DISCOS
B Fachada
Há Festa na Moradia
· 23 Jul 2010 · 11:37 ·
B Fachada
Há Festa na Moradia
2010
Mbari


Sítios oficiais:
- B Fachada
- Mbari
B Fachada
Há Festa na Moradia
2010
Mbari


Sítios oficiais:
- B Fachada
- Mbari
Cantigas de inimigo público.
O cantautor em B Fachada faz com que alguém só tenha a ganhar com um conhecimento abrangente dos seus discos. Como é sabido, autor é também aquele que, a partir de certa altura, necessita apenas de estimular o diálogo entre os seus temas e os seus personagens para chegar a algo novo. Não é portanto de estranhar que o resultado da “conversa” entre elementos tenha repercussões diferentes naqueles que reconhecem as partes envolvidas. Só quem sabe do amarelo e do azul entende plenamente o verde.

Há Festa na Moradia, disco de Verão, ao que parece, cheio de jogo, “miminhos” e regressos, que falam entre si à janela: contam por duas ou três vezes a história de alguém que quer subir na vida (o cerne do clássico “Zé”) e remetem cada um dos sete temas a um destinatário (singular ou colectivo). E se esta troca de “miminhos” é conduzida por uma franqueza (sui generis, claro) capaz de fazer corar qualquer um, este novo disco deve ser também reconhecido como aquele em que o cantautor soa mais desbocado (e incisivo), na sua desconstrução da moral e dos costumes. Além disso, B Fachada soa familiar ao cantar sobre Lisboa, como se fosse a aldeia do Astérix ou Lilipute, e não a cidade em que o vizinho do segundo nada sabe sobre o do terceiro.

Toda a gente se conhece por aqui e a verdade é que o mais incendiário B Fachada nunca foi de se acanhar ao tratar por tu. No documentário Tradição Oral Contemporânea, em boa hora registado, já era possível acompanhar B Fachada nas suas viagens entre a cidade e a província, enquanto dava largas a uma série de referências cruas (“se eu gravar a jejuar / o Ípsilon vai-me beatificar” é uma “bojarda” brilhante). Era tal a estranheza provocada por tais referências, que eram muitas vezes recebidas com risos nervosos, ainda que agora mereçam o agrado natural de quem aprendeu a rir com o homem. Escusado será dizer que esta abordagem literal ajudou também a abrir a cova para a canção nacional que, em termos vagos e muitas vezes num inglês alienatório, versa sobre namoradas e angústias caseiras que são de todos e não pertencem realmente a ninguém.

Não raro é que B Fachada pareça adoptar a linguagem hip-hop para cantar as coisas tal como elas são. Há Festa na Moradia aproveita, pelo menos, a urgência própria do género que melhor entende como a eficácia de uma resposta depende essencialmente do seu timing. Sem deixar arrefecer a separação que o afastou da FlorCaveira, depois do lançamento de Um Fim-de-Semana no Pónei Dourado, B Fachada reage ao sucedido com um conjunto de oportunas canções de excomungado. O exemplo mais evidente disso será “Enquanto Temos Boa Mão”, que, entre apontamentos sobre a emancipação, cita (e nega) um célebre refrão de Tiago Guillul, patrão da FlorCaveira, num tom que não destoaria num disco de Mind da Gap ou do Halloween.

Ainda que mais discreta, “Os discos do Sérgio Godinho” aproveita de modo semelhante o hip-hop para falar dos objectos do título e de como eram partilhados em tempos mais descontraídos. Por mais incrível que pareça, a referida partilha recorda um par de versos que Jay-Z disparava em “Takeover”, o ataque cerrado que praticamente acabou com a credibilidade (e a carreira) do rival de então Nas (com quem, aliás, viveu uma lendária disputa pelo território nova-iorquino). Na faixa produzida por Kanye West, a partir de um demolidor sample dos Doors, o Jigga destacava, quase paternalmente, a sua importância na formação de Nas como (falso) gangster e portador de armas: “I showed you your first tec on tour with Large Professor / Then I heard your album 'bout your tec on the dresser”. Os discos do Sérgio Godinho podiam ser armas.

Independentemente da capacidade do hip-hop para unir e destruir, é pouco provável que inverta o crescimento do fosso que separa a paixão do repúdio sentido em relação a B Fachada. Mesmo assim, as soluções exploradas em Há Festa na Moradia indicam que o seu autor também é capaz de fazer um disco pronto para agradar aos detractores – um disco contagiado pela música Africana (que voltou a ser omnipresente), apostado na (quase-)samplagem dos seus próprios recursos instrumentais, levado pelo andamento do carrossel e uma vez mais remetido à lo-fi dos primeiros lançamentos na Merzbau. Tudo isto compõe a volta ao mundo de B Fachada em 23 minutos, que são, evidentemente, cruciais entre a música lançada não só neste, como nos últimos anos.

[O download gratuito do disco pode ser feito aqui.]
Miguel Arsénio
migarsenio@yahoo.com
RELACIONADO / B Fachada
Discos
B Fachada
2009
Deus, Pátria e Família
2011
B Fachada
2011
Entrevistas
Gelado de Limão
15 Jun 2009
Ao Vivo
B Fachada / Kurt Vile & The Violators
9 Dez 2009: Frágil, Lisboa
Vashti Bunyan / B Fachada
13 Mai 2010: Lux, Lisboa
B Fachada
19 Set 2010: Clube Ferroviário, Lisboa
Super Bock em Stock 2010
3-4 Dez 2010: Lisboa
B Fachada
4 Abr 2011: Teatro Maria Matos, Lisboa
Etc.
Tradição Oral Contemporânea [DVD]
2008
ÚLTIMOS DISCOS
Gabriel Ferrandini
Volúpias
· POR Nuno Catarino ·
Free condensado.
ÚLTIMAS

Parceiros