festas de aniversário e caves completamente ilegais. Contudo, o que move este projecto secundário é simplesmente a negação exorcizante da pressão que afecta três dos seus membros. O porta-estandarte Justin Pearson quase passa por um Don King dos tempos em que Mike Tyson se encontrava encarcerado – vai enriquecendo alegre enquanto o seu melhor homem apodrece. Na escala descendente de 10 a 0 que aguarda a detonação do dinamite Locust, espera-se que Dentist, the Menace seja pelo menos um 3.
Miguel Arsénio
migarsenio@yahoo.com

Parceiros