DISCOS
Dead Combo
Lisboa Mulata
· 28 Out 2011 · 00:40 ·
Dead Combo
Lisboa Mulata
2011
Universal Music


Sítios oficiais:
- Dead Combo
- Universal Music
Dead Combo
Lisboa Mulata
2011
Universal Music


Sítios oficiais:
- Dead Combo
- Universal Music
MulatiCidade
Quantas cidades cabem em Lisboa? Quantos aromas e formas, sabores, tons de pele e sons, carpidos e escutados? Possivelmente tantas quantas as viagens trágico-heróicas que ajudaram a construir e desfazer um Império, de que somos causa e efeito. Uma teia de gestos e cinzas que, à bruta ou por amor, misturou gentes e culturas, criando algo que hoje em dia está muito em voga classificar como “lusofonia” aka conjunto de identidades culturais existentes nos países onde se fala a língua portuguesa e em diversas comunidades espalhadas pelo mundo. Sim, é bom lembrar - mais a mais numa época em que se discutem eurobonds e os "trabalhadores povos do Norte" encostam os "mandriões do Sul" à parede - que podemos ter raízes europeias, mas a nossa identidade e maior riqueza se encontram espalhadas (e espelhadas) por África, Brasil e outras paragens...

E se Lisboa Mulata não se deixa confinar pelas balizas lusófonas (continuam a avistar-se cowboys; em “Ouvi o Texto Muito ao Longe” Camané parece sussurrar as palavras escritas por Sérgio Godinho na vastidão de uma qualquer pradaria norte-americana), nunca essa miscigenação que desembocou no melting pot contemporâneo terá estado tão presente na música de Dead Combo. A faixa-título abre o disco em passo estugado, que nos faz percorrer diversas latitudes culturais da capital; balanço renovado na esquina em que se descansa a beber umas cervejas frescas na companhia de uma gulosa cachupa, antes de voltar a incendiar os sentidos ao sabor de uma morna. A “portugalidade”, tão cara em tempos de crise, também continua vincada, no jeito subversivo (e genial) de descambar com uma marchinha de Santo António (no que contam com a colaboração do enorme Marc Ribot, cuja inspiração haviam já homenageado em Vol. 1) ou no quase fado encantatório de “Esse Olhar Que Era Só Teu”.

Com os pés assentes no rectângulo, onde bebem referências íntimas e exóticas, mas de olhos e espírito além-fronteiras, Tó Trips e Pedro Gonçalves continuam a construir um universo particular (único, genuíno) que pode ser apreciado com os cinco sentidos - e noutros tantos continentes.
Hugo Rocha Pereira
hrochapereira@bodyspace.net
RELACIONADO / Dead Combo
Discos
Vol. 2: Quando A Alma Não É Pequena
2006
Lusitânia Playboys
2008
Entrevistas
Uma cidade com janelas abertas para o Mundo
27 Out 2011
Portugal, em volumes
08 Set 2006
O levantar da poeira
07 Jul 2004
Ao Vivo
Dead Combo / Howe Gelb
31 Fev 2007: Theatro Circo, Braga
Festival Vilar de Mouros 2006
21-22 Jul 2006: Vilar de Mouros
Dead Combo / Wray Gunn
01 Dez 2005: Santiago Alquimista, Lisboa
Dead Combo + Quinteto Tati - Festival Tímpano
28 Mai 2005: Casa das Artes, Famalicão
Dead Combo / Nuno, Nico
22 Fev 2004: Maus Hábitos, Porto
Dead Combo
09 Jun 2011: Galeria Zé Dos Bois, Lisboa
Mazgani / Dead Combo - Sintra Misty
15 Out 2011: Centro Cultural Olga Cadaval, Sintra
ÚLTIMOS DISCOS
Gabriel Ferrandini
Volúpias
· POR Nuno Catarino ·
Free condensado.
ÚLTIMAS

Parceiros