DISCOS
Joana Machado
CRUde
· 28 Fev 2006 · 08:00 ·
Joana Machado
CRUde
2006
Tone of a Pitch
Joana Machado
CRUde
2006
Tone of a Pitch
Um disco que vai buscar o nome a um jogo de palavras entre “cru” e “crude” pressupõe à partida algo austero, rugoso, bruto. Mas quando olhamos para a capa do disco e deparamos com a face luminosa da cantora Joana Machado (e durante dois minutos ficamos presos nos lábios, nos olhos distantes e nos cabelos rebeldes da menina, sem sabermos bem porquê) vemos que há aqui uma incompatibilidade óbvia. “We live in an age where we listen with our eyes”, lê-se nas liner notes. É verdade que a música sobrevive (e muito bem) sem a percepção visual, mas depois de a conhecermos já não conseguimos esquecer a imagem simultaneamente frágil e forte da rapariga que teima em dar nova voz a clássicos de jazz e outras coisas.

“Crude” é o primeiro disco de Joana Machado, jovem cantora de jazz. No acompanhamento instrumental estão três dos melhores músicos nacionais. Na guitarra (acústica e eléctrica) está Afonso Pais, que se revelou com o disco “Terranova”, editado pela Clean Feed. O contrabaixo fica por conta de Bernardo Moreira, um músicos com mais história no jazz português. E a bateria é da responsabilidade de Bruno Pedroso, que integra grupos como Zé Eduardo Unit ou Lisbon Improvisation Players (de Rodrigo Amado). Este trio, com especial destaque na guitarra rendilhada de Afonso Pais, é base (consistente) para a voz de Joana se explanar.

E a voz… Neste seu cartão de apresentação ao mundo, Joana Machado trata de mostrar os seus trunfos todos: elasticidade, flexibilidade e poder. E, para lá das acrobacias técnicas, uma doçura permanente. Não é difícil ficarmos enfeitiçados com esta voz – é, aliás, normal que tal aconteça, não serão necessários mais do que alguns minutos de audição atenta. O alinhamento alterna entre standards (“‘Round Midnight”, “Day Dream”, “When Sunny Gets Blue”), temas brasileiros (“Ana Luiza”, “Ginga Carioca”) e também originais de Afonso Pais (“Roda Dentada” e “Tema da Joana”). Sem utilizar o truque fácil de apostar em hits, esta selecção de temas menos evidentes revela, acima de tudo, ponderação e equilíbrio - apelando ao considerável segmento jazz old-school, aproveitando o fascínio pela música do Brasil e sem esquecer a (imprescindível) dose de originalidade.

Acabadinha de entrar em jogo, Joana Machado já demonstrou capacidade para pode lutar pela primeira divisão das vozes nacionais, apesar da concorrência ser temível – Maria João, Jacinta e Paula Oliveira fazem o papel dos três grandes. Fresca e irresistível, merece o mesmo sucesso e reconhecimento que, por exemplo, o disco “Tribute to Bessie Smith” de Jacinta obteve. Ainda sem se perceber bem a intenção do título, talvez uma opção simples fosse mais adequada: “cru”. Pela sensibilidade despida com que nos envolve, num limbo de fragilidade e força, este disco (cru) é uma feliz revelação.
Nuno Catarino
nunocatarino@gmail.com
RELACIONADO / Joana Machado
Entrevistas
Crua
05 Abr 2006
Ao Vivo
5ª Festa do Jazz
11-12 Mai 2007: Teatro São Luiz, Lisboa
ÚLTIMOS DISCOS
Gabriel Ferrandini
Volúpias
· POR Nuno Catarino ·
Free condensado.
ÚLTIMAS

Parceiros