DISCOS
Jibóia
Masala
· 03 Fev 2016 · 21:38 ·
Jibóia
Masala
2016
Lovers & Lollypops


Sítios oficiais:
- Jibóia
- Lovers & Lollypops
Jibóia
Masala
2016
Lovers & Lollypops


Sítios oficiais:
- Jibóia
- Lovers & Lollypops
O Oriente devia estar mais próximo.
Óscar Silva concentra-se no Médio e no Extremo Oriente para o projecto Jibóia, mas talvez devesse passar os olhos pela mitologia grega e romana. Em Roma, Janus, conhecido pela figura de duas caras, era visto como o deus de todos os princípios. Masala não é um princípio, mas é um virar de página. Masala é o outro lado da moeda que foi Jibóia até aqui. Aquele que é o primeiro álbum a sério de Jibóia (tem oito faixas, mais de 33 minutos de música) é negro. O que estava para trás não o era.

Em conversa para outros meandros, Óscar Silva disse-me que neste disco “mesmo as músicas que são mais de festa, [são de] uma festa que se calhar vai acabar mal”. Minutos mais tarde, na mesma conversa, perguntei-lhe pela descrição do género de música que faz como “Prince of Persia on acid”. Resposta: “É um ácido que pode não correr muito bem.”

Não é por acaso. Para trás ficou também a parceria com Ana Miró (Sequin) e agora os ritmos electrónicos foram substituídos pela bateria de Ricardo Martins (Papaya, Cangarra, Lobster). Há um detalhe-que-não-é-detalhe que pode passar à margem de muitos: a produção é de Jonathan Saldanha (HHY & The Macumbas). Quem conhece o trabalho de Jonathan Saldanha percebe o porquê de ser relevante a menção. Quem não conhece, com facilidade pode encontrar faixas de projectos aos quais está ligado para passar a compreender.

Este outro lado da moeda de Jibóia mantém a ligação às sonoridades orientais de países distantes e desconhecidos. Mantém essas referências, embora tenha perdido a suavidade dada pela voz feminina (a pouca voz existente agora é do próprio Óscar Silva) e adquirido as componentes mais duras do analógico da bateria. Continua dançável, mas há uma menor tendência para dançar. Quer-se abanar a cabeça, mas não se sabe muito bem o que fazer com o corpo.

Masala é um passo interessante para o projecto, mas falta algo. Falta alguma densidade, alcançada em faixas pós-rockianas como “Oslo”, talvez não por acaso a última do disco. Há uma tentação para escrever que falta uma qualquer especiaria. Talvez seja um paladar adquirido ao vivo. Talvez seja um processo a atingir para o próximo trabalho. Há que acompanhar, portanto.
Tiago Dias
tdiasferreira@gmail.com
RELACIONADO / Jibóia
Discos
Jibóia EP
2013
OOOO
2018
Entrevistas
Leh Jani
29 Out 2014
Veneno bom
24 Jul 2013
King of Snake
23 Nov 2012
ÚLTIMOS DISCOS
Bruma
Histórias Que Nos Contam
· POR Paulo Cecílio ·
Palavra.
ÚLTIMAS

Parceiros