Santana
MEO Arena, Lisboa
27- Jul 2016
Santana regressou a Portugal com roupa nova, que na verdade é velha: Santana IV, o seu novo álbum, voltou a reunir o guitarrista com a sua formação "clássica" - Gregg Rolie, Neal Schon, Mike Carabello e Michael Shrieve -, mas não é a ideia de novidade que nos passa pela cabeça quando entramos na MEO Arena e constatamos, com alguma curiosidade, que devemos ser das pessoas mais jovens ali presentes. Alguém trouxe de volta os anos sessenta, e não nos estamos a referir apenas à época...

Perante hippies antigos e casais amantes de telenovelas, Santana entra em cena sob imagens do mítico festival de Woodstock, em 1969, onde actuou. Mas para além do visual há o som, um rock latino indefectível, que faz dançar colado ao corpo de outrém, conforme o exemplificavam dezenas de mulheres de idade avançada que ao incenso que brotava do palco juntavam o seu próprio patchouly, empestando o ar e obrigando os menos acostumados a fugir a sete pés das grades... E que, tal como os seus filhos ou netos, preferem o conforto das selfies à pujança das guitarras. Enfim.

Pujança, sim, que este é Carlos Santana, um dos últimos Grandes vivos das seis cordas, um homem que tanto é capaz de pedir paz e amor para todo o mundo como de arrancar para uma riffalhada estupidamente metálica. Se bem que ele prefira os primeiros: "Love Makes The World Go Round" é arrastada até ao infinito cósmico, também com a ajuda de dois (bons) vocalistas, antes do Carlito emprestar por uns segundos o seu instrumento a uma das poucas crianças presentes naquele espaço. Um coração de ouro, como o é o dos latinos. Mas também um "Corazón Espinado", que coloca, pela primeira vez, o - imenso! - público da MEO Arena a cantar.

De um gigantesco solo de baixo onde até coube "Imagine", de John Lennon, passa-se para um quase gigantesco solo de bateria de Cindy Blackman, baterista e esposa de Santana, que no final apresenta um "amigo português": o saxofonista Carlos Martins, que se junta à banda para interpretar dois temas. Por esta altura, já andávamos pela segunda hora de um concerto que durou três... Uma vitalidade impressionante que só julgávamos possível em Bruce Springsteen, mas que em Santana encontra um paralelo assinalável. Tal como o riff de "Black Magic Woman", que continua a arrepiar passados todos estes anos.

Escutava-se aqui e ali o seu nome, ao longo do espectáculo, dando a entender que seria este o momento em que todo este povo se iria finalmente entregar de corpo e alma ao calor latino. E eis que ela surge, antes do encore: "Oye Como Va", a versão que Santana fez de Tito Puente, pretexto para uns pézinhos de dança e uns amassos na companheira do lado. No final, houve ainda "Smooth", canção que o introduziu a toda uma nova geração e que tem o condão de ter feito o tipo dos Matchbox Twenty soar bem, e ainda uma incursão por "Roxanne", dos Police, com as luzes vermelhas da praxe. Seja um dos Grandes ou um Gigante, o que é certo é que ninguém ficou indiferente a Santana. O mundo é dos velhos.
· 29 Jul 2016 · 14:57 ·
Paulo CecŪlio
pauloandrececilio@gmail.com

Parceiros