DISCOS
Jneiro Jarel
Fauna
· 25 Nov 2010 · 09:47 ·
Jneiro Jarel
Fauna
2010
Kindred Spirits


Sítios oficiais:
- Jneiro Jarel
- Kindred Spirits
Jneiro Jarel
Fauna
2010
Kindred Spirits


Sítios oficiais:
- Jneiro Jarel
- Kindred Spirits
Não fosse a estimulante manipulação da matéria-base nascida na sanzala e estaríamos bem próximos de uma letargia fatal.
Confessa que graças à sua mãe, a música de Tom Jobim, Sérgio Mendes e Caetano Veloso corre-lhe nas veias. E mesmo que ao longo do seu percurso musical nunca tenha escondido os gostos desenvolvidos na infância, nunca como até este momento decidiu por mãos ao trabalho outorgando aos espíritos do velho Brasil a sua útil "caixa de ferramentas" de estúdio. Tudo para sujeitar, à sua própria maneira, a capoeira, a favela, o samba e a bossa às provações do hip-hop mais enviesado, aquele que tem em Los Angeles a principal base de operações. E aqui a escola de Madlib ou Flying Lotus é evidente, não adiantando ignorar o facto, muito menos nega-lo.

Tendo se estreado como Jneiro Jarel em 2005 com Three Peace Puzzle, Omar Jarel Gilyard tem um longo giro pela música que remonta aos anos 80 com passagens por cidades como Hustan, Nova Iorque, Filadélfia e Los Angeles (onde reside actualmente), tendo até hoje trabalhado com gente como Jazzanova, Dego, Lizz Fields, Tiombe Lockhart, Fertile Ground, Rich Medina ou remisturado ilustres como Bjork, Recloose, Vikter Duplaix, DOOM, Massive Attack ou TV On The Radio. Um currículo interessante repleto de contactos que o manteve bem ocupado a apurar o sincretismo.

Depois de vários anos a produzir e a remisturar para terceiros, Jarel decidiu regressar a estúdio para erigir Fauna, um repasto de electrónicas desvairadas, ritmos sintéticos, cadências sincopadas, estática, silêncios, ecologia, muito Brasil no coração e alguma contingência na mente. Contingência que deposita no ouvido do melómano a certeza da inexistência de qualquer “grito de Ipiranga” musical. Fauna deve ser encarado como um ensaio abstracto, sujo e rugoso que tenta a síntese da colisão da tradição da sanzala com o modernismo do samba, da bossa, do jazz e de um hip-hop a padecer de febre wonky.

A ideia que sustenta Fauna assentou num controlado delírio selvagem onde Jarel procurou um valor estético seguro que reforçasse a sua identidade sonora (ocasionalmente assolada por uma surreal toada experimentalista); no final, pouco mais encontramos senão trilhos que nem sempre nos conduzem a lugares inspiradores de confiança, mesmo que seja com confiança que nos tente convencer do contrário. Talvez uma passagem pela academia da Stones Throw lhe apurasse, em definitivo, o savior-faire que possui e que lhe sintetizasse de vez o caminho que quer seguir no futuro e nos deixasse finalmente felizes. Errático, mas interessante.
Rafael Santos
r_b_santos_world@hotmail.com
ÚLTIMOS DISCOS
Bruma
Histórias Que Nos Contam
· POR Paulo Cecílio ·
Palavra.
ÚLTIMAS

Parceiros