bodyspace.net


Domingo No Quarto
Samba no parque


Os Domingo No Quarto s√£o Mariana Ricardo e Manuel Dordio. J√° conhec√≠amos a Mariana Ricardo h√° muito tempo: desde os Pinhead Society, passou pelos M√ľnchen, editou ‚ÄúSunday is a common day‚ÄĚ em nome pr√≥prio, colabora nos Minta & The Brook Trout, tem trabalhado em diversas bandas-sonoras, acaba de revelar o duo The Secret Museum of Mankind, canta e comp√Ķe como poucos. J√° conhec√≠amos o Manuel Dordio desde os tempos √°ureos da Merzbau: esteve nos Jesus The Misunderstood, colabora com Walter Benjamin e Jo√£o Cora√ß√£o, mexe na guitarra como poucos. Juntos, Mariana e Manel reinterpretam cl√°ssicos do samba, reinventam antiguidades com eleg√Ęncia e sobriedade. √Č assim que se aproveita um domingo no quarto.
Como é que vocês se juntaram neste projecto, aconteceu por ambos colaborarem com Minta & The Brook Trout?

Mariana: Sim, precisamente.

E como é que decidiram fazer um trabalho tão específico que é recriar sambas clássicos? Como é que vocês entraram no mundo do samba?

Mariana: Nós não entrámos no mundo do samba. Numa pausa dos ensaios de Minta começamos a tocar uns sambas por brincadeira e achámos que podíamos fazer isso mais vezes para além desses momentos. Como moramos os dois em Telheiras não foi difícil.

Porque é que escolheram uma combinação instrumental tão peculiar e simples?


Manel: Não tínhamos outra hipótese porque somos só dois e não sabemos tocar samba da forma tradicional.

Onde foram buscar o vosso nome?

Mariana: √Č uma corruptela de um t√≠tulo de uma m√ļsica de Gilberto Gil que se chama "Domingo no parque".

Como escolhem as m√ļsicas, s√£o os vossos temas favoritos ou aqueles que melhor se adequam √†quilo que pretendem fazer?

Manel: Nem sempre são favoritos mas gostamos de todos, normalmente costumam ser do Rio de Janeiro e são só aqueles que "conseguimos" interpretar.

Têm planos para cantar também originais ou só pensam recriar temas clássicos?

Manel: Não fazemos grandes planos. De momento, temos só um original.

Já se apresentaram algumas vezes ao vivo. Como têm corrido essas experiências?

Mariana: Tem sido boa, mas sentimos que ainda h√° muito trabalho a fazer.

Agora que o Manuel se mudou para Berlim, tem sido possível continuar a trabalhar normalmente?

Manel: A minha saída para Berlim aconteceu ao mesmo tempo que o início de Domingo No Quarto, por isso nunca tivemos um ritmo de trabalho muito regular.

Há planos para disco ou EP para os próximos tempos?

Mariana: Gostar√≠amos muito de fazer uma edi√ß√£o, mas n√£o ser√° f√°cil uma vez que n√£o temos os direitos das m√ļsicas nem dinheiro para os comprar. Contudo h√° piratas...

Em que medida é que o trabalho que fazem com o Domingo No Quarto é diferente de outros projectos onde estão envolvidos, nomeadamente com Minta & The Brook Trout?

Mariana: N√£o √© muito diferente. √Č ensaiar, tocar, gravar e √© divertido como os outros grupos em que tocamos. Mas somos s√≥ dois.

Poderemos dizer que os Domingo No Quarto fazem parte de uma ‚Äúnova gera√ß√£o semi-ac√ļstica‚ÄĚ da m√ļsica portuguesa, ao lado de gente como Minta, M√°rcia, Walter Benjamin, B Fachada, os vossos outros projectos, etc.?

Em uníssono: Poder dizer podemos, mas não sentimos que estivéssemos numa corrente. Mas isso pode mudar eventualmente.


Que discos recomendariam para quem se queira iniciar no samba?

Mariana: Dança da solidão de Paulinho da Viola de 1972. Para iniciar no samba esse é o bom!

Aquele v√≠deo do Cartola a tocar ‚ÄúO mundo √© um mo√≠nho‚ÄĚ para o pai √© mesmo a coisa mais triste do mundo?

Manel: O Benfica perder duas jornadas seguidas é muito triste, mas nesse vídeo há beleza.

Já descobriram qual é a melhor forma de passar um domingo no quarto?

Manel: Há muitas formas de passar um bom domingo no quarto, tem é de estar calor e haver uns bons caixilhos para não entrar chuva e frio!


Nuno Catarino
nunocatarino@gmail.com
21/10/2010