Junho 2011
Cosie Cherie lançam disco de estreia
· POR André Gomes · 30 Jun 2011 · 22:46 ·


Os Cosie Cherie (Tânia, portuguesa, e Job, holandês) preparam-se para lançar o primeiro álbum de longa duração. Chama-se Book of Music e chega depois do EP de estreia Making Magic Floating Boats. No dia 11 de Julho a dupla manda cá para fora um álbum de edição própria, composto por 15 temas (incluindo os 5 do EP de estreia), que é descrito como um "pequeno livro" feito de "canções recentes e mais antigas, criadas ao longo do percurso dos Cosie Cherie desde 2006 e que são resultado de diferentes momentos e emoções vividos pela banda".

O single do álbum é “Traveling”. O vídeo que podem ver aqui em baixo foi realizado pelos próprios.

A 13ª edição do MUSA traz Barrington Levy a Carcavelos
· POR Hugo Rocha Pereira · 30 Jun 2011 · 18:41 ·
Por um Planeta saudável e com boa música - é este o lema do Festival MUSA, que começa amanhã e termina sábado. A organização do evento pretende alertar os participantes para a temática das alterações climáticas, uma das maiores ameaças que o planeta e a humanidade enfrentam na actualidade. Para isso, aos concertos junta diversas outras actividades, como uma prova de remada ou a formação de um logótipo humano com a mensagem pela vida nos oceanos, lembrando que mais de metade do oxigénio que respiramos vem daí.

Como a música é parte fundamental do MUSA, este ano merecem destaque as actuações de John Holt & Andrew Tosh (este, filho do lendário Peter Tosh) e, a fechar o evento, uma cerejinha: Barrington Levy, uma das vozes mais características da Jamaica. São black roses, senhor, são black roses...

Já são conhecidos os 40 nomes de Paredes de Coura
· POR André Gomes · 30 Jun 2011 · 12:15 ·


Já é conhecida a totalidade do cartaz da 19ª edição do Festival Paredes de Coura, perdão, Festival Ritek Paredes de Coura. O últimos dos grandes nomes a anunciar é o dos Kings of Convenience que são cabeça de cartaz no dia 19 de Agosto. Ainda há a hipótese de a este cartaz - em baixo - ser adicionado um ou outro nome. Horários ainda não sabemos mas temos a certeza que os concertos não coincidirão mais do que 10 ou 15 minutos entre si - palavra da organização.

17 de Agosto

After Hours
Vladimir Dynamo
Crystal Castles
Wild Beasts
Omar Souleyman

18 de Agosto

Palco Ritek
Pulp
Blonde Redhead
Warpaint
Twin Shadow
Crystal Stilts

Palco 2
Esben and the Witch
We Trust
Here We Go Magic
Murdering Tripping Blues

After Hours
Riva Starr
Delorean

Jazz na Relva
Airbag

19 de Agosto

Palco Ritek
Kings of Convenience
Deerhunter
Marina and the Diamonds
Battles
The Joy Formidable

Palco 2

Jamaica
Le Butcherettes
Chapel Club
You Can't Win Charlie Brown

After Hours

Mixhell
Metronomy

Jazz na Relva

Susana Santos Silva Trio

20 de Agosto

Palco Ritek

Death From Above 1979
Mogwai
Two Door Cinema Club
Foster The People
Linda Martini

Palco 2

No Age
Viva Brother
Kurt Vile
Peixe:Avião

After Hours

Terry Hooligan vs Rico Tubbs
Orelha Negra

Jazz na Relva

Governo
Oh senhor, paga-me uma SOOPA?
· POR Paulo Cecílio · 29 Jun 2011 · 18:04 ·


SOOPA é sinónimo de coisa boa feita em Portugal. Não só funciona como editora, tendo lançado ao longo dos seus dez anos de actividade discos de gente como os Mécanosphère ou Steve Mackay dos Stooges, como enquanto colectivo de músicos de quadrantes tão díspares que, antes do nome alimentício, seríamos tentados a chamar-lhes Legião - porque são tantos. No próximo dia 6 de Julho, terão uma noite a si dedicada na ZdB (entretanto mais fresca, espera-se) cujo contexto é o da apresentação do seu livro (que já foi feita no Porto) e de dois discos vindouros: Machine Gun, dos United Scum Soundclash e Sometimes Like This I Talk, de Mackay. Que proporcionarão igualmente um concerto daqueles grandes e imperdíveis, juntando-se-lhes o enorme Mike Watt, ex-Minutemen e agora igualmente Stooge, e tendo também a presença da free improv de Cricket Totems, o saxofonista Gianni Gebbia e o baterista Marco Franco. A entrada é 8€, o transe é garantido.
A estranheza pop de Autre Ne Veut em Portugal
· POR Bruno Silva · 29 Jun 2011 · 18:01 ·


Depois de uma passagem bem veraneante pelo país no passado mês pela mão de Ducktails, Julian Lynch e Big Troubles, a entusiasmante Olde English Spelling Bee volta a fazer-se representar por um dos nomes mais emergentes do seu catálogo. Assente na contemporaneidade muito "pós" que tem vindo a fazer o grosso de muita da produção musical vinda do subterfúgio norte-americano, Autre Ne Veut é o projecto de um daqueles gajos que recicla despudoradamente a matéria residual da pop mais lânguida (que vai do Prince ao D'Angelo mas que se sabe branquelas de coração) para erigir canções oníricas mergulhadas numa displicência desafiante. Com a estreia homónima banhada nos maiores elogios, Autre Ne Veut aterra pela primeira vez em Portugal para duas datas. A primeira numa galeria ZDB à espera de ar condicionado (está para breve) no dia 1 de Julho, e a segunda em Coimbra no Arte à Parte no dia seguinte. A entrada será 8€, e terá início às 23 e 22 horas, respectivamente. Música sem vergonha:

O melhor final de tarde possível
· POR Bruno Silva · 29 Jun 2011 · 14:22 ·


Num final de tarde que se prevê excelso, o Espaço APAV & Cultura vai acolher no dia 30 de Junho (amanhã), e pela primeira vez numa programação de valor, dois concertos. O que, por si só, seria meramente logístico não fosse esta gente tão essencial para a compreensão da música improvisada. De Manuel Mota já há muito que vimos a dizer as melhores e mais merecidas palavras : guitarrista sediado em Lisboa que tem vindo, há largos anos, a pavimentar uma abordagem idiossincrática de enorme riqueza tímbrica, harmónica e sensorial. Abraçando a improvisação livre como meio para o reordenamento das premissas mais puras dos blues ou do jazz, numa música profundamente singular e continuamente intrigante. Pedro Sousa e Gabriel Ferrandini são dois dos nomes mais activos do agora da música exploratória. Mais do que promessas (pela juventude), são já músicos com um impressionante percurso (disperso por projectos como Pão, Eitr, Motion Trio ou Red Trio) dotados de um léxico multiforme em ascendente criativa. Música urgente, onde o sopro caustico do saxofone de Sousa vai de encontro ao prodígio anímico da bateria de Ferrandini numa combustão feérica que faz do free algo essencial. As actuações têm início pelas 19h, nas instalações de sede da APAV, na Rua José Estêvão 135-A (ao Jardim Constantino), em Lisboa. E a entrada é gratuita.

É hoje: Filho da Mãe no BODYSPACE AU LAIT, Café au Lait, Porto, 19, com entrada livre.
· POR André Gomes · 26 Jun 2011 · 15:21 ·


Rui Carvalho é Filho da Mãe por omissão e por escolha. E escolha talvez seja a palavra a sublinhar nesta frase anterior. Depois de forte militância em bandas como os If Lucy Fell, I Had Plans ou Asneira, Rui Carvalho descobriu nova vida para si mesmo: encontrou a guitarra acústica, que toca com os ensinamentos que o rock e o hardcore lhe deram, e descobriu uma sensibilidade que lhe permite explorar uma certa portugalidade e chegar a resultados de rara e indescritível beleza. A urgência com que tirou Filho da Mãe de dentro dele é bastante ilustrativa da força da sua música. Junho é o mês em que Rui Carvalho edita o seu registo de estreia, Palácio (com selo da Rastilho Records), disco gravado numa casa em Lisboa em 2011 e produzido por Makoto Yagyu com o apoio dos Blacksheep Studios. Em concerto, Filho da Mãe é uma verdadeira força de natureza. Sustenham o fôlego, vão precisar de todo o ar disponível. Grandessíssimo Filho da Mãe.
Serralves celebra a 20º aniversário do Jazz No Parque
· POR Nuno Catarino · 22 Jun 2011 · 21:41 ·

Dave Douglas © Nuno Martins

A Fundação de Serralves vai acolher em Julho mais uma edição do festival Jazz No Parque. O campo de ténis será palco de concertos do histórico Charles Lloyd (em quarteto com Jason Moran, Rogers Reubens e Eric Harland), do sempre fervilhante Dave Douglas (que aqui revela um novo projecto, acompanhado por Enrico Rava, Avishai Cohen, Uri Caine, Clarence Penn e Linda Oh) e do grupo Bigmouth do contrabaixista Chris Lightcap (que gravou um dos álbuns mais consensuais do ano transacto, edição Clean Feed). O cartaz conta ainda com um representante nacional, o pianista Mário Laginha, que se apresenta ao lado do saxofonista Julian Arguelles e do percussionista Helge Norbakken. A programação é mais uma vez da responsabilidade de António Curvelo e os concertos realizam-se nos dias 10, 16, 23 e 30 de Julho, sempre sob o sol do final da tarde, sempre pelas 18h.

Dia 10, domingo: Charles Lloyd New Quartet
Dia 16, sábado: Mário Laginha & Convidados
Dia 23, sábado: Dave Douglas Tea for 3
Dia 30, sábado: Chris Lightcap's Bigmouth
O grande Evan Parker vai solar ao Porto e isso é imperdível
· POR Nuno Catarino · 22 Jun 2011 · 21:38 ·

© Eyal Hareuveni

Evan Parker, o inglês que "inventou" a improvisação livre (com Derek Bailey & etc.), o saxofonista que mais expandiu os limites do instrumento no pós-Coltrane, o furioso solista que gravou álbuns épicos como Monoceros, está de regresso a Portugal. O saxofonista que em 2010 passou pelo Jazz em Agosto com o seu projecto megalómano Electro-Acoustic Ensemble no Jazz em Agosto, apresenta-se agora em formato solo. Irá certamente explorar no saxofone soprano as suas técnicas avançadas (respiração circular, multifónicos) desenvolvendo uma música intensamente enérgica e emotiva. O velho Parker vai tocar ao Porto, à Culturgest (que fica mesmo ali numa esquina nos Aliados), o concerto está marcado para o dia 25 de Junho e a entrada vale uns simbólicos 5€. E é imperdível, claro.
Filho da Mãe é o senhor que se segue no BODYSPACE AU LAIT, Café au Lait, Porto, dia 26, domingo, 19, entrada livre
· POR André Gomes · 22 Jun 2011 · 21:23 ·


Rui Carvalho é Filho da Mãe por omissão e por escolha. E escolha talvez seja a palavra a sublinhar nesta frase anterior. Depois de forte militância em bandas como os If Lucy Fell, I Had Plans ou Asneira, Rui Carvalho descobriu nova vida para si mesmo: encontrou a guitarra acústica, que toca com os ensinamentos que o rock e o hardcore lhe deram, e descobriu uma sensibilidade que lhe permite explorar uma certa portugalidade e chegar a resultados de rara e indescritível beleza. A urgência com que tirou Filho da Mãe de dentro dele é bastante ilustrativa da força da sua música. Junho é o mês em que Rui Carvalho edita o seu registo de estreia, Palácio (com selo da Rastilho Records), disco gravado numa casa em Lisboa em 2011 e produzido por Makoto Yagyu com o apoio dos Blacksheep Studios. Em concerto, Filho da Mãe é uma verdadeira força de natureza. Sustenham o fôlego, vão precisar de todo o ar disponível. Grandessíssimo Filho da Mãe.
Agora é a vez do Porto: Bodyspace vai ao Café au Lait, no Porto, celebrar o lançamento do site da Videoteca Bodyspace
· POR André Gomes · 21 Jun 2011 · 19:42 ·


Depois do enorme sucesso da festa de lançamento do site próprio da Videoteca Bodyspace em Lisboa, celebramos a efeméride agora no Café au Lait, no Porto, com entrada livre. Acontece tudo no dia 24 de Junho, na próxima sexta-feira. A noite começa às 23h com um live de Labrador (uma das encarnações electrónicas de Luís Dourado, dos Nimai), que terá como convidado especial Trikk, numa actuação com selo da cada vez mais activa Terrain Ahead Records, prosseguindo até terminar com os DJs Bodyspace e alguns convidados. Se mesmo depois de tudo isto ainda não sabem o que é a Videoteca Bodyspace nós dizemos.

A Videoteca Bodyspace é um convite para que artistas e bandas possam, por um dia, por uma tarde, por breve momentos, sair do seu habitat natural, invadir o espaço público, espalhar charme em locais inusitados e inesperados, iluminar espaços-fetiche, preencher espaços cinzentos. É um convite para que se inspirem no que existe para além dos palcos, das salas de ensaios, do quarto, do conforto que escolheram para a criação. É pegar na criatividade e enfiá-la na rua (sempre que possível). É uma janela privilegiada e espontânea para ouvir aquela canção num cenário imprevisto. É provocar momentos imprevistos. É também uma forma de encher as cidades de sons, de vida, de surpresa, de fantasia. A Videoteca Bodyspace é o que a música quiser ser nesse dia.
Someone still love you, Boris
· POR Nuno Catarino · 21 Jun 2011 · 19:00 ·


Não se trata do mítico presidente da Rússia, mas sim dos japoneses Boris, mestres do desvario sónico - do stoner ao noise bruto e tudo pelo meio. É mesmo verdade, os Boris vêm aí. E quem diz "aí" quer dizer mais especificamente: os Boris vêm a Lisboa e vão tocar ao MusicBox, no Cais do Sodré (que virou a nossa zona favorita, ao reunir a Trem Azul, o Viking e o Ménage, entre outros estabelecimentos de requinte). É já no próximo domingo, dia 26 de Junho. Além dos Boris, a sala de concertos do Cais do Sodré acolhe ainda na mesma noite os Russian Circles e os checos Saade. Preparem-se para uma noite de rock durinho, que não é mesmo p'ra meninos. As portas abrem às 22h, os bilhetes valem 20€ à porta (ou 17€ na venda antecipada).
Washed Out naquele sítio
· POR Paulo Cecílio · 21 Jun 2011 · 12:53 ·


Às vezes temos receio de escrever mais notícias sobre o Milhões, porque depois quem nos acompanha fica a olhar de lado e pensa "naquele fanboy esquisito que não se cala com Barcelos". Mas vamos lá a ver: todo o fanboyism tem uma óptima razão por detrás. Seja porque já se acompanhou um festival durante três dias, seja porque os Mão Morta formaram uma parte importante da adolescência, seja porque o treinador dizia que estava na cadeira de sonho e dEPOIS TRAI-NOS DESTA MANEIRA, FILHO DA PUTA, GRANDE FILHO DA PUTA *huff*. Mas adiante: vamos novamente dar azo à nossa paixão pela Festa™ e novamente incitar todas, novas e maduras, altas e baixas, miúdas e raparigas (porque não queremos por lá mangueira) a irem este ano. Até porque já se sabe de outro nome choninhas, para aquelas que não gostam de guitarras. Desta vez Washed Out, electrónica nostálgica de cariz chill que podem picar ouvindo "Feel It All Around", que aí deixamos em cima. E calha bem: precisávamos mesmo de uma lavagem, hoje. Às lágrimas. Enorme filho da puta!
Thievery Corporation e a cultura do sem medo
· POR Rafael Santos · 21 Jun 2011 · 00:43 ·
Com um álbum pronto a ser editado já no próximo dia 28 deste mês, intitulado Culture Of Fear, os norte-americanos Rob Garza e Eric Hilton falam ao povo compartilhando com ele parte do conceito que sustenta o novo conjunto de músicas. Uma vez mais, e à semelhança de alguns trabalhos anteriores, volta a existir uma mensagem crítica que tem como principais visados os meios de comunicação social e a gentalha da política suja. Contra um sonambulismo social, o medo induzido como forma de controle das massas e a geral estupidificação a que a televisão sujeita o povo, massacrando vezes sem conta com os mesmos assuntos deprimentes, ei-los (três anos depois de Radio Retaliation) a politizar com toda a força o Verão de 2011, sempre com o estilo dub "melaço" habitual.



Já agora fica aqui para escuta o tema de apresentação que dá título ao novo disco:

MED arranca na quarta-feira
· POR Paulo Cecílio · 21 Jun 2011 · 00:42 ·


Poder-se-ia dizer que é um concorrente directo do FMM de Sines, ou poder-se-ia afirmar que em matéria de festas o sul começa a rivalizar com o norte, ou pode-se simplesmente escrever isto: o festival de Loulé dedicado à world music começa já nesta quarta-feira e vai contar não só com nomes fortes da música nacional, casos por exemplo de Lula Pena, Sean Riley e Noiserv, mas também com três dos imperdíveis: o mestre George Clinton (que actuará igualmente na Casa da Música), o filho do mestre Seun Kuti e o mestre dos mestres Mulatu Astatke, entre outros de relevante interesse. Os bilhetes custam entre 12€ e 40€. Para mais informações, nomeadamente as relacionadas com horários, deixamos então o site do festival: http://www.festivalmed.com.pt. Está quase, quase.

Lançamento do site da Videoteca Bodyspace + 10 anos da Clean Feed = Festa Ao Quadrado
· POR Hugo Rocha Pereira · 20 Jun 2011 · 01:00 ·
O Bodyspace comemorou na passada sexta-feira o lançamento do site da sua videoteca, espaço para os músicos porem as suas criações em movimento. Como não queríamos deixar de nos associar ao 10º aniversário da Clean Feed (que, a partir de Lisboa, se tornou numa das mais relevantes editoras de jazz mundiais), o palco escolhido foi a Trem Azul, no Cais do Sodré. E os Compêndios de História rezarão assim sobre esta festa:

Onde há fumo, há fogo, costuma dizer-se; e o serão abre com projecções incandescentes, tal como a música dos Pão. Experimental e ritualista, feita de círculos que se alargam em ondas sonoras. De seguida, os Sunflare trocaram o magma por raios e trovões que inundaram o céu da Trem Azul com a brusquidão duma tempestade sobre o mar. Improvisação e electricidade de uma ponta a outra. O resto da noite… bem, os DJs Bodyspace esbanjaram charme pela pista de dança, com malhas mais ou menos ortodoxas para os ouvidos dos melómanos presentes. Afinal, It Was Friday, Friday, Gotta Get Down On Friday…


Sunflare © Cátia La-Sallete


Sunflare © Cátia La-Sallete


DJs Bodyspace © Pedro Gonçalves
Clarence Clemons morre e acaba com um bromance de 40 anos
· POR Rodrigo Nogueira · 19 Jun 2011 · 20:30 ·


Haverá alguma fotografia no mundo que seja mais bonita que a da capa do Born to Run do Bruce Springsteen? O Boss com um sorriso enorme, de Telecaster na mão, a apoiar-se no ombro do Big Man, que está a tocar saxofone. É indicadora de um bromance gigante que começou há 40 anos, quando o Bruce Springsteen conheceu o Clarence Clemons (em Nova Jérsia, claro) e o convidou a subir a um palco (a história deles os dois e de toda a banda ficou imortalizada em "Tenth Avenue Freeze Out", com as palavras "When *the change was made uptown* and the big man joined the band"), e acabou ontem, quando o saxofonista da E Street Band morreu. Pelo meio houve inúmeros solos foleiros mas indispensáveis de saxofone tenor, muitos deles no próprio Born to Run (com "Thunder Road" e "Jungleland" à cabeça).



Ainda há três dias, Lady Gaga lançou o vídeo de "The Edge of Glory". Clemons toca na versão de estúdio, mas no vídeo só aparece sentado nas escadas de um prédio e não parece lá muito activo, o que talvez fizesse antever o ataque que o levou ao hospital no dia 12 e acabou por matá-lo seis dias depois. É triste. Em quem é que o Bruce Springsteen se vai apoiar agora?
A guitarra de Paredes para o mundo
· POR Hugo Rocha Pereira · 18 Jun 2011 · 13:48 ·


O Blitz avançou que a editora Drag City (casa de artistas como Bill Callahan, Pavement ou Joanna Newson) se prepara para lançar, até ao final do ano, dois álbuns fundamentais do Mestre da guitarra portuguesa Carlos Paredes. Movimento Perpétuo e Guitarra Portuguesa serão lançados em vinil para o mercado internacional, em edições que, de acordo com Fred Somsen - o português que dirige a Drag City na Europa a partir de Londres -, serão o mais fiel possível às versões originais.

A ideia para esta reedição terá surgido em 2006, quando Somsen levou Dan Koretzki (um dos patrões da editora) às compras em Lisboa, sugerindo-lhe a compra de discos de Carlos Paredes, e o contrato para o lançamento internacional foi concluído há um mês.
É hoje e com entrada livre, tudo para a Trem Azul celebrar a Videoteca Bodyspace e os 10 anos da Clean Feed
· POR André Gomes · 17 Jun 2011 · 16:36 ·


Queríamos soprar as velas do 10º aniversário da Clean Feed e juntamos o agradável ao agradável. Convidamos os Pão e os Sunflare, reunimos os DJs Bodyspace e, posto isto, hoje, a partir das 21:30, mudamo-nos de armas e bagagens para a Trem Azul em Lisboa. Vamos aproveitar para celebrar a longa existência de uma das mais importantes editoras de jazz do mundo e, ao mesmo tempo, o lançamento do site próprio da Videoteca Bodyspace, agora que esta é maior de idade e decidiu, não saindo da casa dos pais, encontrar um espaço só seu. A entrada na festa é livre.

Nesta noite temos os Pão, Tiago Sousa nos teclados, harmónio, e objectos, Travassos em electrónica analógica e Pedro Sousa no saxofone tenor, que utilizarão a livre improvisação como meio para a transcendência, criando uma música de imersão, de transe, onde se evocam extensas planícies e paisagens encarpadas. E temos os Sunflare, um power trio: Guilherme Canhão (ex-Lobster, Tigrala, guitarra eléctrica), Rui Nogueiro (baixo), e Raphael Soares (bateria). Vão encher a Trem Azul de riffs. Que ninguém diga que saiu da Trem Azul sem celebrar a maravilhosa diversidade que a música compreende.
O que mais gosto em Paredes é poder comer gelados
· POR Paulo Cecílio · 17 Jun 2011 · 02:03 ·


Bem, tecnicamente será ouvi-los, ou não fosse "Ice Cream" uma das malhas do mais recente disco dos Battles (que é como quem diz, os PAUS norte-americanos), que foram hoje adicionados ao cartaz - e que cartaz - do Paredes de Coura 2011, no dia 19, juntando-se assim aos Deerhunter e Metronomy, entre outros. E agora já se percebe porque é que os nossos amiguinhos com acesso a insider knowledge andavam excitados no Facebook desde há dias. O trio que em 2007 deu a volta à cabeça de meio mundo com "Atlas" estará no festival para apresentar o novíssimo Glass Drop, donde se retira então a música do gelado e o vídeo nada copiado a um certo catalão:

O Aquário quer ser fresco
· POR Paulo Cecílio · 17 Jun 2011 · 02:01 ·


Quem costuma ir à ZdB assistir aos inúmeros bons concertos que por lá se fazem sabe que uma das maiores queixas é a falta de ar condicionado. E quem costuma estar atento à situação económica do país sabe que isto não é algo que se possa resolver de um dia para o outro. Assim, nada melhor que recorrer à saudável solidariedade: dia 24 de Junho, a Galeria vai juntar vários músicos e amigos para uma grande festa de angariação de fundos. Entre os que irão até ao 59 da Rua da Barroca contam-se (vamos lá encher o peito para os dizer a todos) PAUS, Norberto Lobo, Filho da Mãe, Dead Combo, Orquestra do Sei, Sunflare, Marco Franco & Joana Sá, Gabriel Ferrandini, David Maranha / Manuel Mota / Margarida Garcia, Tiago Sousa e Pedro Gomes. E ainda nos prometem uma surpresa. O bilhete é por uma boa causa e não custa muito mais do que o habitual: 15€ apenas. Podendo, é ajudar.
Ghuna X vai ao Passos Manuel apresentar o seu primeiro álbum
· POR André Gomes · 16 Jun 2011 · 19:33 ·
Hoje é a noite de apresentação do primeiro álbum de Ghuna X (projecto do portuense Pedro Augusto), na sequência do caminho que tem vindo a ocupar na música electrónica em Portugal. O que é que se lança afinal? Uma edição especial em vinyl transparente de 180g, limitado a 250 exemplares em capas serigrafadas e estampadas à mão. A noite, avisam, contará com a presença de vários convidados com os quais colabora frequentemente, retratando um pouco do que tem sido o espectro criativo do seu trabalho. No line up da coisa vemos os nomes de Alexandre Soares, Ana Deus, Rey e H.O.M.O.. Aqui podem ouvir um teaser do álbum. E aqui em baixo o vídeo de apresentação.

Reserva Mundial de Som
· POR Hugo Rocha Pereira · 15 Jun 2011 · 22:16 ·


Com a aproximação do Verão sucedem-se os festivais da praxe. Uns urbanos, outros na praia ou no campo, alguns mais de massas do que outros. Apenas o Sumol Summer Fest se realizará numa Reserva Mundial de Surf.

Nos dias 24 e 25 de Junho, pelo parque de campismo da Ericeira – vila onde o mar é mais azul e as ondas para Homens de barba rija – passarão corpos abençoados pelo Sol (ou pelas carismáticas néboas, conforme os desígnios de S. Pedro) e cinco continentes de tendências musicais.

Da Nova Zelândia chegam os Fat Freddy’s Drop e da Nigéria Nneka; Israel estará representado por Guy Gerber e a Jamaica por Anthony B. Portugal – ainda pertencemos à Europa, certo?! – terá em DJ Ride (na companhia de Stereossauro e Sagas), Cacique 97 e Freddy Locks alguns dos seus protagonistas.
O pão nosso de cada dia nos dá hoje
· POR Paulo Cecílio · 15 Jun 2011 · 14:53 ·
Não sei se já souberam, mas o Bodyspace vai dar uma filhadaputa de festa na Trem Azul, já esta sexta-feira. Para além do álcool indispensável, de um colectivo de DJs cujos membros vão desde os connoiseurs da UK Funky aos que ficam a olhar para os pratos como um boi para um palácio, e da brutal máquina de riffs e barulho que são os Sunflare, também irá haver Pão. Não o que se come - a não ser que alguém traga sandes de casa - mas o que se ouve. E se acompanham esta webzine com regularidade saberão que Pão é sinónimo de «liberdade de improvisação, sonoridades ambientais e sujidade do "drone"». Se não acompanham esta webzine com regularidade, eu odeio-vos e espero que acabem os vossos dias na rua a pedir migalhas. Até porque é precisamente esse o nome do tema que o trio tocou na loja em questão e cujo vídeo deixamos aqui, agora, para dar um gosto do que poderão encontrar. Por agora é só assim, mas um dia, esperamos que num split com outras bandas que proporcionem daquelas piadas que nunca acabam e que têm sempre graça. O que me dá uma ideia para um momento High Fidelity; o Top 5 de artistas que deviam colaborar com os Pão. Número um: Hot Butter. Dois, The Jam. Três, Frango. Quatro, Richard Cheese. Cinco, Tiësto. Este último porque pão com azeite é amor.

Filho da Mãe mostra o seu palácio acústico
· POR Hugo Rocha Pereira · 15 Jun 2011 · 10:14 ·
Filho da Mãe (a nova face de Rui Carvalho, dos If Lucy Fell, I Had Plans e Asneira) é autor de Palácio, um dos discos a merecer atenção neste ano que vai a meio. Do pós-hardcore para a guitarra acústica, numa aventura a solo.

Convida-nos para o seu palácio, numa tripla visita que passará por Lisboa, Braga e Porto entre os dias 19 e 26 deste mês, ou seja, de Domingo a Domingo. Começa no dia 19 de Junho, ao fim do dia, no Clube Ferroviário, chega a 25 ao Auditório Sá de Miranda, de Braga, terminando na Invicta (Bodyspace Au Lait) a partir das 19 horas do dia 26.

Uma das músicas a ouvir nestas três datas será "Encontrei os teus dentes". Fiquem com o vídeo – duma sensualidade filha da mãe! – realizado por John Filipe.

Dose tripla na ZdB, esta quinta
· POR Paulo Cecílio · 14 Jun 2011 · 21:32 ·


Começamos com o nome Ducktails, porque, primeiro, Junho assim o convida, segundo, Matt Mondanile assinou um dos melhores discos deste primeiro semestre de 2011, o incrível Arcade Dynamics; canções de e para a praia onde uma guitarra gentil ecoa por três décadas (80/90/00) sem verdadeiramente parar em alguma. Daqui partimos para Julian Lynch, que não é, tanto quanto o Google nos pode dizer, da família do famoso realizador, mas faz canções muito melhor do que este - e que tem igualmente disco novo para apresentar: Terra, sucessor de Mare do qual também já dissemos coisas boas. Finalmente, os Big Troubles, que fazem uma pop ruidosa (like) com travo shoegaze (double like) e que são tão retro que ainda usam o Angelfire como host da sua página na web (triple like). Toda esta mostra do que de bom se faz em Nova Jérsia ocorre na quinta-feira, na ZdB, e a entrada é apenas 8€. Podem encarar a noite como um aquecimento para as hostilidades do verão musical que aí vem.
Bodyspace vai à Trem Azul celebrar o lançamento do site da Videoteca Bodyspace e os 10 anos da Clean Feed
· POR André Gomes · 13 Jun 2011 · 21:45 ·


Queríamos soprar as velas do 10º aniversário da Clean Feed e juntamos o agradável ao agradável. Convidamos os Pão e os Sunflare, reunimos os DJs Bodyspace e, posto isto, no próximo dia 17 de Junho, sexta-feira, a partir das 21:30, mudamo-nos de armas e bagagens para a Trem Azul em Lisboa. Vamos aproveitar para celebrar a longa existência de uma das mais importantes editoras de jazz do mundo e, ao mesmo tempo, o lançamento do site próprio da Videoteca Bodyspace, agora que esta é maior de idade e decidiu, não saindo da casa dos pais, encontrar um espaço só seu. A entrada na festa é livre.

Nesta noite temos os Pão, Tiago Sousa nos teclados, harmónio, e objectos, Travassos em electrónica analógica e Pedro Sousa no saxofone tenor, que utilizarão a livre improvisação como meio para a transcendência, criando uma música de imersão, de transe, onde se evocam extensas planícies e paisagens encarpadas. E temos os Sunflare, um power trio: Guilherme Canhão (ex-Lobster, Tigrala, guitarra eléctrica), Rui Nogueiro (baixo), e Raphael Soares (bateria). Vão encher a Trem Azul de riffs. Que ninguém diga que saiu da Trem Azul sem celebrar a maravilhosa diversidade que a música compreende.
A Videoteca Bodyspace cresceu e agora vai ter uma casa própria
· POR André Gomes · 10 Jun 2011 · 21:56 ·


A Videoteca Bodyspace cresceu nos últimos tempos. De uma tal forma que engordou, ganhou peso e agora precisa de uma casa própria. Continua a existir na sua casa-mãe, e existirá para sempre, mas terá agora uma espécie de casa de férias onde possa estar sozinha e resolver todos os seus conflitos emocionais – que isto de viver da música tem o que se lhe diga. A partir de segunda-feira, a Videoteca Bodyspace torna-se maior de idade e por isso muito em breve anunciaremos as festas – tipo My Super Sweet 16 – que acontecerão em Lisboa e Porto para marcar a ocasião. E vocês perguntam: o que é então a Videoteca Bodyspace? E nós respondemos.

A Videoteca Bodyspace é um convite para que artistas e bandas possam, por um dia, por uma tarde, por breve momentos, sair do seu habitat natural, invadir o espaço público, espalhar charme em locais inusitados e inesperados, iluminar espaços-fetiche, preencher espaços cinzentos. É um convite para que se inspirem no que existe para além dos palcos, das salas de ensaios, do quarto, do conforto que escolheram para a criação. É pegar na criatividade e enfiá-la na rua (sempre que possível). É uma janela privilegiada e espontânea para ouvir aquela canção num cenário imprevisto. É provocar momentos imprevistos. É também uma forma de encher as cidades de sons, de vida, de surpresa, de fantasia. A Videoteca Bodyspace é o que a música quiser ser nesse dia.
A Palavra é a Capital do Festival Silêncio
· POR Hugo Rocha Pereira · 10 Jun 2011 · 18:47 ·


Costuma dizer-se que a pena é mais forte do que a espada. Pois, o Festival Silêncio, inserido nas Festas de Lisboa, promete cortar a direito entre os dias 15 e 25 deste mês. Pelos palcos do Cinema São Jorge e do Musicbox vão passar dezenas de projectos de importantes artistas nacionais e estrangeiros que cruzam a palavra dita com a música, a performance e o vídeo/cinema.

Com uma programação tão vasta, mais vale aconselhar a consulta do site do festival. Ainda assim, destaques para os espectáculos de Lee Ranaldo (sim, esse mesmo, dos Sonic Youth), Arnaldo Antunes, Adolfo Luxúria Canibal (com “Estilhaços de Mário Cesariny”), “Música de Palavra(s)” de José Mário Branco, com a participação de Camané, entre outros, “Palavras do Fado”, com António Zambujo, Cuca Roseta, Raquel Tavares, Ricardo Ribeiro e vídeo de Tó Trips e, ainda, “Moradas do Silêncio”, homenagem a Al Berto, com Sérgio Godinho, Rui Reininho, JP Simões, João Peste, Noiserv e Miguel Borges.

A literatura também vai estar representada, com lançamentos de livros, debates temáticos entre escritores de diferentes gerações e nacionalidades, e a sétima arte trará Word Cut Dogs (mostra de documentários sobre escritores portugueses, de Cesariny a Lobo Antunes, passando por Sophia de Mello Breyner), uma selecção dos melhores vídeos do Festival de Poesia e Cinema de Berlin e, ainda, “Filmagens” – concurso internacional de Poetry Film.

Não vale a pena gastar mais latim.
O Bodyspace foi ao Serralves em Festa e foi mais ou menos assim
· POR André Gomes · 09 Jun 2011 · 01:02 ·
Foi há pouco mais de uma semana que o Bodyspace marcou presença no Serralves em Festa enquanto parceiro de programação e por isso é a altura perfeita para registar esse momento. Foram quase 100 mil as pessoas que escolheram passar parte ou a totalidade do seu fim-de-semana em Serralves e algumas delas escolheram os quatro concertos que lá apresentamos: a folk apaziguadora dos Arborea debaixo de chuva, o stoner rock dos Black Bombaim fora do palco e junto ao povo para aproveitar os últimos raios de sol do dia, as canções de toque andaluz de Victor Herrero que deixaram muita boa gente em estado de surpresa e a electrónica exploratória de blac koyote e seus cúmplices. Para o próximo ano pode ser que haja mais Bodyspace no Serralves em Festa.


Black Bombaim © André Gomes


Arborea © Angela Costa


Victor Herrero © Angela Costa


Blac Koyote © Sofia Miranda
Torto: dois gordos e um queijo em estreia no Bodyspace
· POR André Gomes · 08 Jun 2011 · 22:26 ·


A banda chama-se Torto, mas eles preferem dizer que são dois gordos e um queijo. Um dos gordos é Jorge Coelho, na guitarra, outrora Cosmic City Blues e Zen, autor de bandas sonoras de filmes como Coisa Ruim e Entre os Dedos; o outro é Miguel Ramos, no baixo, membro de bandas como os Insert Coin, Mosh e Supernada. A pasteurização, dizem eles, é feita por Jorge Queijo, na bateria, vindo do jazz mas com versatilidade para aparecer noutras áreas, de que são exemplo os Mary Me ou os Tubab. Diz a história que os Torto começaram a “tocar no final de 2010 e a música que lhes sai é instrumental. Depois de muitos ensaios, o projecto passou a ter nome e a gravação de um disco começou a ser uma hipótese. E essa hipótese torna-se realidade a quando do cruzamento com a nova Boom Chicka Boom, uma editora que não é editora e que tal como os Torto vem do Porto”.

O disco tem quatro temas, tem artwork serigrafado pela Oficina Arara e limitado a 300 exemplares. A apresentação do disco está marcada para 11 de Junho, na Matéria Prima, no Porto. a entrada é livre. E livre é também a audição de um dos temas do disco (a primeiríssima faixa), um docinho oferecido pela banda, pela editora e por nós.

Torto - Membrana [mp3]

Há festa na moradia
· POR Nuno Catarino · 08 Jun 2011 · 16:09 ·
Em mais uma iniciativa da OUT.RA, associação cultural que vem dinamizando/dinamitando o Barreiro, nos dias 9 e 10 de Junho há por aí uma festa a rebentar. Acontece no Galeria Municipal do Barreiro e está anunciada como "uma ocupação artística do antigo tribunal do Barreiro". No dia 9 tocam os Pão (Tiago Sousa, Pedro Sousa e Travassos) com o convidado Filipe Felizardo, seguindo-se a actuação de Fast Eddie Nelson; no dia 10 actuam Filho da Mãe, Chickenálise, Alda Move e as irresistíveis Pega Monstro (o vídeo ali em baixo já diz tudo). Há ainda cinema (a não perder a projecção de RIP: A Remix Manifesto), artes visuais (Probably a certain number of rocks, coming from one de Felizardo) e DJing (Halyne & Silva e Moloko Vellocet). As festividades arrancam pelas 21h, a entrada está pelo preço da uva mijona: 3€ por um dia, 5€ para os dois.

E agora, em directo de Barcelos
· POR Paulo Cecílio · 07 Jun 2011 · 22:19 ·
André Gomes: O Milhões de Festa é o evento do ano. Não somos só nós quem o diz; o júri do troféu Milho Rei acha o mesmo e presenteou recentemente a organização do festival com uma taça bonita aceitável de primeiro lugar na categoria, muito à frente de nomes de peso de que não me recordo agora. Sendo esta uma prova inevitável da marca que o evento já deixou, não só na cidade de Barcelos mas igualmente no país e fora dele (tanto que, diz-se, a troika achou por bem não lhes cortar nos fundos porque também eles curtem meninas em piscinas), o Bodyspace enviou para o local, desde o primeiro dia da confirmação de um segundo Milhões, o nosso enviado especial - embora possamos argumentar que ele nunca realmente de lá saiu. À noitinha, podem encontrá-lo a vaguear pelas ruas da cidade como um espírito, a chatear a cabeça a mais ou menos 200 pessoas por noite e a balbuciar incoerentemente a palavra "festa". Desta feita, fomos encontrá-lo junto à piscina. Por isso, Paulo, conta-nos. O que tens feito hoje?

Paulo Cecílio: André, como podes ver ou imaginar, hoje estou junto à piscina, a aguardar pelo início do festival enquanto me delicio com uma piña colada.

Piña colada? Mas isso é bebida de gaja.

Como eu estava a dizer, hoje estou a aguardar junto à piscina enquanto enfrasco uns mojitos. Uma cena completamente Hemingway.

Já viste alguma miúda desde que aqui estás?

Bem, vi a mulher da limpeza. Tecnicamente conta, certo? Era bastante roliça, até. Creio que na idade tenra dos setenta e cinco. Não percebi se o que tinha ao peito eram seios ou tumores, mas fora isso, siga.

...pois. Creio que ainda vais ter de aguardar um bocado até aparecerem as miúdas a sério.

Eu sei, já o sabia quando vim para cá há uns meses. Mas nem tudo é mau, que começa a ficar calor e as miúdas do secundário andam mais despidas. Tenho tido algumas belíssimas visões.

Não serão se calhar um bocado novas ainda?

Se há relva no campo joga-se à bola.

...mudando de assunto, foste à cerimónia de entrega dos troféus Milho Rei?

Não, mas já tive a oportunidade de ver o troféu. É lindo, fabuloso, nem quero pensar na trabalheira que a malta do AKI de Braga deve ter tido a fazê-lo. Urge que a organização o traga para cá para o recinto e o meta numa espécie de redoma de vidro para a se poderem tirar fotografias junto a ele.

De certeza que a organização vai aceder ao teu pedido. Mas agora, que falta pouco mais de um mês, já tens notado um certo clima de festa por aqui?

Só a que houve com a subida do Gil Vicente à primeira. Relacionada com o festival em si, ainda nada. E para ser franco acho até um bocado estúpido haver já tipos excitados com uma coisa que não vai acontecer senão daqui por um mês.

Tu és um desses tipos.

Sou estúpido de nascença, não conta.

Tens alguma novidade que nos queiras contar acerca do cartaz?

Por acaso até tenho, e só não a contei antes porque queria construir uma espécie de clímax. A caríssima organização deu-nos mais um nome para o festival. Na verdade deu mais, mas deixou-nos escolher. Simpáticos.

E qual é, então, o nome?

Um nome gigante. Um nome de culto. Um nome que merece respeito. Um nome que até esteve cá no ano passado e que regressa para actuar no Milhões. Um nome que, em tempos idos, se cochichava aos ouvidos das crianças para que dormissem mais aconchegadas. Um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome do Milhões se dobre todo o joelho dos que estão em Barcelos, e a acompanhar pela net, e fora da net, e toda a língua confesse que d

ANUNCIA O NOME DE UMA VEZ.

...Antipop Consortium.

Eish! A sério?

Verdade. Também foi um bocado essa a minha reacção.

Bem... com uma notícia dessas até eu sou capaz de ficar por aqui, à espera.

Fixe. Mojito?



O Milhões de Festa realiza-se em Barcelos de 22 a 24 de Julho. Podendo, é ir. Aliás, risquem o "podendo". É ir. Só.
Filho da Mãe é o convidado de Junho no BODYSPACE AU LAIT. No Café au Lait, Porto, dia 26, domingo, 19, entrada livre
· POR André Gomes · 07 Jun 2011 · 22:15 ·

© Cláudia Guerreiro

Rui Carvalho é Filho da Mãe por omissão e por escolha. E escolha talvez seja a palavra a sublinhar nesta frase anterior. Depois de forte militância em bandas como os If Lucy Fell, I Had Plans ou Asneira, Rui Carvalho descobriu nova vida para si mesmo: encontrou a guitarra acústica, que toca com os ensinamentos que o rock e o hardcore lhe deram, e descobriu uma sensibilidade que lhe permite explorar uma certa portugalidade e chegar a resultados de rara e indescritível beleza. A urgência com que tirou Filho da Mãe de dentro dele é bastante ilustrativa da força da sua música. Junho é o mês em que Rui Carvalho edita o seu registo de estreia, Palácio (com selo da Rastilho Records), disco gravado numa casa em Lisboa em 2011 e produzido por Makoto Yagyu com o apoio dos Blacksheep Studios. Em concerto, Filho da Mãe é uma verdadeira força de natureza. Sustenham o fôlego, vão precisar de todo o ar disponível. Grandessíssimo Filho da Mãe.
Gala Drop em digressão pela europa com Magina
· POR André Gomes · 07 Jun 2011 · 19:48 ·


Eles são uma das melhores coisas que aconteceram à música portuguesa na última década. São os Gala Drop e no dia 14 de Junho iniciam em Madrid uma digressão que os levará a tocar em Espanha, França, Itália, Alemanha, Suécia, Reino Unido e Bélgica. Algumas dessas datas - listadas em baixo - são com Magina, metade dos Aquaparque. Em cima do palco andará o muito recomendável Overcoat Heat, maravilhosa mestiçagem que ao vivo ganha dimensões de curtição interminável. Toca a mostra por aí pela Europa do que é que os portugueses são feitos.

Junho 14 Madrid, El Perro (SP) com Magina
Junho 15 Barcelona, Moog (SP) com Magina
Junho 16 Chalon-sur-saone, La Peniche (FR)
Junho 17 Torino, No Fest (IT)
Junho 18 Milano, Spazio Concept (IT) com Magina
Junho 19 Munich, Import / Export (DE) com Magina
Junho 20 Berlin, West Germany (DE) com Magina e Hype Williams
Junho 22 Stockholm, Sodra Bar (SE) com Magina
Junho 23 Malmo, Singsangstudion (SE)
Junho 24 Dusseldorf, Salon des amateurs (DE) com Magina
Junho 26 Glasgow, BBQ at West End Festival @ Oran Mor (UK)
Junho 27 London, Star of Kings (UK) com Magina
Junho 28 Brussels, Cafe Central (BE) com Magina
Junho 29 Paris, L'international (FR)
Junho 30 Bordeaux, Saint Ex (FR)
Julho 01 Vitoria, Ibu Hots (SP)
Julho 02 Porto, Passos Manuel (PT)
Julho 03 Braga, Vila (PT)
Julho 04 Lisboa, Zé dos Bois (PT)
Prince Rama em dose dupla: Passos Manuel, Porto, Lounge, Lisboa
· POR André Gomes · 07 Jun 2011 · 10:36 ·


Prince Rama (aka Prince Rama of Ayodhya) são o projecto das irmãs Larson, Taraka e Nimai, que desde o lançamento de Shadow Temple (o 4º registo da banda) milita na Paw Tracks, a editora que tem os Animal Collective como donos. Foram aliás eles que convidaram os Prince Rama para actuar no festival All Tomorrow's Parties que curaram em Maio de 2011. A boa notícia é que os Prince Rama actuam hoje no Passos Manuel no Porto (perto da meia-noite e com bilhetes a cinco euros) e amanhã no Lounge, em Lisboa (com entrada livre). Fica no ar a promessa de um concerto ritualista, exótico, psicadélico. Para que possam saber ao que vão, é clicar ali em cima por favor.
B Fachada é Deus (e Pátria e Família)
· POR Nuno Catarino · 06 Jun 2011 · 20:45 ·


Galos e galinhas na capoeira, piano lento, balada prog de vinte exactos minutos, celebração da morte de Portugal. É o regresso de B Fachada, com o seu habitual disco de Verão, um disco que é uma faixa única e é grátis - para já temos o download, futuramente haverá formato físico a anunciar. A imagem de cima é a capa, o link para download (oficial) é este aqui: http://www.mbarimusica.com. Entre o sossego da música e a amargura das palavras, Fachada dispara bitaites como "Portugal está para acabar, é deixar o cabrão morrer" ou "eu não sei português / e que se foda Portugal / eu canto em fachadês / a minha língua paternal". A gravação chama-se Deus, Pátria e Família e mais uma vez Fachada acerta na mouche: o título e o timing são perfeitos. O país está a morrer, mas o Verão está salvo.
Dose dupla de Dead Combo na ZdB
· POR Paulo Cecílio · 06 Jun 2011 · 20:42 ·


É "a casa do grupo", e é também o espaço que vai receber duas noites do mesmo; a 9 e 10 de Junho (a.k.a., já esta sexta e sábado) a Galeria Zé dos Bois vai ter em palco os Dead Combo para dois concertos no mínimo diferentes. Ora vejamos: para além de irem tocar no meio do aquário - o que levará desde já a uma lotação muito limitada, por isso corram antes que esgote - e de irem testar as águas do próximo disco com a apresentação de temas novos, tocarão igualmente canções que raramente mostram ao vivo, não querendo menosprezar naturalmente a força de canções como a grandiosa "Eléctrica Cadente", do primeiro disco e que aqui deixamos. Bilhetes a 10€ agora, a 12€ no dia do concerto. Estes últimos duvidamos que apareçam.

Como traduzir a saudade:

Do look back: Free Pop no Musicbox
· POR Paulo Cecílio · 06 Jun 2011 · 20:42 ·


Foi recentemente alvo de uma reedição em honra do Record Store Day e é agora apresentado ao vivo na íntegra: Free Pop levará os Pop Dell'Arte de João Peste ao palco do Musicbox na próxima quinta-feira, 9 de Junho, para um concerto nos moldes do conceito que cá faltava chegar - o famigerado Don't Look Back. O espéctaculo é as 23h, os bilhetes estão à venda por 12€, e isto é motivo mais do que suficiente para no mínimo considerar lá ir:

Fausto Bordalo Dias em fase avançada do novo álbum
· POR André Gomes · 02 Jun 2011 · 18:55 ·


Notícias fresquinhas: o novo disco de originais de Fausto terminou a fase pré-produção e entrou agora em estúdio precisamente ontem. O disco encerra a trilogia que começou há 29 anos com o obrigatório Por Este Rio Acima e continuou com Crónicas da Terra Ardente Ainda não existe nome para o terceiro registo.

Mas já sabemos alguma coisa sobre os músicos: João Ferreira nas percussões, Filipe Raposo e Fausto Ferreira nos teclados, Enzo d'Averza nos teclados e acordeão, Mário Santos na bateria e percussões, Vitor Milhanas no baixo, Miguel Fevereiro, Tiago Inuit, António Pinto, João Maló nas guitarras e José Barros na viola braguesa e cavaquinho.

O novo disco de Fausto terá 23 músicas e será "uma aventura épica que narra a entrada dos portugueses pelo continente africano adentro, através da experiência de alguns dos seus grandes exploradores". Esta obra está a ser criada há quase trinta anos mas ainda falta um longo trabalho de estúdio. Nas palavras do próprio: "serão cerca de dois meses de trabalho de estúdio. É um desafio sempre que entro em estúdio, mas é também um dos trabalhos que mais gosto de fazer. É um trabalho muito intenso feito em parceria com músicos e técnicos".
Noite de improviso na ZDB
· POR Bruno Silva · 02 Jun 2011 · 18:16 ·


Nome inescapável da música improvisada, Daniel Levin tem vindo a criar um submundo particular no contexto de um instrumento tão profundo como o violoncelo, pautado por colaborações com nomes tão gigantes como Anthony Braxton, Joe McPhee ou William Parker. Com uma obra extensa que a aniversariante Clean Feed tem vindo a documentar de modo brilhante, como no recente e mui recomendável Inner Landscape, Levin é um dos mais desafiantes músicos da actualidade num território pouco usual para o solo. Na primeira parte, regresso do duo de Manuel Mota e Margarida Garcia, depois de uma ausência prolongada desta última por terras norte-americanas (onde tocou com gente como Loren Connors, Marcia Bassett ou Matt Valentine), numa aparição imperdível de dois dos maiores (de que nos devemos orgulhar sem reservas) e cuja relação remonta já a uma década de cumplicidade musical de peso inclassificável. Hoje será uma noite mágica para a improvisação na acolhedora sala baronesa da ZDB, com hora marcada para às 22 horas e com bilhetes a 8 euros.

O guia para os festivais do verão que aí vem
· POR Paulo Cecílio · 01 Jun 2011 · 22:19 ·
Chegámos àquela altura do ano em que todas as publicações, online ou não, que se dedicam à música fazem o balanço dos festivais de verão que se aproximam, e que farão as delícias (uns mais do que outros) dos milhares de fãs ávidos por assistirem in loco aos seus artistas preferidos a tocar as canções que em casa rodam sem cessar no leitor de CDs, no gira-discos ou, porque a modernidade aí está para ficar, no disco rígido do computador. E porque o Bodyspace não é alheio a isso, aqui fica o nosso top 10 dos festivais que não podem, de maneira nenhuma, perder nestes três meses que aí vêm. Tendo todas as variantes sido cautelosamente calculadas, tendo todos os cartazes participado num brutal royal rumble onde houve sangue e dentes partidos, e tendo todos os públicos-alvos sido sujeitos a um minucioso estudo sociológico (que é como quem diz, tentar saber qual deles terá maior rácio de gajas boas), podemos, sem qualquer espécie de dúvidas, apresentar os resultados. E aí estão eles:

10) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

No décimo lugar encontra-se o ainda tenro mas que já se transformou na nova coqueluche dos festivais de verão em Portugal, o Milhões de Festa™. Quem lá esteve no ano passado percebe muito bem o porquê; o ambiente fantástico que se viveu, os bitoques a 2,5€ que se comeram e os concertos fenomenais a que se assistiu, estando à cabeça o colossal life-changing moment que foi a estreia dos Monotonix em território nacional. Com a licença renovada para permanecer em Barcelos até 2013, só se pode é estar entusiasmado para o que nos reserva este ano. De 24 a 26 de Julho.

9) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

A seguir encontramos... o Milhões de Festa? Espera lá, quê? Bem, é verdade que um festival que este ano contará com a presença dos Liars ou das reunidas Electrelane merece sempre mais que um mísero décimo lugar, mas daí a ocupar duas posições... eh, que se lixe. Um evento desta categoria não pode ficar reduzido a um mero problema matemático. Por isso: Milhões de Festa, décimo e nono classificado. Tá-se bem.

8) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

Em oitavo temos então o Milhões de Festa. OI? (Será que contei bem os votos?) Ha de certeza aqui algum problema... não querendo menosprezar a famosa piscina e a graça feminina que por lá passou, três lugares em dez é abusivo. Vá lá, vamos lá encarar este top com a seriedade que ele merece. Ninguém do júri foi comprado. Tanto quanto sei.

7) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

Foda-se, será que não é um problema matemático, mas tipográfico? Porque não é possível que o Milhões, pese embora o encanto da cidade de Barcelos e do parque de campismo difícil de encontrar mas menos difícil de agradar onde até parece que houve concertos improvisados nas horas mortas da madrugada, seja o 10º, o 9º, o 8º e o 7º melhores festivais que se avizinham. Começo a suspeitar deste top...

6) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

Quelle surprise. Vamos lá passar ao número cinco. Variem, caralho!

5) FESTIVAL DE P

Ah, finalmente!

5) FESTIVAL DE PMILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

QUÊ?!?!?! QUE RAIO ACONTECEU ALI?!?! PORQUE É QUE ALTERARAM O QUE SE IA ESCREVER? Pronto. Está feito. Não obstante o Milhões ter concertos que começam pela tardinha e acabam só quando o sol raia, o que é sinónimo de festa até que o corpo adoeça (se bem que, a julgar pelo que se viu no ano passado durante o gig do DJ Skull Vomit, hajam pessoas que nunca adoecem), isso não é motivo para um tendenciosismo tão descarado. Isto é pior que a UEFA com o Barcelona.

4) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

Lá está. De caras! Completamente gamado. Podem encomendar as faixas. O Milhões de Festa, que este ano vai inclusive contar com one-off shows de algumas das bandas que compuseram a nata do panorama alternativo português há uns anos (Veados Com Fome, Lobster, Green Machine...), está a ser levado ao colo pela crítica na tentativa de encontrar o melhor festival nacional. Eu sempre disse para não se confiar na malta das webzines. Escória. Tudo escória!

3) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

Começo a pensar numa coisa. E se isto não é roubo? É que eu não acredito que um júri assim fosse tão atrasado mental ao ponto de mostrar a roubalheira tão abertamente. Normalmente é-se mais comedido. E se o que pesou foi mesmo o facto de que vai haver malta fixe, vai haver cerveja e vai haver concertos do caraças? E que tudo isto sofreu uma alteração de preços que ainda assim se justificam em pleno? Vamos outra vez aos votos...

2) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

Não há sinal de adulteração nas contagens. Não há sinal de erros na grafia. Não há como negar: o Milhões de Festa é o melhor festival nacional de música em 9/10 vezes. Será que algum dos outros, que apresentam igualmente propostas bastante boas e não devem ser por isso ignorados, consegue acabar com a hegemonia da loucura barcelense? Eu duvido, sinceramente. Já que a Lovers & Lollypops cada vez mais se define como o Radamel Falcao das promotoras tugas.

1) MILHÕES DE FESTA, BARCELOS, PORTUGAL

E pronto: a consagração. Depois de tudo ter sido visto e revisto, só se pode concluir que o Milhões de Festa merece o ceptro. Uma conquista que chega no dia em que ficaram conhecidos os cartazes para a edição deste ano, um dos quais aqui deixamos e que era o objectivo inicial desta notícia. Confiram o símbolo no topo esquerdo: aquilo não é um mero logótipo, é uma insígnia papal. E já que assim é, também se pode argumentar que este não é o top dez dos festivais de música, mas dos maiores eventos religiosos em solo nacional. In your face, Fátima.

Faltam 50 dias, algumas horas, uns poucos minutos e uns quantos segundos.

Parceiros