bodyspace.net


Pop Dell´Arte So Goodnight

2002
M√ļsica Alternativa


N√£o tivessem os Pop Dell'Arte alguma irregularidade na edi√ß√£o de √°lbuns, que lhes possibilitaria um contacto mais regular com o p√ļblico, e seriam por certo, a par de bandas como os M√£o Morta, das grandes refer√™ncias nacionais a n√≠vel musical. De facto, as condi√ß√Ķes est√£o todas presentes e t√™m em Jo√£o Peste uma das melhores vozes do actual panorama nacional e tamb√©m uma criatividade √≠mpar.

O primeiro grande apontamento hist√≥rico dos Pop Dell'Arte remonta a 1985, quando ganharam o pr√©mio de originalidade no concurso do Rock Rendez Vous. Nessa altura n√£o eram, como hoje, uma banda de elei√ß√£o pela cr√≠tica nacional. Havia v√°rias e dispares acusa√ß√Ķes que passavam pela m√ļsica, imagem, letras e produ√ß√£o, sendo consideradas exactamente o contr√°rio do que deveria ser feito. Mesmo assim, "Free Pop", o primeiro √°lbum da banda lan√ßado em 1987 era j√° um √°lbum de impressionante vis√£o de uma cultura pop que come√ßava a brotar. Em 1990 surge a compila√ß√£o "Arriba Avanti", que reunia material dos primeiros anos da banda e uma "demo" da primeira sess√£o de est√ļdio. Em 1993 surge "Ready Made" e dois anos depois, aparece aquele que √© considerado um dos melhores √°lbuns da produ√ß√£o nacional de 90, "Sex Symbol", com edi√ß√£o por uma multinacional (Polygram). Depois de um fim muitas vezes comentado como poss√≠vel, uma s√©rie de concertos devolve os Pop Dell'Arte √† actividade. Novos temas come√ßaram a ser tocados pela banda nesses concertos e a expectativa do aparecimento de um √°lbum come√ßava ent√£o a ganhar formas mais definidas. Ansiedade quanto baste, expectativas bem elevadas, ouvidos √† espera, e... os Pop Dell'Arte n√£o decepcionam, antes pelo contr√°rio. Talvez apenas o "sabe a pouco" seja o √ļnico inconveniente encontrado em "So Goodnight", o EP que devolve os Pop Dell'Arte √† ribalta.

O EP começa com "Mrs. Tyler", uma canção onde a teatralidade dos sons se cruza com a voz de João Peste de uma forma magistral, espelha imagens de procura e perda, é o primeiro grande momento do EP. Logo de seguida, "So Goodnight" é uma faixa de beleza inestimável, onde os coros suavemente cantam com uma excelência fascinante, e onde se cruzam com a voz de João Peste irrepreensivelmente. A melodia completa o quadro e temos aqui mais um grande momento do EP. "The Sweetest Pain" é uma canção algo estranha, onde guitarras distorcidas, ruído, e voz, se envolvem numa interessante coreografia sonora. "Pound by Pound" representa um momento de declamação de poesia de Ezra Round, onde de novo guitarras destorcidas, ruídos, e notas de piano fazem o ambiente declamatório. "The Witch Queen Of the U.S.A." é um pequeno instrumental de 55 segundos, que tem origem e ponto de partida no "Feiticeiro de Oz". A encerrar o EP, "The Little Drama Boy" representa uma versão do clássico de Natal, "O pequeno rapaz do tambor", numa adaptação bem conseguida que representa o terceiro grande momento do disco.

"So Goodnight" grava em disco ent√£o o regresso dos Pop Dell'Arte ap√≥s a longa pausa que se caracterizou p√≥s "Sex Symbol". Um dos grandes momentos musicais nacionais dos √ļltimos anos, que, como dizia algo ironicamente Jo√£o Peste numa entrevista a prop√≥sito deste EP: "N√£o √© bem um EP nem um mini LP, √© mais um EP√Ā... Um "EP√Ā ainda estamos vivos".


Tiago Gonçalves
tgoncalves@bodyspace.net
21/06/2002