Real Combo Lisbonense - Optimus Bailes Optimus
Clube Ferroviário, Lisboa
2 Dez 2010
Primos dos Irmãos Catita, mas sem caralhadas, o RCL atrai um público cada vez mais alargado. Dos (2)7 aos 77, diria. E composto tanto pelo trolha que dá espectáculo com uma bela cardina, metendo-se com quem quer que seja, como por jornalistas circunspectos e jovens de fato escuro e óculos à Zeinal Bava.

Um casal dos seus setenta anos roda em frente ao palco, sob a música da banda inspirada pela brasileira Orquestra Imperial. No fim dum tango ele ajoelha-se aos pés dela, beijando-lhe as mãos. O amor era lindo nos anos 60 – e continuará a sê-lo para todo o sempre.

Rui Reininho © Tiago Pereira

“A Borracha do Rocha” é o primeiro tema a causar frisson a sério. Depois, ouve-se Rui Reininho (ainda entre a assistência) gritar «O que é Bacalhau é bom!». Mote ideal para a entrada em cena da vocalista dos Deolinda. Mesmo para quem não seja fã da banda, a prestação de Ana Bacalhau, vestida em tons de preto & branco, deu um colorido especial a “O Fado É Bom Pra Xuxu”.

Segue-se “Banho de Lua”, que faz o público mergulhar no ritmo do Yé-Yé antes duma pausa para intervalo. A fase complementar do 2º concerto que RCL dá no Ferroviário sob o alto patrocínio da Optimus Bailes – a 1ª actuação da sociedade teve a grande Lenita Gentil como convidada especial – conta com a participação de Rui Reininho. Primeiro evoca Simone de Oliveira (também conhecida, pelo menos na semana da NATO, por Simeira de Olivone), para a seguir fazer toda a gente entoar o refrão de “Quero Que Vá Tudo Pro Inferno”.
RCL continua a reabilitar um cancioneiro (quase) esquecido. Um pouco como o que sucedeu com o espaço do Ferroviário, antes de ser reactivado e se tornar num trendy spot da capital – com o seu terraço “Budapeste Style” com vista para o Tejo, o salão para concertos e a sala-club.

Anónimo © Tiago Pereira

A noite termina em apoteose. A versão de “Tequilla” inspirada pelo anúncio da Laranjina C foi o mote perfeito. Rui Reininho regressa ao palco, sendo acompanhado por B Fachada (que foi arrebatado para as luzes ribalta) na pandeireta. Entretanto, Ana Bacalhau junta-se à pandilha, e de repente juntam-se velhas glórias, certezas e promessas da música nacional. Rui Reininho, decerto o decano da noite, continua um animal de palco: dança com exuberância e faz um peditório com a pandeireta, clamando "Give me subsídio!"

Como João Paulo Feliciano disse, ao apresentar a banda, "Se antes do Verão estes bailes eram bons, agora são Optimus".
· 03 Dez 2010 · 19:47 ·
Hugo Rocha Pereira
hrochapereira@bodyspace.net

Parceiros