bodyspace.net


Beck Morning Phase

2014
Capitol


Só uma razão muito forte nos podia levar a optar por um tão flagrante lugar comum para título deste texto. Beck, o músico das mil e uma facetas, texturas e loucuras – esqueçamos, por momentos, que o homem é cientologista – está de volta com Morning Phase, um guia de como escrever canções, como as cantar e com a folk novamente ao leme. Mas, acima de tudo, é a prova de que, mesmo ao fim de 12 discos, é ainda capaz de produzir uma obra surpreendente e, quem sabe, sem par na sua carreira.

Não será desajustado começarmos por reconhecer que o californiano nos parece, ou parecia, pelo menos até aqui, mais confortável nas praias do rock experimental, caminho que começou a trilhar em Mellow Gold e que ficou definitivamente consolidado em Odelay. Já em 2002, com Sea Change, marca um ponto de viragem na sua identidade sonora, aventurando-se pela folk e por uma produção mais acústica.

É precisamente aqui que reside o ponto de partida para Morning Phase, um disco construído sobre orquestrações guiadas pela guitarra acústica, pelo piano, e a bateria seca, sequinha como os ramos das árvores que caem quando o outono nasce. São traços folk, tradicionalmente americanos, e que põem a nu Beck no seu estado mais natural. “Morning”, que dá seguimento ao prólogo de “Cycle” é a entrada mais triunfante que se podia desejar, com as vozes carregadas de reverb – tal como, de resto, acontece no desenrolar de Morning Phase – a surgirem como elemento determinante no desenvolvimento da canção. O disco está maioritariamente composto em modo maior, transmitindo uma sensação de maior harmonia ou, se quisermos, serenidade e paz. Mas é em alturas de maior inquietude, como em “Wave”, que tomamos tacto à genialidade que paira sobre o californiano.

Por vezes esquecemo-nos deste pequeno grande génio. Em conversas e assim. E ele, não contente com isso, opta por ir lançando discos, para não cair no esquecimento. Com Morning Phase, não há espaço para dúvidas ou hesitações. Vestindo novamente a pele do cantautor de guitarra acústica às costas, estrada fora, onde já fora feliz (e onde nos fizera felizes), Beck prova que está feito, mas longe de estar acabado.


Simão Martins
simaopmartins@gmail.com
19/03/2014