Telefon Tel Aviv
Aniki Bóbó, Porto
02 Abr 2004
Por entre as ruas mais escuras da Ribeira do Porto situa-se o Aniki Bóbó, que foi palco para receber a dupla de Chicago Joshua Eustis / Charles Cooper para um concerto inserido na apresentação do Festival IFI. Sendo o Aniki Bóbó uma sala de dimensões reduzidas, obviamente, não era de esperar uma audiência muito elevada. Mesmo assim, aquando do início do espectáculo, largas dezenas de pessoas enchiam a pequena sala iluminada apenas por alumas luzes de cor avermelhada que, a meio tom, sugeriam a abstracção e a enlevação.

Montadas, estavam duas mesas. No piso de cima, uma, controlada por duas pessoas que tinham sobre si a responsabilidade de verificar o som, as projecções, as luzes. Em baixo, Joshua Eustis e Charles Cooper, servidos apenas por dois laptops Apple, uma mesa de mistura e mais uns poucos artifícios, engendraram uma pequena introdução executada a compasso, preparando a audiência para aquilo que foi uma hora (nem mais, nem menos) de espectáculo. Por detrás da dupla, eram projectadas imagens numa pequena tela branca. Essas imagens mostravam uma cidade quase desértica, erma, de canhões, tanques e mais material bélico e - talvez o reverso da moeda – imagens de comícios políticos, a estátua da liberdade, George Bush, Monica Lewinsky em juramento, e Martin Luther King. Até aqui ainda não se tinha feito ouvir beats, pois tudo era demasiado planante, mas quando se ouvem os primeiros sons de “TTV”, surge o convite à dança sentada, no limite espacial da cadeira, contida. A dança visceral, interna, oculta - a tal dança inteligente. Não a dança física, de espasmos, reacções coléricas, fogosas, mas sim a dança do abanar de cabeça tímido, e do bater do pé disfarçado. O alinhamento seria feito aleatoriamente por canções dos dois álbuns de originais - Fahrenheit Fair Enough de 2001 e o mais recente Map of What is Effortless (nome retirado de uma peça do italiano Francesco Clemente, pintor surrealista, que data de 1978) - e por “Even Deeper (Nine Inch Nails Remix)” e "8 track Project Cut", pertencente ao EP Immediate Action 8 editado em Novembro de 2002 pelos próprios Telefon Tel Aviv.

Debate-se então o dilema entre as máquinas e o homem, entre o racional e o emocional. O estático, misturado com a convulsão, o repouso momentâneo que se segue a outro de desassossego. Partículas electrónicas que se desunem de um corpo uno e se propagam pela sala como se fossem lanças pontiagudas prontas a atingir toda a porção limitada de matéria, ou seja, os corpos adormecidos. O experimentalismo ambiental ora transmite uma sensação de candura, ora propõe abatimento, tanto torna disponível a luminosa energia como ataca com a intangível escuridão. Tocam-se diferentes estados de alma, unidos ali por uma causa desconhecida de todos. “Bubble And Spike” e “Map of What Is Effortless", tal como acontece no último álbum, surgem juntas e até aqui se nota a dicotomia. Se a primeira evoca a condição etérea, a segunda é um manto de decepção.

Duas pessoas falavam de Boards of Canada (e daí, quem não fala?) e com alguma razão. Principalmente no que ao primeiro disco diz respeito. Banda sonora para autópsias de insectos, dissecação. É o manobrar caprichoso de beats, glitches, drones, elementos acústicos, pianos e guitarras. Esperava-se “I Lied”, incluído em Map of What is Effortless, mas sabia-se que as condições logísticas não eram as melhores. Não obstante, as texturas melódicas continuavam a ecoar pelas paredes da sala de forma orgânica, como se encontrassem um lar em cada canto vazio, em cada ouvido não preparado para tamanhas flutuações sonoras.

No fim ficou a sensação de dever cumprido. Por uma hora, os corpos dormentes ganharam alguma (pouca) actividade. Fora do Aniki Bóbó, pelas ruas (ainda mais) escuras do Porto, a solidão continuava, agora, sem banda sonora. Agora era o silêncio quem ditava as regras da noite, mas estava registada ainda, na cabeça de cada um, a viagem feita pelas paisagens criadas pelos Telefon Tel Aviv.


Setlist

Slow But Hopeful
Jouzu Desu Ne
TTV
Bubble and Spike
Map Of What is Effortless
Even Deeper (Nine Inch Nails Remix)
Sound in a Dark Room
8 Track Project Cut
Fahrenheit Fair Enough
What It Is Without The Hand That Wields It
Knock Me Down Girl (TTA’s Slow Version)
· 02 Abr 2004 · 09:00 ·
André Gomes
andregomes@bodyspace.net

Parceiros