Noites Ritual Rock 2004
Porto
27-28 Ago 2004

Reportagem de André Gomes
Fotografias de Luís Bento

27/08

As Noites Ritual Rock continuam a ser um dos eventos musicais mais apetecíveis da cidade do Porto. Os mui belos jardins do Palácio de Cristal receberam mais uma vez um cartaz declarada e exclusivamente nacional. Os dois palcos, cada vez mais distantes nas apostas musicais, na atitude e até mesmo no tipo de público, recebem alguns dos grandes nomes da música de Portugal. Há hip-hop, há rock e ainda há espaço para os "cantautores" portugueses. A par de tudo isto, um programa que inclui fotoprojecções, exposições e workshops de fotografia – o som e a imagem em plena harmonia.


The Legendary Tiger Man

Para substituir Sam The Kid, que viu a sua actuação ser cancelada a poucos dias de se realizar o festival, subiu a palco Paulo Furtado como Legendary Tiger Man para evocar os blues e levar o público para uma viagem pelo Mississipi. Já com dois discos editados – Naked Blues e Fuck Christmas, I Got The Blues - o projecto one man band de Paulo Furtado acrescenta mais e cada vez mais adeptos à semente. Paulo Furtado fala de sexo, crime, comboios do amor, sangue, grandes barcos pretos e mentiras, manipulando, sozinho e temerário, a guitarra, o kazoo, os pratos de choque e o bombo. “Crawdad Hole”, Your Life Is A Lie”, e “Love Train” são transportadas a partir do último disco com toda a severidade e tensão que o blues merece. “Naked Blues” e “Break My Bones” foram, inevitavelmente, os melhores momentos da actuação do Homem Tigre.

Nuno, Nico
Os Ornatos Violeta acabaram, é certo, mas o dia 27 de Agosto de 2004 tratou de reunir, embora em projectos diferentes, Peixe, Manuel Cruz e Nuno Prata. Este último, em conjunto com Nicolas Tricot (Red Wing Mosquito Stings e Le Partisan) na bateria, forma os Nuno, Nico, que se apresentaram no palco Ritual – o palco "menos principal" – para (mais) uma prazenteira actuação. Nuno Prata começou na guitarra acústica, continuou com a contagiante “Fugir”, hino à força de vontade de mudar, de ir sempre mais longe (“Não deixes de querer fugir, porque saber fugir não é mau”), a viciante “Nada é tão mau” carregada de assobios, espasmos de percussão e um refrão capaz de provocar sorrisos desmedidos: “Nada é pior do que não te ter e ver que outros braços te dispensam beijos falsos fáceis rimas de prazer / Nada é tão mau quanto não te ter e saber que o teu riso é o aviso que de ti preciso para viver”. A actuação continuou com “Não Sou Um Fantasma” - com o seu assobio coerentemente fantasmagórico -, “Guarda Bem O Teu Tesouro” – com Nuno Prata no baixo - e terminou pouco depois com mais um tema. Agora espera-se um disco, pois as indicações dos concertos ao vivo fazem crescer água na boca.

De volta ao palco principal, era a vez dos Fat Freddy, uma das mais peculiares bandas que assaltam o panorama musical português, pisar o palco das noites Ritual Rock. Contrabaixo, guitarra e bateria. O colectivo responsável por Fanfarras de Ópio percorreu um alinhamento feito de músicas instrumentais devedoras às valsas ou às polcas do leste europeu, ao imaginário de Kusturica – a quem os Fat Freddy dedicaram uma das suas canções -, Stanley Kubrik e, por estranho que possa parecer, à BD dos anos 60. As canções, essas, são frenéticas, de tom jocoso ou simplesmente divertidas. A curiosa “Frenesim de Canibalismo Titual” abriu um concerto que contou com temas como “LSD 25” ou “Batman Theme”. Ainda houve tempo para uma canção dedicada a José Cid, acompanhada de projecções – presença constante durante todo o concerto - a rigor. E porque é de atitude rock n’ roll que se trata, os Fat Freddy acabam o concerto a tentar destruir alguns dos instrumentos - o baixo ficou irreconhecível.


Fat Freddy

Pluto
Depois de uma actuação curta e não muito conseguida de Jorge Cruz no segundo palco, era a vez dos Pluto – talvez a actuação mais esperada da noite – subirem ao palco principal. O novo projecto de Manuel Cruz e Peixe – ambos ex-Ornatos Violeta – apresentava-se ao público portuense ainda sem disco de originais editado. Se comparados aos Ornatos Violeta, os Pluto perderam em funk aquilo que ganharam em rock - o facto de as canções serem conduzidas por duas guitarras torna as coisas muito mais visíveis. É fácil de perceber que o trabalho de estúdio tem sido feito da melhor maneira e que as canções se desenrolam de forma natural e quase orgânica. “Sexo Mono” e “Entre Nós”, por exemplo, fornecem boas indicações para o álbum que se avizinha. O single “Só Mais Um Começo”, o tema que fechou a actuação e que tem rodado com alguma insistência nas playlists, envolveu a plateia em alguma excitação.

Para fechar a noite em termos de concertos, os Clã, aproveitando o lançamento de Rosa Carne, presentearam o público com alguns temas novos. Do último disco de originais saltaram “Competência Para Amar”, “Carrossel Dos Esquisitos”, “Madalena Em Contrição”, “Uma Mulher Da Vida” e “Eu Ninguém” mas, como não podia deixar de ser, o alinhamento passou também pelos clássicos da banda: “GTI”, “Dançar Na Corda Bamba”, “Sopro do Coração” e “H2omem” sacaram coros e refrões da plateia. Ainda no início da actuação, aquando de “Carrossel Dos Esquisitos”, Manuela Azevedo havia dito, com a sua inconfundível graça: “Como abutres no céu / São quase lindos / Dois feiosos a rodar / Gritando e rindo / São aberrações no ar / Oh meu querido / Fecha os olhos p’ra me beijar / Que o mundo vai-se acabar”. E talvez não esteja muito longe da razão.


Clã
· 27 Ago 2004 · 08:00 ·
André Gomes
andregomes@bodyspace.net
RELACIONADO / Clã
Discos
Lustro
2000
Ao Vivo
Clã
10 Mai 2004: Queima das Fitas, Coimbra
Discos
Nus
2004
Pesadelo Em Peluche
2010
Entrevistas
Revisitada
28 Fev 2011
Novos cantos do mal
03 Jun 2007
Ao Vivo
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
Festival Heineken Paredes de Coura 2007
13/14/15 Ago 2007: Paredes de Coura
Mão Morta / Smix Smox Smux
06 Mar 2009: Teatro Sá da Bandeira, Porto
Mão Morta
29 Abr 2010: Coliseu dos Recreios, Lisboa
Mão Morta
1- Nov 2014: Incrível Almadense
Ao Vivo
Noites Ritual Rock 2005
26-27 Ago 2005: Jardins do Palácio de Cristal, Porto
Ao Vivo
Festival Santos da Casa - Nuno, Nico + Ovo
22 Abr 2004: Auditório do IPJ, Coimbra
Ao Vivo
Pluto
09 Dez 2004: Santiago Alquimista, Lisboa
Pluto + Terrakota
07 Out 2004: Universidade Nova, Lisboa
Ao Vivo
The Legendary Tiger Man
25 Dez 2005: Galeria Zé dos Bois, Lisboa
The Legendary Tiger Man
16 Dez 2005: Casa da Música, Porto
The Legendary Tiger Man
22 Set 2005: Blá Blá, Matosinhos
The Legendary Tiger Man / Calvin Johnson
20 Fev 2004: Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra
Legendary Tiger Man
30 Set 2003: Teatro Académico Gil Vicente, Coimbra
The Legendary Tiger Man
29- Abr 2015: Sabotage Club, Lisboa
Entrevistas
O Rock veste-se de amarelo e preto
29 Abr 2004
Ao Vivo
X-Wife + Wraygunn
03 Jul 2004: Caldas de São Jorge
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros