√öLTIMAS
Havemos de ir a Viana #2: ...e Coura arranca no s√°bado
· 11 Ago 2014 · 16:02 ·


Arranca porque, este ano, o festival receberá os seus acólitos mais cedo, com uma série de concertos e DJ sets que começa já no sábado com o projecto Chão, que junta os Mão Morta e a Associação Comédias do Minho. Depois disso, a vila verá actuações de, entre outros, Xinobi e Moullinex, First Breath After Coma e Holy Nothing. Quanto ao festival propriamente dito espere-se o que acontece sempre: uma enorme sensação de comunhão entre os milhares de pessoas que todos os anos enchem o Minho para mais uma edição do festival português com a maior carga mítica. E diz que este ano o sol voltará a dar um ar de sua graça... Se não sabem para onde se virar, eis os três concertos imperdíveis da edição de 2014 do Vodafone Paredes de Coura. Os passes para os quatro dias custam 80€.

Janelle Monáe

Já não é a primeira nem a segunda vez que Janelle Monáe cá vem, mas o espectáculo que proporciona, aliada à boa pop que tem feito desde que explodiu em 2010 com o fantástico The ArchAndroid (que muito provavelmente será daqui a anos visto como um dos melhores álbuns desta década), tornam-na invariavelmente no nome mais forte do primeiro dia do festival, sem esquecer os Public Service Broadcasting - fusão de kraut com Penguin Café que, parece-nos, vai ser uma das boas surpresas do cartaz - e uma provável actuação no Xapas de um certo colectivo de DJs. A andróide norte-americana traz consigo as canções de The Electric Lady, aclamado disco editado o ano passado, e promete não só fazer a festa como abrir condignamente a edição de 2014 de Paredes de Coura.

Mac DeMarco

O Nuno Rodrigues canadiano tem gerado um culto enorme em torno das suas canções em modo slacker, sendo que regressa a Portugal com Salad Days, óptimo disco editado este ano. Actuará no segundo dia, ao início da noite, o que desde já não podemos deixar de lastimar; o cheiro a maresia e ganza das suas canções conjugar-se-ia muito melhor à tarde e, podendo, no palco destinado ao Jazz Na Relva, junto ao Tabuão. Mas como não pode ser tudo como nós queremos, contentemo-nos em tê-lo aqui novamente.

James Blake

Nomes como Cheatahs, Cut Copy, Kurt Vile e Beirut (oh, especialmente Beirut) merecem todo o nosso amor, mas é inevitável que o grande nome de Paredes de Coura seja James Blake, que tal como os National se prepara para arranjar casa em Portugal sem que mal nenhum daí venha ao mundo. O britânico editou o maravilhoso Overgrown em 2013 e aliou-o a um óptimo concerto no Primavera Sound do Porto, sendo que desta ocupará toda a última noite com as canções do seu projecto e, posteriormente, com as de outros projectos, já que se apresentará em modo DJ set entre as três e as seis da manhã no palco secundário. Não haverá certamente melhor forma de celebrar e encerrar um festival.
Paulo Cecílio
pauloandrececilio@gmail.com

Parceiros