Dezembro 2009
2009, ano de fantasmas, memórias VHS corroídas e palmeiras de plástico
· POR Pedro Rios · 31 Dez 2009 · 16:42 ·

2009, ano de "hauntology" vinda do Reino Unido (via Broadcast, que escandalosamente ainda não ouvi, e movimentações dubstep e pós-dubstep), mas sobretudo dos Estados Unidos, via Ducktails, James Ferraro, Spencer Clark, Nite Jewel, Gary War.

Ariel Pink (a par de Ferraro, guia espiritual desta juventude) esteve calado, mas assinou pela 4AD, oficializando a tendência (a que David Keenan chamou de hypnagogic pop - muitos não gostaram do rótulo, eu acho que o artigo faz todo o sentido).

Ducktails tiveram dois álbuns de brilhantemente modestas jams de quarto (sonhadoras, simples), James Ferraro prosseguiu os seus estudos sobre a degradação, projecção e invenção da memória, da adolescência, Nite Jewel deu-lhe um tom dançável, de club, Gary War fez canções noise a partir da pop (e vice-versa).

E há Oneohtrix Point Never (no qual começo a mergulhar) e Emeralds na outra ponta, menos pop, mais neo-new-age, do fenómeno.

Música de fantasmas, memórias fixadas em VHS de fita corroída pelo tempo, canções feitas entre o sonho e a realidade vista a partir de quartos com equipamento de gravação barato, imagens mentais de praias. Tudo isto ao mesmo tempo ou em doses individuais.

Faltou um disco de GÉNIO a esta gente? Talvez (se bem que a Wire ponha Rifts de Oneohtrix bem nas alturas), mas foi isto que animou o cenário indie.
Até sempre, Zoo-Music Boy
· POR Nuno Proença · 30 Dez 2009 · 17:45 ·
Rowland S. Howard, que os melómanos conhecerão sobretudo pelas suas guitarradas de lâminas distorcidas e afiadas nos The Birthday Party (de onde também veio um tal Nick Cave), faleceu hoje, vítima de cancro do fígado.

Howard, que contava 50 anos de idade, fez parte de bandas como os Young Charlatans, os These Immortal Souls, e os The Boys Next Door que viriam a tornar-se os The Birthday Party. Com estes, Howard editou discos como Junkyard ou Prayers On Fire, repositórios de música de uma agressividade semelhante a um paciente mental sanguinário a atirar-se contra uma parede sem protecção. O punk, nas mãos dos Birthday Party, usava os alfinetes de dama para fazer sangue nas vítimas e não para enfeitar a roupa. A solo, lançou dois discos, o últimos dos quais, Pop Crimes, ainda em Outubro passado.

O Bodyspace deixa "King Ink" como recordação de um extraordinário guitarrista. Até Sempre.

Rocky regressa à pirâmide
· POR Rafael Santos · 29 Dez 2009 · 16:08 ·
O ano não podia começar de melhor maneira no Music Box em Lisboa. É já no próximo Sábado (dia 2 de Janeiro) que Rocky Marciano, também conhecido por D-Mars, apresenta o seu novo álbum às massas. O novo registo chama-se Back To The Pyramid e suspeita-se que seja o regresso ao espírito que teceu a alma dos dois primeiros álbuns: uma ecléctica miscelânea onde samplers jazz se cruzam com o saxofone de Rodrigo Amado e a guitarra de André Fernandes, enquanto D-Mars solta os mais eficientes beats hip-hop numa habilidosa patinagem artística de improvisação que contará ainda com a participação de D-Fine (com quem D-Mars colaborou no projecto Double D Force). Palco aberto, então, para as novas divagações dentro ou à volta da pirâmide.

Eis um exemplo do que se pode descobrir no próximo Sábado à noite, no Music Box:

Spike Lee homenageia Jacko
· POR Rafael Santos · 29 Dez 2009 · 11:21 ·
Michael Jackson está morto e enterrado, mas as homenagens, essas, não param. Agora é a vez do realizador Spike Lee contribuir com um conjunto simples de imagens (boa parte de arquivo) que ilustram o póstumo single This is It. O vídeo, uma óbvia homenagem ao percurso de sucesso do Rei da Pop, retrata as diversas fases da vida de Jacko desde a infância, com algumas imagens da terra natal (Gary no Indiana), os incontestáveis momentos de apoteose até às homenagens sentidas dos fãs pouco depois da sua morte a 25 de Junho deste ano. Eis as imagens:

A AlJazeera tem uma paixão pelo free-folk finlandês e nós não sabiamos
· POR André Gomes · 28 Dez 2009 · 20:52 ·
É verdade, a AlJazeera tem uma paixão pelo folk livre finlandês que nos tem chegado pelas mãos de belos criadores como Lau Nau que ainda há pouco tempo pisou território português para dois belíssimos concertos em Portugal (pelo menos assim foi no Porto e não há razões para crer que não tenha sido o mesmo em Lisboa). Num curto documentário, que data de 2008, a AlJazeera apanha o momento no seu contexto musical e sociológico e Lau Nau é mesmo apresentada como sendo quase a cabecilha de todo o grupo onde se incluem ainda Kuupuu e Es. A fotografia é bem apanhada pelo canal e deixa água na boca para um documentário mais profundo sobre o tema:

Mikado Lab elogiados no "New York Times"
· POR Pedro Rios · 28 Dez 2009 · 14:14 ·


Coração Pneumático dos portugueses Mikado Lab foi alvo de elogios no "New York Times". O diário norte-americano já tinha elogiado o grupo há algum tempo.

Ben Ratliff, crítico do NYT, escreve não compreender por que é que o álbum tem estado "invisível" e sem apreciação crítica.

Ratliff elogia a bateria "calma e económica" de Marco Franco, o baixo de Pedro Gonçalves, que "planta notas abruptas no estômago do groove como se fosse um músico reggae", as "belas melodias" de órgão de Ana Araújo ("ouço ecos de Bach, de Pet Sounds dos Beach Boys, algum rock progressivo e Henry Threadgill"), entre outros elementos do jazz-rock-qualquer-coisa dos Mikado Lab.

O disco foi editado pela Tone of a Pitch, mas pode ser ouvido gratuitamente em http://mikadolab.bandcamp.com.
Claudia Quintet no BragaJazz 2010
· POR Nuno Catarino · 27 Dez 2009 · 12:49 ·
Já é conhecida a programação do BragaJazz 2010, festival que vai decorrer no histórico Theatro Circo entre os dias 4 e 12 de Março. Da programação da edição 2010, da responsabilidade de José Carlos Santos, destaca-se o Claudia Quintet de John Hollenbeck (no dia 6), grupo que já nos apresentou os óptimos discos de “pós-jazz” Semi-Formal e For. Do cartaz do festival de jazz bracarense fazem ainda parte o projecto “Ogre” (a mais recente aventura da cantora Maria João, no dia 4), Jerry Bergonzi Trio (dia 5), Heloísa Fernandes Trio (dia 12) e Jamie Baum Septet (dia 13). Aqui fica um vídeo do nosso quinteto favorito que não sabe claudicar.

Celebrar o Natal com os CRISIS e com a Lovers & Lollypops
· POR André Gomes · 25 Dez 2009 · 20:57 ·
CRISIS

Para vocês que estão aí em casa empanturrados com sonhos, rabanadas, filhoses e o resto da doçaria que vai direitinha para as vossas ancas; há melhor alternativa do que ficar em casa a ver os melhores momentos desportivos do ano na Eurosport ou a arrumar as prendinhas musicais ou nem por isso. Se por acaso estão no Grande Porto ou a uma hora de distância da cidade que cresce a olhos vistos, valerá a pena passarem hoje pelo Plano B a partir das 23:00 para uma celebração diferente. Podem perder uns poucos quilos a mais com os CRISIS - dizem que são os Crystal Castles portugueses -, com um Set sempre imprevisível da Lovers & Lollypops e com André Granada a finalizar. Nuno Dias, da Lovers & Lollypops, deixa o convite (desculpem o caps lock): "VAI SER A PUTA DA FESTA. QUEM NÃO FOR ARRISCA A NÃO COMER BOLO REI E A COMER RISSÓIS DE CAMARÃO. SERIOUSLY".
Jorge Martins, ex-Frango e ex-Fish&Sheep, de volta a Lisboa (para um concerto)
· POR Pedro Rios · 25 Dez 2009 · 20:56 ·
Jorge Martins, na parte esquerda da banana, nos tempos dos Fish & Sheep.
© Ana Sofia Marques

Já tínhamos saudades de Jorge Martins, guitarrista que fez parte dos Frango e que era a metade-turbilhão-eléctrico dos saudosos Fish&Sheep até ir viver para os Estados Unidos. Ei-lo de volta a Portugal para um concerto na cave do número 211, na Avenida da Liberdade, em Lisboa (prédio que tem sido um dos pontos chave da cultura marginal da capital). É já amanhã, dia 26, às 18h30.

Martins, que actualmente está nos projectos Crazy Dreams Band (jams/canções fodidas de rotulagem difícil), que editaram na Holy Mountain, e Blades, vem acompanhado por Jenny Graf (ex-Metalux, Harrius, etc).

O evento tem entrada gratuita, mas recomenda-se donativo simpático.
Hot Clube safa-se de incêndio mas sofre inundação
· POR Nuno Catarino · 23 Dez 2009 · 11:43 ·
O edifício que alberga o Hot Clube de Portugal, na Praça da Alegria em Lisboa, sofreu na madrugada desta terça-feira um incêndio. O incêndio não chegou à cave, onde funciona o Hot Clube, mas a água utilizada para combater as chamas provocou uma inundação que deixou o histórico bar de jazz em muito mau estado. Segundo o responsável pela programação Luís Hilário, citado pela Lusa, “a cave é recuperável”, sendo que o espólio do Hot não foi afectado, uma vez que está depositado num outro edifício - onde funciona a Academia Nacional Superior de Orquestra e a Escola de Jazz Luís Villas-Boas. Para já a programação dos próximos dias foi cancelada, mas fica em aberto a eventual transferência para outro espaço a definir. O Hot Clube foi o primeiro clube de jazz criado em Portugal e celebrou 60 anos em 2008. Aqui fica uma actuação do grupo Grand Pianoramax, de Léo Tardin, na cave mais histórica de Portugal.

We Are The World - We Scare The Children
· POR Nuno Proença · 22 Dez 2009 · 21:05 ·
Mistério, culto e ritualismo serão palavras que não devem ser estranhas aos We Are The World. Basta ver que usam a palavra "Cult" no seu endereço de MySpace. Também é útil observar a lista de amigos e vislumbrar os nomes The Knife e DFA Records. Se os primeiros encaixam bem nas palavras com que esta peça noticiosa se iniciou, os segundos fornecem uma dose de adrenalina e percussão não desprezível. E por aí não ficamos. O palco também parece ser local privilegiado para as cerimónias dos WATW, fazendo uso de máscaras e jogos visuais com grandes panos. A 23 de Fevereiro, a editora Manimal porá cá fora o disco de estreia. Até lá podem ficar com a Blair Witchada do vídeo de Clay Stones logo abaixo:

Minta tem novo videoclipe para "A Song To Celebrate Our Love"
· POR André Gomes · 18 Dez 2009 · 14:34 ·
Era já uma belíssima canção, e agora tem um belíssimo vídeo. "A Song To Celebrate Our Love", de Minta, ou seja Francisca Cortesão, aquece os ossos nestes dias de frio. Dirigido por Tiago Hespanha, o vídeo que lhe serve de cenário, aquece as vistas - há tanta gente com talento neste país por estes dias. Foi filmado em Super 8 numa cozinha e tem a participação especial de um boneco de pano da Rosa Pomar. E é esta beleza aqui em baixo:

Os Society for the Big Nothing prometem encher o Passos Manuel, no Porto, de amor
· POR André Gomes · 18 Dez 2009 · 12:49 ·
É hoje que os Society for the Big Nothing, o supergrupo em que cumprem funções The Weatherman, Wingman ou LittleFriend, dão um concerto no Passos Manuel, no Porto, que funcionará como uma espécie de "jantar de Natal" - dizemos nós - desta "empresa pop". A acrescentar às novas canções que se podem escutar no myspace (destaques para "Homesick Bay" e "Freedom Bound"), os Society for the big Nothing devem mostrar alguns dos novos temas a incluir no disco de estreia, anunciado para 2010. O concerto acontece às 23 horas e a entrada tem o custo de 5 euros.

É vê-los aqui felizes no Manuel da Feira, uma das coisas mais bonitas da cidade de Espinho:


Culturgest desvenda primeiro trimestre de 2010: muito piano jazz, a guitarra de Norberto Lobo e os blues de Corey Harris
· POR Nuno Catarino · 18 Dez 2009 · 00:42 ·
A Culturgest acaba de revelar a programação musical para os três primeiros meses de 2010. Da programação para o primeiro trimestre assinala-se o continuado investimento no jazz, que além das arrojadas propostas de Pedro Costa – duo de Joe Morris e Barre Phillips e o trio The Fish, inseridos no ciclo “isto é jazz?” - conta também com um conjunto de propostas de jazz mainstream, da responsabilidade do radialista e crítico Manuel Jorge Veloso: Stefano Bollani Trio, Carlos Martins (a apresentar o disco “Água”) e um solo de Fred Hersch. Além do jazz ainda há Norberto Lobo, que vai contar com a colaboração dos parceiros de Tigrala, e o italiano Vinicio Capossela. Para a Culturgest Porto a produtora Filho Único apresenta um herói esquecido do free jazz, o histórico pianista Dave Burrell. Entre o final de Janeiro e o início de Fevereiro irá decorrer ainda a segunda edição do Hootenanny, ciclo dedicado à folk americana, comissariado por Ruben de Carvalho – este ciclo vai acolher concertos de Corey Harris, Josh White Jr., Elijah Wald e Henry Butler. Aqui fica um resumo seleccionado do programação do trimestre. No vídeo ali em baixo deixamos o trio The Fish em pleno processo de rebentação.

Stefano Bollani Trio, 10 Janeiro
Dave Burrell, 15 Janeiro, Culturgest Porto
Joe Morris & Barre Phillips, 25 Janeiro
Hootenanny (Corey Harris, Josh White Jr., Elijah Wald e Henry Butler), de 30 Janeiro a 5 de Fevereiro
Carlos Martins “Água”, 12 Fevereiro
The Fish (Jean Luc Guionnet, Benjamin Duboc e Edward Perraud), 25 Fevereiro
Norberto Lobo, 5 Março
Vinicio Capossela, 24 e 25 Março
Fred Hersch (solo), 26 Março

Amélia Muge lança livro que é disco, 2009 termina bem
· POR André Gomes · 17 Dez 2009 · 11:57 ·
Esta pode muito bem ser a melhor última notícia de 2009 para quem gosta de música. Parece que esta semana fica à venda o livro/CD de Amélia Muge. Diz-se que é um livro muito bonito com ilustrações e algumas fotos da própria Amélia, poemas em edição bilingue e um CD áudio com 14 temas cujo conceito é o mesmo que presidiu ao espectáculo 1 Autora, 202 Canções, apresentado no ano passado, por esta altura, no CCB.

Trata-se de canções escritas por Amélia Muge para uma série de cantores - entre eles Ana Moura, Camané, Pedro Moutinho, Mísia, Mafalda Arnauth - e interpretadas, desta vez, pela própria autora. Esta é uma edição da Carácter que representa, entre outras marcas, a editora Taschen em Portugal.

O que temos para vos oferecer é "Taco a Taco / Poemas de Bancada":


Mu vencem Prémio Carlos Paredes
· POR André Gomes · 17 Dez 2009 · 11:09 ·
Está a correr às mil maravilhas para os portuenses Mu o ano que agora termina. Acabam de vencer o Prémio Carlos Paredes, depois de terem viajado "Portugal de lés a lés, tantos concertos e tantas viagens". Pode-se ler no press release: "fomos à Roménia, Espanha, ao nosso querido Festival Andanças, o Outonalidades, televisão, entrevistas, milhares de quilómetros na carrinha, houve quem saiu, houve quem entrou, tantas e tantas peripécias..."

Para 2010 estão prometidas novas peripécias: os Mu vão lançar um novo disco e vão viajar até a Suécia e Rússia. Por confirmar têm concertos na Inglaterra, a Alemanha e a Hungria. No merchandising continuam a ter Vinho Tinto "MU" da região demarcada do Douro, como boa banda portuguesa que são.
Enquanto não chega o novo álbum, Pantha Du Prince entretém-nos com The Splendour
· POR Rafael Santos · 16 Dez 2009 · 23:05 ·


Com um novo álbum prometido para Fevereiro (intitulado Black Noise), o alemão Hendrik Weber, que recentemente assinou pela Rough Trade, está de regresso aos originais. Por enquanto apenas no formato EP, Pantha Du Prince, como é mais conhecido, apresenta-nos 3 novos temas (The Splendour, Water Falls e Sach Mal Baum) que tudo indicam serem as primeiras amostras sonoras do longa duração que aí vem.

Black Noise, que contará algures no alinhamento com as preciosas ajudas de Noah Lennox (Panda Bear e Animal Collective) e dos LCD Soundsystem, será o 3º álbum de originais na carreira de Pantha Du Prince e será também o sucessor do muito aclamado disco de 2007, The Bliss.

Enquanto não nos chega Black Noise, deixamos aqui para escuta o tema de abertura do EP agora editado. Chama-se The Splendour.

To Rococo Rot editam novo álbum em 2010
· POR Rafael Santos · 16 Dez 2009 · 12:53 ·


O trio alemão Ronald Lippok, Robert Lippok e Stefan Schneider, os To Rococo Rot, acabou de anunciar a data de edição do seu mais recente trabalho de originais. A ser editado no mês de Março, Speculation tem a particularidade de ter sido gravado no mítico estúdio de um dos símbolos do krautrock, os Faust. Stefan Schneider afirmou a propósito das acomodações do estudio: "The technical set up at the studio is very basic and regular in a good way, so we could record our music almost like a band playing a live show in order to achieve maximum brilliance and plasticity."

A edição de Speculation é da responsabilidade da Domino e é já o 6º álbum de uma discografia que começou a sério em 1996 com o homónimo To Rococo Rot.

Eis o alinhamento dos temas que conheceremos em Março de 2010:

01. Away
02. Seele
03. Horses
04. Forwardness
05. No Way To Prepare
06. Working Against Time
07. Place It
08. Ship
09. Bells
10. Friday
Elvis Costello e U2 protagonizam segundo melhor mash-up de sempre
· POR Rodrigo Nogueira · 15 Dez 2009 · 19:58 ·
Sabes quando os rappers dizem em entrevistas aquela treta de "levar as coisas a outro nível totalmente diferente"? É irritante. Mas, bem, o Elvis Costello fê-lo. No seu programa, Spectacle, fez um mash-up ao vivo de uma canção dos U2 que pilha uma das melhores malhas dele. Com os próprios U2. É de homem. Só agora é que chegou ao YouTube.

Expliquemos melhor a coisa: além de ser dos homens mais bonitos do mundo e se deitar todas as noites ao lado da Diana Krall – e tens alguma razão para não cobiçá-la a não ser os dentes? –, Declan McManus – o nome verdadeiro do senhor – tem um talk show musical chamado Spectacle. Lá leva vários convidados/amigos que por vezes não reflectem o bom gosto que alguém da estatura dele devia ter. Mas tudo se desculpa a um gajo que grava o This Year's Model, o Armed Forces, o Trust e um porradão de outros discos magníficos sem os quais o mundo não seria igual. Na semana passada foram os U2. Ele conversa com os convidados (e lambe-lhes as botas) e depois toca eles. Na semana passada pegou em "Get Your Boots On" e tocou-a com os U2, só que misturada com a "Pump it Up" dele próprio (como toda a gente sabe, esse single é basicamente a "Pump it Up" nos versos com um refrão tirado de todas as canções dos Queens of the Stone Age). E isto com o Steve Nieve nos teclados e no theremin.

Incrível? Não soa lá muito bem, mas é uma ideia bestial. Será que estava a gozar com os U2? Será que eles estavam a gozar com eles próprios? Com o facto de já não quererem saber? Será que os Sonic Youth fariam o mesmo com aquela outra canção dos U2 cujo riff parece o da "Dirty Boots"? Será uma piada elaborada de Elvis Costello? Não fazemos ideia. A verdade é que Elvis Costello é um dos grandes e devia ter um talk show musical, sim, mas também cómico. Se duvidas da credibilidade cómica dele, procura-o no 3rd Rock from the Sun, no 30 Rock (notas a predominância do número 3 e de "rock"?), no programa do David Letterman ou no especial de Natal do Stephen Colbert. Ou nas míticas aparições dele no Saturday Night Live.

Por falar nisso, o melhor mash-up da História, é, como se ensina na escola, este (mas na versão de 1972, claro).

Yo La Tengo na Aula Magna e na Casa da Música em Março
· POR Rodrigo Nogueira · 15 Dez 2009 · 17:31 ·
Os Yo La Tengo, além de terem alguns dos melhores discos da década – alguém vai argumentar contra ...And Then Nothing Turned Itself Inside-Out? – são provavelmente a banda indie com os melhores vídeos de sempre. Não acreditas, pequenote? Uma palavra para ti: "Sugarcube". Tem o Bob Odenkirk e o David Cross, é preciso dizer mais? Acho que não. Ou, pelo menos, não devia ser. De qualquer maneira, segundo o blog da Matador, depois de terem estado cá em 2006, os Yo La Tengo regressam à Aula Magna e à Casa da Música em Março, dias 14 e 15, respectivamente. Porque de vez em quando todos precisamos de canções como esta que se segue, gravada num telhado qualquer de Brooklyn para o Don't Look Down, programa da Pitchfork.TV. Não adiciona nada de substancialmente diferente ao mundo, e há mil canções de Yo La Tengo assim. Mas não deixa de ser incrível, e só o facto de haver uma banda de 40/50 anos a escrever e a tocá-las no presente dá-nos esperança no envelhecimento da população global.

Fu Manchu queimam pneu no Santiago Alquimista em Fevereiro
· POR Miguel Arsénio · 15 Dez 2009 · 13:16 ·
Depois de dois concertos impressionantes no Paradise Garage, os Fu Manchu regressam ao país com a sabedoria de vinte anos dedicados ao stoner da Califórnia. A passagem, desta vez, será pelo Santiago Alquimista, de Lisboa, no dia 5 de Fevereiro do próximo ano. Sem grandes mexidas na estética de sempre, mas incapazes de gravar um disco evidentemente mau, os Fu Manchu continuam a ser uma banda de rendimento máximo ao vivo (tal como o Bodyspace pôde comprovar há dois anos e meio). Como novidade trazem Signs of Infinite Power, que era mesmo obrigado a ter riffs suficientes para compensar uma capa que deve ter demorado 7 minutos a fazer no Paint .

Toma lá bolachas:

Aguentem aí as listas de melhores concertos do ano, Scout Niblett actua hoje no Porto com os Long Way to Alaska
· POR André Gomes · 15 Dez 2009 · 10:40 ·
Tenham lá calma com essas listas e esses topes que o mundo não acaba já. Hoje à noite a britânica Scout Niblett sobe ao palco do sempre maravilhoso Passos Manuel para um concerto em levantará a cortina do seu próximo álbum, The Calcination of Scout Niblett, com edição agendada para Janeiro. Entre a bateria e a guitarra, a passear-se pela folk e derivações, Scout Niblett é conhecida por proporcionar concertos intimistas e intensos. Amanhã repete a dose em Lisboa, na Galeria Zé dos Bois.

Para ajudar a preparar o ambiente os Long Way to Alaska, a sensação do Inverno, dão aquele que é o seu segundo concerto no Porto (e terceiro na conta pessoal). Com um EP gravado (parece que o primeiro LP vai ter o selo da Lovers & Lollypops), deram-nos já motivos suficientes para acreditar que daqui só podem nascer coisas boas para a música portuguesa.

Em "Kiss", Scout Niblett canta ao lado do enorme Bonnie 'Prince' Billy:

Midlake "descobrem" os antigos colonizadores
· POR Nuno Proença · 14 Dez 2009 · 21:17 ·
God Save The 'Lake

O regresso às gravações dos Midlake, que terá o seu apogeu em 02.02.2010 quando "The Courage Of Others", sucessor do excelente "The Trials Of Van Occupanther", for lançado, tem aqui a sua primeira aparição pública. "Acts Of Man" deve muito à folk inglesa dos anos 60/70, protagonizada por gente como The Incredible String Band, embora num registo menos tresloucado. Note-se, sobretudo, a entoação melíflua da voz de Tim Smith, que talvez tenha tirado a máscara de gato, e agora se dedique a cantar para os passarinhos nas clareiras da floresta que aparecia na capa the "The Trials...". Para tirarem as vossas próprias conclusões, o single pode ser escutado aqui. Sacrifícios humanos não são obrigatórios.
Video killed the radio star, mas José Reis (RUM) não se importa com isso
· POR José Reis · 14 Dez 2009 · 21:05 ·
Um dos grupos, um dos lançamentos e um dos singles esquecidos do ano. “In Your Heart”, tema do segundo álbum de estúdio dos A Place To Bury Strangers, banda norte-americana formada em 2003, vem mostrar que o rock (finalmente!) não tem medo de ser pesado, barulhento, metálico, distorcido, de não passar nas rádios e nas televisões. “In Your Heart”, o vídeo, dá vontade de pegar na guitarra e estilhaçá-la contra o que estiver mais à mão. As tintas a dissolverem (n)a água, as formas que criam, as luzes que ora atenuam, ora acentuam, as guitarras que não páram quietas. E pensar que tudo aquilo se podia ter passado na minha garagem – comprar uma tela, quatro holofotes, tintas, água, não ficaria por mais de 150 euros, pois não?

Spank Rock, Gary War e Lindstrom na Casa da Música
· POR Pedro Rios · 14 Dez 2009 · 21:03 ·
Há para todos: Spank Rock

O próximo Clubbing da Casa da Música, marcado para 23 de Janeiro de 2010, é um dos mais interessantes dos últimos tempos. Lindstrom e Makossa & Megablast serão os nomes mais populares, mas é Spank Rock quem mais nos excita. A partir das 2h30, o grupo vai mostrar o seu hip-hop descomprometido e sexualmente vistoso, a matéria-prima que faz de YoYoYoYoYo um dos melhores discos de festa dos últimos anos. No dia anterior, tocam no Lux, em Lisboa.

Antes dos Spank Rock, há Lindstrom, um dos grandes do revivalismo disco, versão cósmica, actua em formato live, e os cruzamentos dub-afro-house da dupla Makossa & Megablast. Tudo na Sala 2.

No espaço Cybermúsica, Gary War mostra a sua pop desfocada, psicadélica até ao osso, capaz de gerar os mais díspares comentários no YouTube (de "What a pile of shite!" a "Damn Brilliant!") - recomenda-se a fãs de Ariel Pink e R. Stevie Moore. Gary War toca na ZDB, em Lisboa, no dia anterior.

Num dos bares, os portugueses Octa Push, que têm estado nas bocas do mundo, mostram a sua bass music.

Estas são as apostas Bodyspace. Mas há mais. Eis o programa já confirmado:

Sala 2
23h30 – 00h45: makossa & megablast
01h00 – 02h15: Lindstrom
02h30 – 03h45: Spank Rock e DJ Teenwolf

Palco Suggia
22h00 – 23h30: "Nosferatu", Wolfgang Mitterer
00h30 – 01h45 - Gustav

Sala Roxa
23h00 – 00h00- Álvaro Costa apresenta: 1.1.1970, Sejam Bem-Vindos à Década de 70 com Jimi Hendrix e a Band Of Gypsies

Cybermúsica
23h30 – 00h30: Gary War

Bares 1 e 2
00h00 – 02h00: Ninjasonik
02h00 – 04h00: Octa Push

Restaurante
01h00 – 04h00: DJ Norberto Fernandes
Novo clip dos Massive Attack feito à medida dos pudibundos
· POR Rafael Santos · 14 Dez 2009 · 19:26 ·
Enquanto Fevereiro não chega, e o novo Heligoland dos Massive Attack ainda mantém a aura de obra desejada, eis que chega mais uma amostra do que será o 5º álbum da lendária banda de Bristol. O novo tema, que conta com a participação de Hope Sandoval e Georgina Spelvin, chama-se "Paradise Circus" e este é o provocador clip que o ilustra.

(N.R.: Para que não haja chatices com os pudibundos (que tentarão fazer desnecessárias queixinhas ao provedor do leitor Bodyspace), esta redacção esclarece desde já que a bolinha vermelha no canto superior direito foi propositadamente dispensada do seu inútil serviço, visto no Bodyspace todos apreciarem descaradamente qualquer forma de pornografia onde esteja Georgina Spelvin. Ámen.)

Como o vídeo foi removido por violação dos direitos de autor (ou qualquer merda de desculpa que as editoras usam), e nós somos teimosos, substituímos a janela do Vimeo por este link, onde poderão ver à vontade o novo clip dos Massive Attack.
O mundo de Manuel João Vieira continua hoje e amanhã no S. Luiz
· POR Rodrigo Nogueira · 12 Dez 2009 · 16:55 ·
"Saímos de um buraquinho, geralmente das nossas mães, e passamos e o resto da vida a pensar nisso. É fodido". Era isto que Manuel João Vieira dizia ontem, em personagem como o vocalista dos Ena Pá 2000, na estreia de O Artista Português é tão Bom ou Melhor que os Outros, um espectáculo que agrega todos os seus alter-egos e muitas das personagens que o rodeiam. Repete hoje às nove e amanhã às cinco e meia. Foda-se, estão lá quase todas as manifestações do génio Vieira: Irmãos Catita, Ena Pá 2000, Quarteto 4444, Corações de Atum, Orgasmo Carlos, Elvis Ramalho ou Candidato Vieira, se o gajo tiver estado envolvido e te lembrares, está lá em palco. É uma desordem completa que tenta ser arrumada pela presença de um narrador – Jorge Silva, que fez de Corneto n'Um Mundo Catita – que não chega a ter grande piada e David Almeida – "o" actor anão português, que raramente falha uma piada.

É uma espécie de concerto de todas estas bandas e projectos com espaço para projecções e intervenções de personagens ligadas ao artista. Destaque para o enorme Fernando Brito – co-escritor de algumas das letras de Vieira – a fazer de general que aparece num vídeo lá pelo meio a dizer mal de Orgasmo Carlos e para o grande Tony Barracuda que, sim, come peixe cru a meio. Nem tudo é perfeito, e não vai mudar a vida de ninguém como Um Mundo Catita, uma das melhores coisas que passou na nossa televisão desde sempre e algo a que toda a gente devia ter dado muito mais atenção, mas é de aproveitar. É que estas três horas e tal com intervalo e sem cerveja dentro da sala de Vieira e amigos só ocorrem mais hoje e amanhã. E se nada disto te convencer a ir, e que tal ficares a saber que há mamas?
Universal Studios Florida: 19 minutos e pouco de puro prazer
· POR André Gomes · 12 Dez 2009 · 00:31 ·
Lançaram um dos discos mais subvalorizados de 2009: chamam-se Universal Studios Florida e são Jason Baxter e Kyle Hargus. Estes de Seattle são donos e senhores de uma electrónica desenvergonhadamente luminosa e celebratória, animalesca em dias bons e selvagem dia sim dia não. Ocean Sunbirds, editado em 2009, é um objecto de uma beleza muito muito apreciável. Neste vídeo, é possível apanhar-lhes um set com os temas "Capri Sun Caravan", "An Elm Skeye" e "New Cub". Considerem isto como uma prenda para o fim-de-semana:

Pseudónimo é pseudónimo de bonita electrónica portuguesa
· POR Nuno Proença · 12 Dez 2009 · 00:22 ·


Deve ser curioso pensar no processo mental que leva os artistas mais ligados a estas coisas das máquinas, sintetizadores e afins escolher o pseudónimo com que se apresentam ao mundo. No caso de Ricardo Mestre, a escolha recaiu sobre o prosaico nome de... Pseudónimo. Veterano das noites CD-R, onde artistas que editam por netlabels apresentam os seus trabalhos diante de um público atento, Pseudónimo acabou de editar um novo EP pela editora alemã Broque, que pode ser descarregado aqui. Na sexta-feira esteve em concerto n'O Século (com Dusk At The Mansion, projecto seu com David Costa, e M3U), e acedeu a responder a algumas perguntas do Bodyspace:

Quem é o Ricardo Mestre músico? Que música o inspirou?

A música surgiu em mim como forma de expressão há cerca de dez anos. Na altura, não tanto como agora, ocupava a mesma porção de espaço que o desenho ou a escrita. Mas ao contrário destas, nascera a partir de um meio não analógico: um software de uma consola de videojogos que servia a criação de música electrónica. Pouco mais tarde, acheguei-me do computador e, logo, de software mais indicado. O Ricardo Mestre músico, portanto, respira e tem respirado dentro de uma placa de som.
A música que me inspira é variada e foi-se diversificando ao longo do tempo: da Pop, de um modo geral, passando pela experimentação electrónica IDM e Glitch, cruza-se com os ensinamentos atmosféricos de Brian Eno, dança com o Proto-Electro e Electro de Kraftwerk e Gary Numan, bem como o nascimento da House Music nos 80s, e firma-se sempre na música dos videojogos clássicos e nas revisitações 8bits / Chiptunes dos mesmos. Mais recentemente, o Italo-Disco tem-me também servido muito como inspiração.

Como surgiu a possibilidade de participar nas noites CDR? Que importância têm tido elas? Vês este concerto n'O Século como um passo para dar o salto?

Tomei conhecimento das noites CDR a partir de um amigo meu, ao cabo dos três meses de existência da iniciativa. Nessa altura, apareci e apresentei o que tinha para mostrar. Tornei-me assíduo: marquei sempre presença a partir de então. Depois de um ano e pouco, fui convidado pelo Manuel Calapez para juntar-me à organização do evento, da qual constavam também o André Santos e o Filipe Furão.
A Noite CDr permitiu-me mostrar e conhecer vários artistas com muita vontade e talento, como os Internal Sync, o Magau e o case.sentive. Devo à noite CDr grande parte do estímulo e do apoio sincero que recebi nos últimos para continuar a explorar as frequências da música electrónica.
Não encaro o live-act n'O Século como "o" passo para dar o salto, mas como um dos passos necessários à divulgação da minha música - também talvez por não ser o primeiro live-act que faço (enquanto Pseudónimo). Dou-lhe particular importância, no entanto, por estar incluído numa iniciativa criada por mim em torno de três projectos que tenho para mostrar.

Apesar das referência a Plaid e Plone no MySpace, percepciono nas tuas faixas uma ligação entre a progressão melódica de uma música techno, e uma electrónica mais intimista, delicada, diria mesmo "twee". São campos que te interessam juntar?

Plaid e Plone são algumas das minhas referências antigas, mas que ainda continuam presentes.
A melodia interessou-me primeiro mais do que a progressão maquinal tanto ou pouco suada da pista de dança. Na música de blip-blop-pum-tss que faço, os ritmos surgiram sobretudo como veículo sobre o qual conseguira assentar frases, versos melódicos. Só depois procurei o casamento entre ambas as coisas.
Há um lado de "canção" um tanto pop que gosto de tentar. Algumas das minhas últimas músicas resultam de um certa experimentação nesse plano. E, em última análise, o meu projecto Dusk at the Mansion, com David Costa, que amanhã também apresento em concerto, é talvez o maior reflexo disso mesmo.

Os interessados em saber mais sobre a música de Pseudónimo podem consultar este site.
A Italians do it Better assenta arraiais no Plano B e promete disco e sexo para todos
· POR André Gomes · 11 Dez 2009 · 21:35 ·
Parece que 2010 começa a aquecer. No dia 12 de Fevereiro, a Italians do it Better apresenta-se de armas e bagagens no Plano B, no Porto, para um showcase exclusivo e apresenta dois dos seus maiores trunfos: Glass Candy e Desire. Vistam a vossa melhor roupa, vejam uns quantos filmes porno italianos e preparem-se para uma noite de electropop, punk, noisezinho e italo disco. Quem sabe se a noite de aeróbica não acontece mesmo ali debaixo dos narizes de todos. Vamos colocar as coisas assim: se o John Travolta viesse a Portugal nessa altura e tivesse tomates mostrava a cara no Plano B nessa noite.

Ida No e Johnny Jewell, os Glass Candy, vêm ao Porto para apresentar o último disco, Deep Gems, mas tanto quanto se sabe há um novo disco a caminho por isso é de esperar que haja novas jóias profundas. Já os Desire, Megan mais Johnny mais Natty, apresentam canções de esperança e amor embrulhadas num disco noir que é motor deste trio canadiano.

Ali naquela coisa dá para ouvir - mas não ver grande coisa - da contagiante "Geto Boys", com um riff suficientemente libidinoso para colocar a calma de novo na agenda do Parlamento:

A Cabra Eléctrica montou uma estafeta de bandas e deu-a de presente a Braga
· POR André Gomes · 11 Dez 2009 · 19:14 ·
No próximo sábado dia 12 de Dezembro às 17 horas, a Cabra Eléctrica, com o apoio da Festival da Juventude de Braga, dá um presente de Natal à cidade de Braga antes do tempo:, uma Estafeta de Bandas. As bandas, são quatro, em formato acústico e em marcha lenta, vão andar pelas ruas de Braga para dar "música e cor à alegria e febre de Natal presentes no centro da cidade por esta altura".

O guião do evento é oferecido assim pela organização: "a primeira banda começa no largo do Arco da Porta Nova, em frente ao Museu da Imagem, e faz o percurso até à Sé de Braga, onde se encontra outra banda que começa o seu percurso até às frigideiras, e das frigideiras até à Brasileira outra toca, e por aí em diante até passarmos pela fonte em frente à Arcádia e descermos todos juntos pela iluminada Rua do Souto".

A ideia, diz a Cabra, é a estafeta ir ganhando público e bandas à medida que vai avançando, sendo espectável um medley final épico que promete surpreender os bracarenses. As bandas? Os locais Long Way To Alaska, Cavalheiro, Glockenwise e Smix Smox Smux. Ou seja, tudo gente de campeonatos diferentes.

A cabra apelou: "saiam à rua. Não tenham medo da chuva. Não tenham medo do frio. Com a presença de todos São Pedro esquece-se de tal".
Long Way to Alaska editam EP de estreia e tocam no Museu
· POR André Gomes · 11 Dez 2009 · 12:00 ·
Está por uma questão de horas o lançamento do EP de estreia dos Long Way to Alaska, intitulado Melodies to greet sunrise and feed sunset, que despertou bastante curiosidade e afeição na redacção virtual do Bodyspace. A edição é da Lovers & Lollypops que anuncia "100 discos acabadinhos de ser produzidos e que correm o risco de se esgotarem rapidamente".

O concerto de apresentação oficial deste EP acontece hoje por volta das 21h30 no Museu D. Diogo de Sousa em Braga e a organização está a cargo da Velha-a-Branca. Os bilhetes custam apenas 5 euros. O convite não chega por correio, mas sim no Vimeo:

Rui Eduardo Paes celebra 25 anos de escrita musical
· POR André Gomes · 11 Dez 2009 · 01:45 ·
Estamos habituados a ler nas suas linhas alguma da música mais excitante das ultimas décadas, sobretudo aquela mais afastada dos centros de convergência e mais próxima da música improvisada e experimental. E agora, REP, em celebração dos 25 anos de escritica musical, convidou 11 artistas sonoros a reunirem-se em "combinações instrumentais totalmente inéditas e de desfecho imprevisível". E este é um desafio que imaginamos a sair do desejo de Rui Eduardo Paes.

A granular diz que REP, euquanto testemunha constante da criatividade musical portuguesa e da sua projecção no mundo, "nunca se limitou ao tradicional papel do jornalista e do crítico: as suas contribuições abrangem também o associativismo, a organização de eventos, a formulação de projectos, a divulgação da música e dos seus agentes junto de novos públicos, a pedagogia, o apoio à edição discográfica". E nós concordamos.

Esta série de três concertos reúne no dia 17 de Dezembro Paulo Curado (flauta, saxofone soprano), Nobuyasu Furuya (flauta, clarinete baixo), João Lucas (piano) e Ricardo Freitas (guitarra baixo), no dia 18 de Dezembro Eduardo Lála (trombone), Pedro Lopes (gira-discos, electrónica), Travassos (cassetes, objectos amplificados, electrónica) e Gabriel Ferrandini (percussão) e finalmente no dia 19 de Dezembro Carlos “Zíngaro” (violino), Pedro Carneiro (vibrafone) e Ricardo Guerreiro (electrónica). A rua? Rua Rodrigues de Faria. É no LX Factory, em Lisboa, sempre às 22:30. A entrada é de cinco euros.
Sunn 0))) apresentam Monoliths & Dimensions em Lisboa
· POR · 10 Dez 2009 · 15:59 ·

© Gisele Vienne

De pé, ó escravos do som, os Sunn 0))) estarão de novo entre nós. A 2 de Fevereiro, num local de Lisboa a anunciar, a banda de Stephen O'Malley e Greg Anderson apresenta Monoliths & Dimensions, o magnum opus da sua discografia e o segundo melhor álbum de 2009 para o Bodyspace.

Os norte-americanos, que vêm a Portugal graças à Galeria Zé dos Bois, apresentam-se em quarteto, com o duo central O'Malley/Anderson e os cúmplices habituais Attila Csihar e Steve Moore.

Na primeira parte actuam os Eagle Twin.
Portishead lançam canção com sabor kraut para apoiar os direitos humanos
· POR Pedro Rios · 09 Dez 2009 · 23:17 ·
Os Portishead têm uma nova canção. Chama-se "Chase the Tear" e foi lançada pela Amnistia Internacional (AI) num single digital (que podem comprar por 0.99 dólares na 7Digital). Todos as receitas vão para a AI.

A canção, com direito a um teledisco com a banda na sala de ensaios, cruza os ritmos mecânicos dos Kraftwerk e a repetição dos Neu! com a dolência habitual da voz de Beth Gibbons. O Bodyspace aprova e espera as novas aventuras dos Portishead, cada vez menos catalogáveis.
Jorge Coelho tem novo lançamento na Lovers & Lollypops, e nós mostramos um tema em estreia absoluta
· POR André Gomes · 09 Dez 2009 · 14:21 ·


É já hoje que a Lovers & Lollypops disponibiliza de forma gratuita um novo lançamento de Jorge Coelho no seu site oficial. O mencionado lançamento chama-se O Olho Torto e faz-se na totalidade de belíssimas explorações na guitarra que lembram John Fahey e Derek Bailey, o primeiro na delicadeza e o segundo na aventura. Para quem possa ainda não conhecer o trabalho de Jorge Coelho, este gravou com Alexandre Soares (ex-GNR) o projecto Cães aos Círculos (com selo da Borland), fez parte dos Cosmic City Blues, dos Zen e, desde 2001, dos Mesa, para além de ter composto música para bandas sonoras.

O Bodyspace foi falar com o Jorge Coelho para saber o que este acha acerca deste lançamento e a resposta chegou esclarecedora: "o Olho Torto é uma ficção forçada sobre um "terceiro olho" capaz de ver a (outra/verdadeira) realidade. Olho que distorce também o que música representa e como a vejo, que congrega o que existirá de mais pessoal na composição. Pelo tempo e por uma crescente obsessão com a guitarra, com as possibilidades de organizar som a partir da guitarra, fui-me cruzando com algumas afinações que me soavam (faziam ver) uma relação mais justa e concordante com o que posso ter da ideia de intenção. Se por um lado as afinações pareciam abrir muitas novas possibilidades, havia sempre, por outro lado, uma música só, variante, que teimava em se afirmar". A visão do disco continua: "o caminho para esta música começa então assim, pela simplificação, por pequenas coisas pensadas só para guitarra e que serão umas primeiras manifestações. Desta série torta sonho com uma segunda parte, de desenvolvimento destas ideias como uma peça maior e uma parte final de relação com outros sons, com sons de outros mundos/fontes. Acho que tudo isto junto fará crescer o seu sentido e talvez faça um bom disco, o que quer que isso seja".

O tema que deixamos para audição em exclusivo é o mais longo de todo o lançamento e tem como titulo "CGDGA#D":

Jorge Coelho - 2 CGDGA#D [mp3]

Errata: Kurt Vile e B Fachada tocam esta noite no Frágil (Bairro Alto)
· POR Miguel Arsénio · 09 Dez 2009 · 13:59 ·
Ao contrário do que constava na introdução da simpática entrevista com o rocker Kurt Vile , o concerto desta noite realizar-se-á no Frágil do Bairro Alto e não no Lux de Santa Apolónia. A oportunidade é de valor para quem quiser também conferir as canções do novo disco homónimo de B Fachada.

Apita o comboio:

Fela Kuti e o afrobeat chegam à Broadway
· POR André Gomes · 08 Dez 2009 · 23:56 ·
O genial Fela Kuti, senhor do eterno afrobeat, chegou oficialmente à Broadway. Fela! é encenado por Bill T Jones e se calhar este espectáculo até nós queríamos ver. Diz-se por aí que os Antibalas são a banda residente e que Jay-Z e Will Smith estão entre os produtores do espectáculo. Não será de esperar que Filipe La Feria o traga para Portugal mas a coisa é assim nos palcos da Broadway:

Beach House voltam em Março já com Teen Dream nas lojas
· POR Pedro Rios · 08 Dez 2009 · 19:27 ·


Depois do concerto no Super Bock Em Stock, os Beach House colocaram no seu MySpace os concertos de promoção de Teen Dream (edição marcada para Janeiro, na Sub Pop). Lisboa volta a fazer parte do roteiro da dupla de Alex Scally e Victoria Legrand, que tocam a 17 de Março no Lux, mas os fãs do Norte estão com sorte, já que os Beach House actuam no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, no dia seguinte.

Eis "Norway", o primeiro single de Teen Dream:

Glenn Jones fala de Jack Rose e dos projectos do guitarrista recentemente falecido em carta aberta
· POR André Gomes · 07 Dez 2009 · 22:06 ·


Glenn Jones acaba de revelar alguns pormenores importantes acerca dos planos que Jack Rose, o enorme guitarrista de 38 anos que nos deixou há poucos dias, tinha para o seu futuro. Glenn Jones enviou uma carta aberta a alguns contactos próximos onde revela, entre outras coisas, que Jack Rose tinha acabado de comprar uma casa. Entre informações mais pessoas acerca do funeral e dos preparativos para o mesmo, Glenn Jones conta algumas novidades acerca dos sonhos de Jack Rose e dos projectos que tinha para um futuro próximo. "And you probably heard that he recently signed with Thrill Jockey, which he was totally psyched about, as he figured it would up his ante in terms of exposure, more tour opportunities, better pay, etc. (I can still hear him, “If they want me to open for Tortoise, I’ll open for fucking Tortoise!”).

Glenn Jones fala ainda do disco que Jack Rose acabou de gravar antes da sua morte: "He just completed his album for them, which will be out in February, Luck in the Valley. We do a banjo-and-guitar duet on it, which we've been playing live, a really beautiful minor keyed piece Jack wrote. Resta-nos esperar para ouvir o último conjunto de canções que Jack Rose escreveu.

A última das novidades: "And there's the DVD the two of us made for Strange Attractors, which Jack and I just approved the cover artwork for a week or so ago. We each do hour long sets, plus two duets, and there's a 40-minute or so long interview with Byron Coley which conveys a real sense of camaraderie". Não faltam por isso motivos para celebrar a vida e a obra de Jack Rose nos próximos tempos.
Footmovin´ promove romaria Hip-Hop
· POR Rafael Santos · 07 Dez 2009 · 12:54 ·


É já no próximo Sábado (12 de Dezembro) que Footmovin’ Records fará questão de oferecer um presente de Natal a todos os amantes do hip-hop nacional. A festa chama-se Fotmovin’! Party e a casa escolhida para acolher a romaria, que juntará no mesmo espaço alguma da fina nata do hip-hop "tuga", foi o Musicbox, no Cais do Sodré. Neste evento em que as primeiras 20 entradas terão direito a uma oferta, e que terá o seu início pelas 23h00, estão garantidas as presenças de Sir Scratch, Bob Da Rage Sense, NBC, Xeg ou Milton Gulli, entre outros artistas da editora. Para quem estiver interessado, o convite está feito.

Sir Scratch "Ilusão":

Morreu Jack Rose, um dos maiores do nosso tempo
· POR Pedro Rios · 05 Dez 2009 · 23:49 ·
Estamos em choque: morreu Jack Rose, na Filadélfia. Tinha 38 anos.

Jack Rose era um dos mais brilhantes guitarristas da actualidade. Nos Pelt ou a solo, produziu alguma da mais bela música do nosso tempo.

A notícia triste é dada pela Three Lobed Recordings:

Sorry for the random update, but Three Lobed Recordings is extremely sad to pass along news that our dear friend Jack Rose passed away this morning in Philadelphia at the age of 38. This news is still fresh to us and we're still trying to process it. Jack was a warm, caring person and was always a pleasure to be around. His larger than life spirit will truly, truly be missed even moreso than his inspired musical ability. Our deepest sorrow goes out to his wife.

Rest in peace, Jack.
Cory


Sleigh Bells: Tocam os sinos gorduchinhos
· POR Nuno Proença · 05 Dez 2009 · 18:15 ·
São nova-iorquinos, são de Brooklyn, e isto já parece quase uma anedota de se dizer, de tanto que já foi repetido. São apenas dois, Alexis e Derek. Um toca guitarra, a outra canta. E soam ao que aconteceria se os Dirty Projectors, os Blonde Redhead e os The Kills resolvessem fazer uma festarola ao som das batidas violentas e distorcidas de um Swizz Beatz. Os Sleigh Bells parece que ainda não têm editora, e só lançaram este "Crown On The Ground", cuja versão ao vivo está disponível no vídeo abaixo. Já há quem os aponte como grande esperança para 2010, e o Bodyspace não quer ser excepção!

Portugueses :papercutz no festival South By Southwest 2010
· POR André Gomes · 05 Dez 2009 · 01:43 ·
Os :papercutz são a primeira presença portuguesa confirmada no Festival South by Southwest (SXSW) em 2010, depois da participação, em 2009, de Clã, David Fonseca, Rita Red Shoes e Legendary Tiger Man. O festival decorrerá de 17 a 21 de Março de 2010 em Austin, Texas, EUA. Os portuenses :papercutz levarão ao SXSW a apresentação do álbum de estreia Lylac lançado pela a editora de Montreal (Canadá), Apegenine Recordings e colocado à venda este ano em Portugal.

Para a banda “este é um momento muito importante na nossa carreira, num festival magnífico, uma das maiores montras da melhor música que se faz em todo o mundo”, quem o diz é Bruno Miguel, fundador dos :papercutz. Recordamos que o projecto conquistou, em Abril deste ano, um importante prémio no The People's Music Awards, cuja cerimónia decorreu em Londres (UK), ao qual somam o recente galardão "Ones to Watch", entregue pelo Myspace Internacional em parceria com a Vodafone.

Este é o vídeo para "Ultravioleta", o primeiro single retirado do álbum de estreia Lylac:

Parece que o lo-fi regressou para ficar; os Bird Names sabem disso e aproveitam-se
· POR André Gomes · 02 Dez 2009 · 18:52 ·
Chamam-se Bird Names e o Miguel Arsénio já falou da coisa há algum tempo. São norte-americanos (de Chicago), fazem canções devedoras à pop de um Ariel Pink e do lo-lo-fi. Parece que já andam a fazer discos há uma data de tempos mas com este mais recente Sings the Browns, e com o amor crescente por aquilo que é lo-fi, não podemos já todos dizer que nunca os vimos mais gordos. Entrem no mundo deles ali em baixo num vídeo (para a canção "Nature's Over") que o David do referido conjunto descreveu ao Bodyspace como "neat".

Os irrequietos Buraka editam novo EP
· POR Rafael Santos · 02 Dez 2009 · 12:31 ·
Buraka Som Sistema

Um ano depois do mui louvado Black Diamond, os nossos Buraka Som Sistema acabaram, finalmente, de editar fisicamente um novo EP. Prometido desde Outubro (data em que o tema ficou disponível para download), Restless é o primeiro trabalho original editado por Lil John (João Barbosa), Riot (Rui Pité) e Kalaf (Kalaf Ângelo) desde que o álbum de estreia foi lançado. Desdobrado em 3 partes, a edição física de Restless conta com uma Radio Edit, a versão original e uma remistura do DJ britânico Julio Bashmore. Não soa muito aos Buraka que conhecemos, mas o espírito festivo do trio, esse, mantém-se. Escutemos.

Buraka Som Sistema - Restless

O Musicbox celebra o 3º aniversário, mas são eles que dão as prendas
· POR André Gomes · 02 Dez 2009 · 11:14 ·
O Musicbox celebra o seu terceiro aniversário na próxima quinta-feira, dia 3. A data é assinalada ao longo do fim-de-semana com o já habitual Birthday Weekend com actuações de Quantic, The Poppers, Corsage (sexta, 4), Sei Miguel, Aquaparque e Tigrala (sábado 5).
A entrada é livre, para todos os espectáculos, até às 02h.

O clube do Cais do Sodré avança com o Birthdya Weekend para celebrar o 3º aniversário e oferece duas noites bem distintas. Na sexta-feira, dia 4, o palco é dono do rock e de Quantic, o DJ britânico actualmente a viver na Colômbia. Há promessa de raridades cumbia e chicha, assim como de alguns temas do seu último disco Tradition in Trasition. No sábado (dia 5) e com a colaboração da produtora Filho Único a noite é outra. Sei Miguel, Aquaparque e Tigrala prometem uma noite em tudo diferente da primeira.

Um doce para o pós-feriado; os Tigrala num filme-concerto no Festival de Curtas de Vila do Conde em 2009:

Chove no Porto, barbas ao alto, os Vetiver estão a chegar. Tenham calma.
· POR André Gomes · 01 Dez 2009 · 16:06 ·
Tudo se prepara lentamente em dia de chuva miudinha e estúpida. Andy Cabic y sus amigos já estão a esta hora na cidade onde cumprem a segunda data no país, depois do concerto de ontem em Lisboa. Amigos da folk, venham por essas ruas molhadas e de esperança que os Vetiver prometem aquecer o Passos Manuel logo por volta das 22 horas. O álbum que está no centro das atenções é Tight Knit, e deverá ser a ele que os Vetiver dedicarão alma e coração. Mas porque Dezembro é um mês de suposta generosidade, a abrir estarão os Fruit Bats, que caem nesta noite que nem uma luva. A entrada para os que reservaram bilhete tem o custo de 10 euros; para os que vivem o momento, 12.

Talvez, com sorte, com esperança, seja possível escutar "More of This" logo à noite:

Parceiros