DISCOS
Arcade Fire
Neon Bible
· 11 Abr 2007 · 08:00 ·
Arcade Fire
Neon Bible
2007
Merge / Universal


Sítios oficiais:
- Arcade Fire
- Merge
- Universal
Arcade Fire
Neon Bible
2007
Merge / Universal


Sítios oficiais:
- Arcade Fire
- Merge
- Universal
Em 2004 os Arcade Fire abalaram muitos corações com Funeral. Será que Neon Bible é coisa para repetir o feito?
Quando em 2004 os Arcade Fire editaram Funeral houve quem desse pulos de alegria. E com razão. Afinal de contas o disco de estreia dos canadianos, Funeral, não sendo um disco inovador ou histórico, era um óptimo conjunto de canções, um disco coerente e, a espaços, excitante. O mundo indie - e não só - acolheu-os de braços abertos e com uma certa razão: canções com C maiúsculo, emotivas mas não lamechas. Um disco intenso e inspirado por acontecimentos trágicos: a morte de familiares de membros da banda. Ao longo dos últimos três anos os Arcade Fire já saíram do domínio indie – deram o salto e conquistaram outros públicos. Onde andam agora os Arcade Fire?

Urge dizer antes de mais que Neon Bible não é o disco que se esperava dos Arcade Fire. Quer dizer, é etéreo e grandioso mas não tem metade do conteúdo e inspiração de Funeral. ouça-se a inaugural “Black Mirror” para se entender que o tecido é bom mas que o acabamento deixa a desejar. O argumento do filme é bom mas o conteúdo desaponta. A velha questão de estilo VS conteúdo? “Keep the car Running” é bastante mais excitante que o primeiro tema. Começa aqui algo que se sente depois noutras alturas do disco: a presença de Bruce Springsteen na voz de Win Butler e até na própria atitude da canção. É o primeiro bom momento do disco. “Neon Bible” é um tema curto de vozes bíblicas mas pouco ou nada acrescenta ao disco. E daí talvez não seja essa a sua função.

“Intervention” começa com um daqueles órgãos que só podemos escutar em igrejas. O motivo? Este disco foi mesmo gravado numa igreja, ao que parece para potenciar a grandeza dos Arcade Fire. E é bem verdade que estas cordas, guitarras e vozes resplandecem neste disco. Progressiva e pomposa, assim é “Intervention”. Assim é quase todo o disco. Apesar do início algo duvidoso, “Black Wave/Bad Vibrations” acaba por se revelar numa caixinha de surpresas: quando Win Butler substitui Régine Butler nas vozes a coisa torna-se mesmo excitante e depois é uma explosão de beleza a fazer lembrar os melhores momentos de Funeral. Ocean of Noise” não é particularmente esclarecida.

“The Well and the Lighthouse” tem qualquer coisa de interessante no brilhar das suas mini explosões (e no sentimento dos 80s), e (Antichrist Television Blues) tem muito de Bruce Springsteen. É em “No Cars Go”, o melhor tema de Neon Bible, que até já tinha aparecido no EP homónimo de 2003, que reside a essência dos Arcade Fire. Fossem todas as canções do calibre desta “No Cars Go” (luminosa, explosiva, crescente, intensa) e estaríamos aqui a falar dum disco da qualidade de Funeral. mas não estamos. Resumindo, Neon Bible seria uma agradável estreia se fosse um disco de uma nova banda a dar os primeiros passos, mas não é um grande disco para os Arcade Fire, especialmente quando comparado com Funeral. Não pode ser. Quem cá está tem responsabilidades. Neon Bible é um disco admirável na sua intenção mas desapontante no resultado final.
André Gomes
andregomes@bodyspace.net
RELACIONADO / Arcade Fire
Discos
Funeral
2005
The Suburbs
2010
Reflektor
2013
Entrevistas
O romantismo da rebelião
15 Nov 2005
Ao Vivo
Arcade Fire
23- Abr 2018: Campo Pequeno, Lisboa
ÚLTIMOS DISCOS
Vacations
Changes
· POR Paulo Cecílio ·
De férias.
ÚLTIMAS

Parceiros