DISCOS
Hauschka
Salon des Amateurs
· 13 Set 2011 · 14:50 ·
Hauschka
Salon des Amateurs
2011
Fat Cat / 130701


Sítios oficiais:
- Hauschka
- Fat Cat
- 130701
Hauschka
Salon des Amateurs
2011
Fat Cat / 130701


Sítios oficiais:
- Hauschka
- Fat Cat
- 130701
Mais um disco, mais uma viagem.
Por esta altura Hauschka já não deverá ser segredo para ninguém. O culto à volta do alemão Volker Bertelmann tem, justificadamente, crescido nos últimos tempos, muito por culpa de discos como Ferndorf (2008) ou Foreign Landscapes (2010). Se no primeiro ficámos convencidos pela criatividade à volta do piano preparado, no segundo fomos confrontados com o desejo de grandiosidade, dando um passo em frente pela utilização da instrumentação orquestral. E apesar de ter passado pouco tempo desde a edição deste último (e também pouco tempo passou desde o seu concerto no Maria Matos), já aí anda um novo disco.

Desta vez Bertelmann volta a surpreender e segue outro caminho. A sua música, de raiz clássica minimal, camarística, mantém esses pressupostos base, mas vai-se transformando em espirais cíclicas de repetição, que vão ganhando a forma de um estranho groove. E não é um groove qualquer, é um groove subtil e hipnótico, inebriante na sua quase infinita circularidade. Se por um instante nos distraímos, às tantas estamos a pensar que teremos entrado num Delorean ilegalmente modificado para viajar no tempo até aos anos dourados do pós-rock. Não estamos em 1998 nem estamos em Chicago, mas esta Berlim 2011 de Hauschka consegue encher-nos de boas recordações.

Apesar do resultado ser relativamente diferente dos discos anteriores, as características do processo de trabalho mantém-se semelhantes, e também assim se mantém a fluidez sonora: é incrível como aqueles pedaços de som ganham formas acessíveis, viram melodias. Este novo disco de Hauschka tem a participação de gente dos Múm (o baterista Samuli Kosminen) e dos Calexico (John Convertino e Joe Burns), mas apesar dos seus (importantes) contributos não serão estes os responsáveis pela viragem de direcção. O mérito estará mesmo no senhor Volker Bertelmann, que mais uma vez confirma o estatuto de músico de excepção, verdadeiramente incomparável.
Nuno Catarino
nunocatarino@gmail.com
RELACIONADO / Hauschka
Discos
Ferndorf
2008
Foreign Landscapes
2010
Abandoned Cities
2014
Entrevistas
Brincadeira de crianças
26 Mai 2015
Ao Vivo
Hauschka / Hildur Guđnadóttir
26- Fev 2015: Teatro Maria Matos, Lisboa
ÚLTIMOS DISCOS
Bruma
Histórias Que Nos Contam
· POR Paulo Cecílio ·
Palavra.
ÚLTIMAS

Parceiros