Ana da Silva / Large Number
Galeria Zé dos Bois, Lisboa
29 Set 2005
Eram as noites electrónicas feministas na ZDB. De um lado tínhamos Ana da Silva, madeirense de origem, que se notabilizou nas Raincoats, banda seminal do pós-punk londrino. Do outro, Ann Shenton, britânica de origem, que se notabilizou e quase prostituiu nos Add'N'to (X), banda electrónica-com-equipamento-analógico que gostava de escandalizar. Veja-se, por exemplo, os vídeos de "Plug me In" ou "Metal Fingers in my Body", alguns dos telediscos mais pornográficos de sempre. Agora milita nos Large Number, que ao vivo não passam de uns Add'N'To (X) #2, mas em disco são muito mais variados.

Às 10 para as 11 da noite, Ana da Silva estava a falar com amigos ou familiares, madeirenses, gente que não se insere na fauna que habita a Zé dos Bois, tudo isto à porta da Galeria. Lá dentro, os ingleses que vinham acompanhar Ann Shenton nos Large Number estavam a beber copos, a dizer palavrões, ou a perguntar a Mick Bund, baixista, se tinha chegado a tocar com os Aztec Camera (foi membro dos Felt). Depois de alguns (muitos) minutos, às 11 e 40 Ana da Silva subiu ao palco.

Já muito vivida, com ar de viúva, explicou quem era, que era madeirense e não açoriana, como muitos tendem a dizer, e explicou que, como era só uma pessoa em palco, tinha de usar "um CD" como base. Ou seja, punha a tocar todas as partes electrónicas de The Lighthouse, álbum a solo lançado no ano passado, e cantava por cima, às vezes tocando guitarra. Não passava, portanto, de um espectáculo de karaoke, onde até o bailinho da Madeira aparecia. Há temas, como "Hospital Window", que soam à banda sonora que Angelo Badalamenti fez para a série Twin Peaks de David Lynch.

Houve alguns erros, algumas partes despropositadamente dissonantes, mas nada de especial. Nada de especial, aliás, foi esta performance. Com um vídeo de um farol e das ondas a bater nele por trás, Ana da Silva ia dando o seu melhor no karaoke, dançando, mexendo as mãos, especialmente durante "In Awe of a Painting", que é uma canção totalmente direccionada para a dança, sendo que isto, para alguém que se veste de forma tão severa e séria e não mexeu um único osso do seu corpo durante Large Number, deve ser difícil. Ainda voltou para um encore, agradecendo muito e explicando que gosta de Lisboa, tudo com o sotaque madeirense que anos e anos de vida na velha Albion não conseguiram apagar.

Algum tempo depois, Ann Shenton começa a tirar os primeiros sons do seu Moog, acompanhada por gente no theremin, na guitarra e no baixo (o já referido Mick Bund). Estava mais rechonchuda desde a última vez que Portugal a tinha recebido em concerto a sério, estava com um vestido muito brilhante e pronta para celebrar. A sala tinha-se esvaziado visivelmente, com gente a ir-se embora ou a ficar no bar a beber uns copos (era mais fresquinho e nem sequer era preciso suar). É fácil perceber, pelos elementos que os compõem, a que é que os Large Number soam. Desbundas no Moog, como Ann já nos tinha habituado nos Add'n'to (X), loucuras no theremin e conservadorismo na guitarra e no baixo. Às vezes soam a pop britânica, com Ann a balbuciar algo ininteligível que dificilmente passaria por canção ou a pegar em folha de alumínio gigante (ou lá o que era) e a cobrir-se toda e a dizer as únicas palavras que percebemos vindas da boca dela: "I can't see you". Claro que não podia ver ninguém, era só tirar aquilo da cara. Raio da miúda. O tipo do theremin mete-se a dançar e a falar, a dizer algo que também não percebemos, dentro daquela massa de som, que podia às vezes até ser, sabemos lá, de uns Joy Division ou assim. Mas os temas não variam quase nada entre eles, tendo em conta que, se não se souber usar o theremin "a sério" (e quase ninguém sabe fazê-lo), o som dele acaba por tornar-se redundante e irritante, e se o Moog continuar sempre a fazer o mesmo a situação agrava-se.

Quase ninguém dançava, pelo que o tipo do theremin disse qualquer coisa como "Let's rock", pouco antes de a banda tocar o último tema e retirar-se. Mas, ao contrário do que acontecera com Ana da Silva, o público bateu palmas e depois calou-se. Não pediu um encore. Dois marmanjos assobiaram, de forma muito fraca, e o tipo do theremin voltou. Num gesto sofrível, pediu ao público para pedir para os Large Number voltarem. O público, contrariado, cumpriu e bateu palmas. A banda voltou e lá tocou mais um tema. Um encore forçado, algo ridículo.

Uma madeirense que não tocava nada que fosse electrónico, apenas disparava uma base pré-gravada e cantava e tocava guitarra por cima e uma inglesa selvagem que já deu entrevistas em sex-shops fizeram estas sessões de electrónica feminista. Dois concertos mornos, onde as pessoas mais divertidas eram as que estavam a tocar. O público, esse, o pouco que restou até ao fim, parecia estar a fazer um frete. A reputação das meninas pedia mais, especialmente delas próprias.
· 29 Set 2005 · 08:00 ·
Rodrigo Nogueira
rodrigo.nogueira@bodyspace.net

Parceiros