bodyspace.net


Marta Hugon Coração Na Boca

2019


A cantora Marta Hugon é uma das grandes vozes do jazz português. Iniciou a sua discografia com o álbum “Tender Trap”, em 2005, tendo editado seguidamente os discos “Story Teller” (2008), “A Different Time” (2011) e “Bittersweet” (2016) – onde se incluiu uma inesperada parceria com Samuel Úria, no tema “Insane“. Em 2018 a cantora apresentou-se com um novo projecto, Elas e o Jazz, trio de jazz vocal com Joana Machado e Mariana Norton, onde se reinventam temas do cancioneiro jazzístico tradicional e da Broadway com refinadas harmonias vocais.

Neste regresso às edições, Marta Hugon volta a assinar um álbum de pop-jazz com irrepreensível bom gosto. As composições são assinadas por alguns dos melhores compositores do nosso país: Joana Espadinha, Luís Figueiredo, Sara Tavares, Filipe Melo, Mário Laginha, André Fernandes, Afonso Cabral, Francisca Cortesão e Nadia Schilling. Não são só os compositores que são de excelência, a acompanhar a voz de Hugon está um painel de músicos consagrados: Mário Delgado (guitarra elétrica), João Hasselberg (baixo), Luís Figueiredo (teclas), Ana Cláudia Serrão (violoncelo) e Joel Silva (bateria). Os arranjos e produção são responsabilidade de Luís Figueiredo.

Neste disco de emoções encontramos melodias suaves conduzidas com meticulosa atenção e sensibilidade, onda não há um passo em falso. Há um momento mais turbulento, onde o espírito rock ataca com mais força (“Combustão”), mas a toada é globalmente tranquila. Entre os destaques, é impossível fugir à melodia doce e frágil de “As tuas fraquezas”, embalada pelo violoncelo; “Beija Flor”, música de Melo, também se destaca; “Tudo pode acontecer” revela uma inesperada eficácia pop; e o disco fecha com “Longe”, da autoria de Nadia Schilling, também ela cantora (ouça-se o disco “Above the Trees”). Este “Coração na Boca” confirma, mais uma vez, Marta Hugon como voz de excepção, servindo um cocktail pop-jazz sem mácula.


Nuno Catarino
nunocatarino@gmail.com
07/10/2019