Novembro 2009
Louie Louie celebra hoje aniversário com descontos e concertos
· POR André Gomes · 28 Nov 2009 · 12:28 ·
Novembro é mês de aniversário da Louie Louie. E porque aniversário quer dizer festa são eles que oferecem as prendas. No próximo sábado 28. Em Lisboa, Porto e Braga vai existir um desconto de 20% em todo o material exposto (excepção feita a encomendas prévias). E para completar o ramalhete, como bónus, as actividades prolongam-se para além do horário de expediente. Em Lisboa, há uma festa Louie Louie Goes To Left especial com um combate entre os DJ’s Mighty Caesar e Disco Volante e a promessa de "esventrar as entranhas das últimas cinco décadas de música popular".

Mais a norte, as instalações da Louie Louie no Porto abrem as portas do fundo e começam as hostilidades logo às 14h com os DJ’s Xico Ferrão e Rui Pimenta – do colectivo 7 Magníficos - passando depois o PA para apresentações das propostas da Lovers & Lollypops: Cavalheiro, Glockenwise, Two White Monsters Around a Round Table, Aspen, Black Land e Labrador. Os DJ’s da Lovers & Lollypops SoundSystem, juntam-se à ocasião e encerram este mini festival.

Alguém pediu rock?

Os Eels têm um novo disco e nós temos uma canção nova que é deles e não nossa
· POR André Gomes · 27 Nov 2009 · 20:01 ·

Eels - End Times

O oitavo disco dos Eels só tem data marcada para Janeiro de 2010 mas já está a dar que falar. Tem um título que parece chamar ao presente o final de alguma coisa mas se calhar é só porque fala de divórcio e de envelhecer. Ou então End Times pode até significar o fim dos Eels, mas não sabemos, e não nos apetece adivinhar. O álbum tem 14 faixas, uma delas tem como título "Little Bird" e é assim doce e terna como o seu nome indica. Se dúvidas ficam, é favor de escutar a dita cuja aqui em baixo. É coisa para ficar na cabeça durante algum tempo.

Eels - Little Bird [mp3]

Última chamada: Bodyspace percorre os singles da década no Cabaret Maxime. Youthless e Ur MA fazem também a festa
· POR Miguel Arsénio · 27 Nov 2009 · 13:14 ·
Depois de gloriosa primeira-mão, no Porto, o Bodyspace fará desfilar a sua selecção de 50 Melhores Singles dos 00, no dia 27 de Novembro, e, desta vez, no Cabaret Maxime de Lisboa. As mesmas canções mudam conforme a vibração do lugar e os braços erguidos de quem as dança. A porta fica também aberta para alguns temas que não surgiram entre os 50 só por azar. Estão garantidos os inevitáveis “bangers”, assim como canções perfeitas para pedir alguém em casamento (“Maple Leaves”, “Playground Love”). Os DJs de serviço, Rodrigo Nogueira (um terço de CIMENTO.) e Miguel Arsénio (DJ Piratinha), são dois jovens anafadinhos e barbudos, que – surpreendentemente - nunca apresentaram programas de televisão. Jay-Z e Nas finalmente reconciliados numa “Dead Presidents”, que é, afinal, a vida revisitada de “All The Single Ladies”, numa noite para beber à saúde da década que agora termina. Reveillon antecipado no Maxime. Os emergentes Youthless e a banda convidada Ur MA tratarão de rockar em palco, entre o aquecimento e o delírio noite dentro dos singles.
Atenção, Jandek vem a Lisboa! E a programação do Maria Matos continua em alta em 2010
· POR Nuno Catarino · 26 Nov 2009 · 13:03 ·
Jandek
Jandek

É a grande surpresa da programação do Teatro Maria Matos para o período de Janeiro a Abril de 2010: depois da passagem por Serralves, o inclassificável Jandek vai actuar em Lisboa, no dia 23 de Janeiro - uma produção em colaboração com a Filho Único. No entanto as revelações não se ficam por aqui: no dia 18 de Fevereiro actua o projecto Groupshow (Jan Jelinek, Hanno Leichtmann e Andrew Pekler); o canadiano Final Fantasy (Owen Pallett) actuará no dia 10 de Março; a 12 de Abril actuam os noruegueses Susanna and the Magical Orchestra; e no dia 24 de Abril é o regresso à electrónica, com Felix Kubin. Com estas propostas parece que a programação do Maria Matos vai continuar a manter o nível elevado a que nos habituou nos últimos tempos. Aproveitamos para lembrar que os menores de 30 pagam 5€ por qualquer espectáculo (despachai-vos, rapaziada).
Ariel Pink assina pela 4AD e oficializa a passagem do lo-fi à primeira divisão indie
· POR Pedro Rios · 25 Nov 2009 · 20:59 ·

Ariel Pink


Podia ser só uma notícia sobre uma nova contratação da 4AD, instituição da música independente, mas o facto carrega um significado maior do que isso. Ariel Pink e os seus The Haunted Graffiti estão a gravar o seu próximo disco, que deverá sair na Primavera de 2010 pela 4AD, editora de gente como os Blonde Redhead, The Breeders, Camera Obscura, TV on the Radio e Scott Walker - ou seja, a primeira liga do campeonato independente.

A notícia, anunciada pela 4AD, diz bem da importância de Pink na definição da actual música indie, em que as gravações lo-fi e o uso da pop como manancial infinito de explorações se tornaram norma (vide Ducktails, James Ferraro, Nite Jewel, etc.).

E esta notícia, que não surpreende o Bodyspace, que sempre acreditou que Pink era alguém fora do comum, é também um óptimo pretexto para recordar o assomo que é "For Kate I Wait":

If Lucy Fell e Jemima Stehli juntos no palco da ZDB
· POR Pedro Rios · 25 Nov 2009 · 18:20 ·
Galeria Miguel Nabinho

Os If Lucy Fell actuam esta sexta-feira, às 23h00, na Galeria Zé dos Bois (ZDB). Não é um concerto normal do grupo: terão como pano de fundo um vídeo gravado em tempo real pela artista Jemima Stehli com a qual têm trabalho ao longo do último ano em concertos e projectos de vídeo e fotografia.

"Jemima é uma artista plástica já com os seus 48 anos, australiana, a viver desde há muito em Inglaterra. Foi professora universitária e sempre fez o seu trabalho em paralelo", diz o baterista dos If Lucy Fell, Hélio Morais, ao Bodyspace.

A relação começou em 2005, depois de uma das intensíssimas actuações da banda em Vila Franca. "Depois de ver um concerto de Lucy em 2005, ficou intrigada pela [nossa] prestação", afirma o músico. "Apesar de não estar a pensar colaborar com eles, a energia impressionou-me bastante", conta Stehli, num texto divulgado pela ZDB.

A banda e a artista fizeram uma performance conjunta em Milão. "Ela filmava e gritava ordens para um outro performer se mover e vergar um acrílico enorme, de forma a ser possível ela filmar através do mesmo ou o nosso reflexo nele", conta Hélio Morais.

O espectáculo da ZDB não conta com um segundo performer. "[É] só a Jemima a filmar-nos, nua. Grande parte do seu trabalho sempre foi à volta da sua nudez", diz Morais.

Em breve, será editado um EP baseado numa performance de Milão. Diz Stehli: "A banda, impressionada pela forma como as minhas indicações afectavam o seu ritmo e tom, decidiu que a minha voz seria uma adição, tão estranha quanto interessante. Posteriormente, os If Lucy Fell voltaram a gravar alguns trechos em estúdio, de forma a parecesse uma peça musical e não a banda sonora de um vídeo."
Saúde! Os Aquaparque têm um novo teledisco
· POR Pedro Rios · 25 Nov 2009 · 14:19 ·


Os Aquaparque, autores de uma maravilhosa ponte entre a pop portuguesa dos anos 80 e a música sem amarras de uns Excepter ou Panda Bear, têm um novo teledisco, realizado por André Abel, metade do duo.

"Saúde", do álbum É isso aí, traz aquela poeira cósmica dos Animal Collective pós-Feels, característica traduzida em gravações abstractas (no final do vídeo aparecem Abel e Pedro Magina, o outro Aquaparque, sem grandes artifícios, a fitar-nos).

Até ao fim do ano, o duo vai tocar no lisboeta Musicbox (a 5 Dezembro, com o duo Sei Miguel/César Burago e os Tigrala) e em Vigo, em Espanha (a 18 Dezembro, no La Fabrica de Chocolate Club).
5º álbum dos Massive Attack ganha forma
· POR Rafael Santos · 25 Nov 2009 · 14:17 ·


Seis anos depois de 100th Window, um Best of pelo meio, um álbum anunciado há meses e uma primeira amostra editada há poucas semanas (o EP Splitting The Atom), foi finalmente – e através do blog da banda – divulgado o nome, a capa e o alinhamento do novo registo de originais da mítica banda de Bristol.

Intitulado Heligoland, o quinto álbum de estúdio da (agora) dupla Robert del Naja e Grant Marshall conta com a habitual presença da lenda viva da música da Jamaica Horace Andy – presença constante em todos os álbuns dos Massive Attack –, e um novo conjunto de convidados onde se destacam, entre outros, Martina Topley-Bird e Damon Albarn.

Depois de alguns adiamentos, prevê-se que Heligoland seja editado no dia 8 de Fevereiro de 2010. Aqui fica o alinhamento:

01- Pray for Rain feat. Tunde Adebimpe
02- Babel feat. Martina Topley-Bird
03- Splitting the Atom feat. Horace Andy
04- Girl I Love You feat. Horace Andy
05- Psyche feat. Martina Topley-Bird
06- Flat of the Blade feat. Guy Garvey
07- Paradise Circus feat. Hope Sandoval
08- Rush Minute
09- Saturday Come Slow feat. Damon Albarn
10- Atlas Air
Panda Bear prepara em Lisboa sucessor de Person Pitch
· POR Pedro Rios · 25 Nov 2009 · 11:48 ·
Panda Bear © Francisco Nogueira

Em entrevista à Pedestrian.tv, Noah Lennox, conhecido artisticamente como Panda Bear, deu algumas pistas do que poderá vir a ser o sucessor da obra-prima do que o anterior.

"Pensei muito sobre ele [o próximo disco] enquanto andámos a fazer as coisas relacionadas com o Merriweather [Post Pavillion, o disco deste ano dos Animal Collective]. Por isso, teve um longo processo de gestação na minha cabeça, mas começou a aparecer com mais força em Setembro. É algo assustador fazer algo completamente diferente, depois de ter andado a trabalhar em samples durante cinco ou seis anos", afirmou.

"Os ritmos são muito básicos e algo crus e simples, e são electrónicos. Não é instrumentação directa, ando a tocar guitarra, mas processo o som pelo mesmo aparelho onde tenho as sequências. É um som muito electrónico e muito baseado em voz", revelou.

No disco, ainda sem data de lançamento conhecida, haverá bateria, voz e guitarra, adiantou Lennox. Haverá "dois ou três elementos por canção" e o "tom será mais escuro" e "dramático ou romântico". Lennox ressalvou que as coisas podem mudar, já que não começou o processo há muito tempo.
Moritz Von Oswald Trio no Maria Matos
· POR Rafael Santos · 23 Nov 2009 · 18:34 ·

Moritz Von Oswald Trio


É já na próxima quarta-feira (dia 25 Novembro) que o trio de Mortiz Von Oswald assaltará o Teatro Maria Matos para uma sessão única de puro experimentalismo techno. Este projecto de música electrónica, que reúne o pioneiro alemão do dub techno minimal Mortiz Von Oswald (cara metade dos Basic Channel e dos Rhythm & Sound), o sempre activo Vladislav Delay (cabecilha responsável pelo som de Luomo ou Uusitalo) e Max Loderbauer (líder dos Sun Electric e NSI), comparecerá em Lisboa para apresentar ao vivo o excelente Vertical Ascent, editado via Honest Jon em meados deste ano. Fica desde já, e para quem já apreciou verdadeiramente as quatro surreais texturas do disco, uma viagem espacial repleta dos mais elementares fragmentos sonoros jazz, que em pequenos impulsos obrigam o ouvinte a entrar pelo quadrante mais seguro e integro do techno ambiental contemporâneo. Tudo devidamente doseado pelo mais obscuro dub. O espectáculo tem início pelas 22h00.
Primeira Escuta: Domingo No Quarto desvendam primeiras pistas na ZDB, com açúcar e com afecto
· POR Nuno Catarino · 21 Nov 2009 · 16:01 ·
De um lado está Mariana Ricardo, rosto dos míticos Pinhead Society, com passagem pelos München e que recentemente tem feito umas coisas bonitas a solo – a Merzbau editou a sua gravação de um concerto no Maxime (é muito recomendável e é grátis). Do outro lado está Manuel Dordio, óptimo guitarrista, membro dos Jesus the Misunderstood, colaborador de Walter Benjamin e de João Coração. Ricardo e Dordio são também os Brook Trout, a banda de apoio a Minta, e foi nos intervalos dos ensaios que descobriram a paixão mútua pelo samba. Resolveram criar um projecto a dois e chamaram-lhe “Domingo No Quarto”, desvirtuando a canção de Gilberto Gil. Entretanto Dordio mudou-se para Berlim, mas o projecto não esmoreceu. E na noite de sexta-feira, dia 20, tiveram a sua primeira apresentação pública, na ZDB - na primeira parte de Matteah Baim.

Manuel Dordio por Vera Marmelo
Manuel Dordio © Vera Marmelo


Pegando em clássicos do samba, a dupla faz interpretações límpidas, respeitando a aura dos originais. O trabalho do duo assemelha-se a um processo de joãogilbertização: reduz o tema ao esqueleto, recriando-o com sofisticação e realçando a elegância de cada composição. Dordio serve-se principalmente de uma guitarra eléctrica Gibson, tornando-se numa espécie de Wes Montgomery tropical e descontraído. Mariana Ricardo canta, acrescentando um leve sotaque brasileiro à sua voz algo distante ou blasé, e toca também o ukelele. Por vezes Mariana fica com a guitarra acústica e Dordio passa para a lap slide guitar, excelente nos acabamentos, fazendo-a até soar como uma cuíca. O concerto abriu com “Diz que fui por aí” (de Zé Keti e Hortêncio Rocha) e passou por clássicos de Cartola, Geraldo Pereira, Martinho da Vila, Nélson Sargento ou Paulinho da Viola. E pelo meio ainda houve um tema original – instrumental - de Dordio. Apesar do nervosismo de Mariana, deu para perceber que o projecto tem pernas para andar. Para já não há planos para gravações, mas dá para ir dando uma escuta no MySpace. Como testemunho visual da noite, aqui ficam as imagens da nossa fotógrafa favorita.

Manuel Dordio por Vera Marmelo
Mariana Ricardo © Vera Marmelo
Chuva no Porto, Long Way to Alaska e The Weatherman dentro
· POR André Gomes · 21 Nov 2009 · 15:42 ·
A festa de rua anunciada para hoje na Rua Galeria de Paris, no Porto, terá de passar para dentro do Cafe au Lait. Manda a chuva que mesmo assim não destruirá os sonhos pop de quem lá for para ver uma actuação de Weatherman e dos debutantes - estreia absoluta mesmo mesmo - Long Way to Alaska. As festividades começam por volta das 17:00.

Alexandre Monteiro, o Homem do Tempo, para ajustar as contas atmosféricas, vai mandar disto:

Old Jerusalem, Weatherman, Sizo, entre outros, prestam tributo ao sexo, hoje, no Passos Manuel
· POR Pedro Rios · 20 Nov 2009 · 18:26 ·

É um tributo sobre aquele tema universal e que a todos diz algo: o bem-bom, o roça-roça, o quentinho. O sexo, portanto.

Hoje, no Passos Manuel, no Porto, a partir das 23h00, há concertos-tributos ao dito cujo de Old Jerusalem, Sizo, Os Tornados, The Weatherman, Wingman, The Chamber, LittleFriend e outros convidados. O bilhete custa cinco euros.
Marçal dos Campos edita quatros CDs num único e a maior parte de vocês nunca ouviu falar nele
· POR André Gomes · 19 Nov 2009 · 23:41 ·
O portuense Marçal dos Campos não faz por menos. Ele que se diz influenciado por Irmãos Verdades, Helder Rei do KUDURO, Beethoven, Tracy Chapman, Pink e IDM, apresenta na Inc., selo de livros e edições de autor, no próximo sábado, uma edição especial de 100 exemplares, assinados e numerados, da sua Obra Completa-2005/09 com o título One Man One Reason. Trata-se de uma peça constituída por 4 CDs com mais de 40 temas [Nova Emoção (2006), Três Anos de Pop Sintético Ultra Melódico (2008), Hinos Para a Europa dos 27 (2008) e o novo One Man One Reason (2009)]. A capa tem desenhos de João Marçal e design do atelier Bolos Quentes.

Durante toda a apresentação desta edição (das 15h às 20h) decorrerá a performance One Man One Reason. Acontece tudo no próximo sábado no número 168 da Rua da Boa Nova, no Porto.
peixe : avião começam a gravar novo álbum em Dezembro
· POR Pedro Rios · 19 Nov 2009 · 19:31 ·
Os bracarenses peixe : avião vão lançar o seu segundo álbum no primeiro trimestre de 2010, disse o guitarrista Luís Fernandes (guitarras, teclas e electrónica) ao Bodyspace.

O sucessor de 40.02, ainda sem nome e editora definidos, vai ser gravado em Dezembro nos estúdios da Valentim de Carvalho, em Lisboa.

"Será gravado pelo Nélson Carvalho, que tem vindo a trabalhar connosco na sua produção desde Abril", revelou Luís Fernandes.

"O som da banda está mais maduro. Os temas são mais simples na forma e mais ricos no conteúdo", acrescentou. O álbum vai ainda contar com alguns músicos que a banda admira, mas que ainda estão no segredo dos deuses.

Enquanto o novo álbum não chega, pode-se sempre recordar 40.02. Através de "A espera é um arame", por exemplo:

Peixe:Avião - A Espera é um Arame from Bolos Quentes Design on Vimeo.

Jason Swinscoe cria Motion Audio Records
· POR Rafael Santos · 19 Nov 2009 · 17:59 ·

Jason Swinscoe


Há parcerias que despertam a atenção, como esta que junta o regente da Cinematic Orchestra, Jason Swinscoe, e o staff da Ninja Tune. O projecto consiste na união de forças na criação de uma nova editora onde um terá a responsabilidade em apostar nos músicos e os outros em distribuir o material editado. Dito de outra forma: a Motion Audio Records, assim se chama a plataforma editorial gerida por Swinscoe, será uma subsidiaria da Ninja Tune, muito à semelhança com o que já acontece com Big Dada e a Counter. Segundo Swinscoe, que durante a primeira fase de existência da Ninja Tune foi seu funcionário, a nova label não terá um estilo música definido, pretendendo-se essencialmente surpreender o público com puros sentimentos, com música feita do coração para o coração.

O primeiro trabalho a ser editado pela Motion Audio, já em Março do próximo ano, será o novo álbum de Lou Rhodes (ex-Lamb), entitulado One Good Thing. Como aperitivo, encontra-se já disponível no Sound Cloud uma promo com dois temas novos de Rhodes. Eis o que se pode descobrir neste momento:

Mayra Andrade ganha de novo prémio da Alemanha, à custa do belíssimo Storia, Storia...
· POR André Gomes · 18 Nov 2009 · 20:23 ·
Tal como aconteceu com o disco de estreia Navega, Storia, Storia..., o novo disco da doce Mayra Andrade, editado no nosso país em Junho deste ano, acaba de receber o prémio da Crítica Alemã. E isto é que é inédito: já que é a primeira vez que um artista recebe duas vezes este galardão. Podem consultar tudo aqui.

Mayra Andrade estará em Lisboa no próximo dia 23 de Novembro para actuar no V Fórum Parlamentar Ibero-Americano. Entretanto, e enquanto essa data não chega, podem ver aqui o volume 19 do site brasileiro Música de Bolso:

Rita Redshoes edita Golden Era lá fora, prepara novo disco para 2010
· POR André Gomes · 18 Nov 2009 · 01:21 ·
O sucesso de Golden Era, disco com canções de sensibilidade indie, foi muito em Portugal. Agora, no seguimento da participação de Rita Redshoes em acções internacionais durante este ano – em Janeiro, no Festival Eurosonic/Noordeslag na Holanda e em Março no mais do que conhecido SXSW no Texas, EUA - a artista dos sapatos vermelhos vê agora o seu disco de estreia Golden Era ser editado na Escandinávia através da Fading Ways.

Ao que parece, "The Beginning Song" e "Choose Love" já estão em rotação tanto na rádio dinamarquesa P4 (pertencente à Dansk Radio) como na sueca P3 (Sveriges Radio) – duas das rádios nórdicas com mais nome.

Neste momento, Rita Redshoes, que abandonou recentemente a banda de David Fonseca para se dedicar ao seu próprio trabalho, encontra-se neste momento em composição do seu próximo trabalho de originais com lançamento previsto para o primeiro semestre do próximo ano.

Aqui podem ver e ouvir o videoclipe para a canção "Choose Love", uma daquelas que já anda a aquecer os países nórdicos:

O Bodyspace tem o novo single dos queriduchos Beach House em exclusivo, os indies rejubilam
· POR André Gomes · 17 Nov 2009 · 22:08 ·

Beach House

Depois de dois discos verdadeiramente fofos (mas bons, com conteúdo, com capacidade para aguentar repetidas audições), e de dois concertos em Portugal muito elogiados, os Beach House bêm um novo disco a ser editado em Janeiro de 2010, chamado Teen Dream. E há já muita gente feliz pelo país e pelo mundo fora. Como se não chegasse estão a remasterizar o primeiro disco que deverá ser reeditado em breve. Podem acompanhar todas estas noticias fresquinhas no twitter da banda.

Mas o que nos trás aqui é mesmo o novo single dos Beach House, que estreamos em absoluto exclusivo no nosso Portugal, naquele leitor ali em baixo. Parece que Victoria Legrand e Alex Scally foram à Noruega e de lá voltaram com mais caixas de ritmos, mais vozes de embalar e aquela ideia de queimar de tempo que nos agrada tanto ao final do dia. Os Beach House armazenam e transportam memórias e melodias encantadoras, e às tantas não se pode pedir-lhes mais do que isso. Forcinha: estes podem muito bem ser os melhores quatro minutos e cinco segundos deste vosso dia que agora termina.

Beach House - Norway [mp3]

Real Estate estreiam-se em Portugal em Fevereiro
· POR Pedro Rios · 17 Nov 2009 · 14:25 ·

Real Estate


Os Real Estate, cujo álbum de estreia tem causado burburinho um pouco por todo o lado, vêm a Portugal em Fevereiro de 2010: actuam no Via Club, em Coimbra, a 18 de Fevereiro; no Plano B, no Porto, no dia 19; e na Zé dos Bois, em Lisboa, no dia 20.

Na ZDB, a banda de Matt Mondanile (o senhor Ducktails) terá na primeira parte U.S. Girls, projecto de Megan Remy, criadora de fantasmagorias alinháveis em espírito com Grouper.

Ouçam "Fake Blues", provavelmente a melhor canção dos Real Estate (banda com o nome menos amigo do Google da história da música pop?):

Duas maneiras de recordar Jerry Fuchs
· POR Rodrigo Nogueira · 17 Nov 2009 · 12:20 ·
Jerry Fuchs tocava com os !!!, os Juan MacLean, os Maserati e os Turing Machine e morreu na semana passada, num acidente de elevador. O que é estranho. Para recordá-lo:


The Juan MacLean - Happy House (ao vivo em Chicago, e talvez uma das canções da década)


Alegria de viver e tocar bombo com pedal duplo na Suíça, depois de um engano (do blog dos Holy Ghost!, banda incrível à qual pertence um dos amigos que o encontrou morto).
Noite Pop Deluxe dá vida a um Teatro Sá da Bandeira lamentavelmente à venda
· POR André Gomes · 16 Nov 2009 · 22:23 ·
O concerto acontece no dia 4 de Dezembro, no Teatro Sá da Bandeira, no Porto. É a noite Pop Deluxe com Patrick Watson, Piano Magic e The Invisible, os protagonistas de uma noite que compete directamente com o Clubbing da Casa da Música que apresenta nesse mês Hercules and the love Affair e Kap Bambino.

Patrick Watson é vencedor do Polar Muzic Prize e vem a Portugal pela segunda vez depois de um concerto que dizem ter sido memorável na Aula Magna em 2008. Os Piano Magic andam a espalhar brasas desde 2001 e chegam ao porto para apresentar o seu mais recente disco Ovations, que conta com a participação especial de Brendy Perry, dos Dead Can Dance. Os britânicos The Invisible, esses sim, actuam pela primeira vez em território luso para apresentar o seu disco de estreia. Os bilhetes já estão à venda na rede Ticketline (www.ticketline.pt), Fnac, ABEP e Teatro Sá da Bandeira por 20 euros em venda antecipada. No dia do espectáculo custam 25. No Teatro Sá da Bandeira, está também à venda um lote especial de 100 bilhetes para duas pessoas, no valor de 35 euros. Para os pombinhos, claro.

Para ouvirem Patrick Watson com "The Great Escape" é só clicar ali na janela para o mundo:

Ui-que-bom, a Amazon já dá uns segundos de cada canção de Fall Be Kind
· POR Pedro Rios · 14 Nov 2009 · 13:09 ·
OK, admito: numa era em que parece já não haver espaço para ser fanboy, a minha excepção são os Animal Collective. Daí que o que não seria notícia com bandas compostas por meros mortais - a Amazon deixa ouvir uns excertos de Fall Be Kind (EP com edição digital marcada para o próximo dia 23 e em formato físico para 15 de Dezembro, pela Domino) - passa a ser. Os cépticos e cínicos podem sempre fechar esta página.

O que é que ouvimos? "Graze" lembra a efervescência hormonal de Feels. "What Would I Want? Sky", o único tema do mundo a "samplar" legalmente Grateful Dead, já tem sido tocada pela banda e é uma enorme canção, que lembra o falso-tropical dos High Places. Bleed desacelera e promete ser uma daquelas canções em que a ligação Avey Tare-Panda Bear raia o perfeito. On a Highway também é sossegada e de "I Think I Can" só conseguimos ouvir uma frase dançável de sintetizadores. Claro que estamos a falar de segundos e o EP pode não ter nada a ver com isto. Mas são boas e excitantes pistas.

Entretanto, no capítulo das notícias a sério, já há teledisco para "In the Flowers", a primeira canção de Merriweather Post Pavilion (2009), realizado por Abby Portner:

Bodyspace percorre os singles da década no Cabaret Maxime. Youthless e Ur MA fazem também a festa
· POR Miguel Arsénio · 14 Nov 2009 · 12:08 ·


Depois de gloriosa primeira-mão, no Porto, o Bodyspace fará desfilar a sua selecção de 50 Melhores Singles dos 00, no dia 27 de Novembro, e, desta vez, no Cabaret Maxime de Lisboa. As mesmas canções mudam conforme a vibração do lugar e os braços erguidos de quem as dança. A porta fica também aberta para alguns temas que não surgiram entre os 50 só por azar. Estão garantidos os inevitáveis “bangers”, assim como canções perfeitas para pedir alguém em casamento (“Maple Leaves”, “Playground Love”). Os DJs de serviço, Rodrigo Nogueira (um terço de CIMENTO.) e Miguel Arsénio (DJ Piratinha), são dois jovens anafadinhos e barbudos, que – surpreendentemente - nunca apresentaram programas de televisão. Jay-Z e Nas finalmente reconciliados numa “Dead Presidents”, que é, afinal, a vida revisitada de “All The Single Ladies”, numa noite para beber à saúde da década que agora termina. Reveillon antecipado no Maxime. Os emergentes Youthless e a banda convidada Ur MA tratarão de rockar em palco, entre o aquecimento e o delírio noite dentro dos singles.
Lado B de Brothersport abre o apetite para o próximo EP dos Animal Collective
· POR Pedro Rios · 13 Nov 2009 · 00:28 ·
É uma alegria "dois em um": "Bleeding (live from Big Sur)", o lado B do 10'' Brothersport, acabadinho de editar pela Domino, é um óptimo tema de pleno direito (gravado ao vivo) e junta pedaços de duas canções que vão figurar no próximo EP da banda, Fall Be Kind (com edição digital marcada para o próximo dia 23 e em formato físico para 15 de Dezembro, pela Domino).

"Bleeding", gravada em Big Sur, Califórnia, é uma jam com pedaços de "Bleed" e "What Would I Want? Sky", dois temas que vão surgir no EP, e improvisação à mistura.

Há vozes e ruídos encharcados em eco, as dinâmicas vocais de Avey Tare e Panda Bear, num todo mais fracturado do que o colossal Merriweather Post Pavilion, um melhores dos discos do ano e da década.

Em "Bleeding", nota-se que os Collective estão a apalpar terreno à medida que caminham. Lembra a excitação dos primeiros discos da banda, mais pela liberdade do que pela estética, sob a batuta do saber fazer que adquiriram.

Eis a canção (via i guess i'm floating).

Animal Collective - Bleeding (live from Big Sur) [mp3]

Novo elevador da Fabric dá boleia aos Octa Push
· POR Rafael Santos · 12 Nov 2009 · 13:57 ·


Os manos de Carcavelos somam e seguem. Depois de confirmada a presença no alinhamento de Steppa's Delight 2 da Soul Jazz Records, vez agora de serem incluídos na lista de convocados da nova compilação da Fabric: Elevator Music. O primeiro tomo da nova série, é temático e nasce com o propósito de divulgar temas nunca antes editados de produtores ligados ao dubstep, e à chamada bass music em geral, como Untold, Martyn ou Caspa & Rusko.

O volume 1 será editado em Janeiro de 2010 e promete ser o primeiro entre muitos. Esta foi garantia dada pelo Relações Públicas da Fabric, Graham Best, que afirmou ainda que esta série será abrangente o máximo possível, tentando assim apelar ao maior número de melómanos que acompanham as mais diversas tendências da música de dança.

Eis os convocados do primeiro volume:

01. Hot City - If That's How I Feel
02. xxxy - Sing With Us
03. Doc Daneeka - Drums In The Deep
04. Hackman - Pistol. In Your Pocket
05. Julio Bashmore - The Moth
06. Untold - Bad Girls
07. Octa Push - Doctor Bayard
08. Shortstuff - Behave
09. Skinnz - Ukraine
10. Mosca - Gold Bricks, I See You
11. Martyn - Friedrichstrasse
12. Vista - Elixir
13. Caspa & Rusko - One Of The Same
14. Om Unit - Encoded
15. Starkey - Black Monolith
16. Shortstuff & Brackles - Melvin Blue (Digital Bonus Track)
Sasha Grey em Portugal para apresentar The Girlfriend Experience
· POR Miguel Arsénio · 11 Nov 2009 · 20:38 ·
Mãos atrás das costas, pornógrafos de todo o país, porque Sasha Grey deve estar a qualquer momento a pisar o aeroporto da Portela. Santana Lopes terá de nos perdoar a ligação em directo, porque o caso é para tal: Sasha Grey é a destemida porn-star sempre armada com um parecer inteligente sobre a indústria que criou a internet. Depois de ter respondido a algumas perguntas do André (na música, a jovem dá-se com figuras notáveis como Lee “Scratch” Perry), Sasha Grey tem ocupado a sua agenda com tórridos girl on girl e iniciativas de promoção de The Girlfriend Experience, o novo filme de Soderbergh, em que se estreou como actriz legítima. Será esse último motivo aquele que a trará já amanhã, 12 de Novembro, até ao Centro de Congressos do Estoril, por ocasião do Estoril Film Festival. O Bodyspace não sabe se ainda existem bilhetes disponíveis, mas lá estará para avaliar o desempenho oral de Sasha Grey.

Além dos vídeos disponíveis nos sites da especialidade, Sasha Grey participa também noutros que podem ser visionados em família:

Black Lips hoje na Caixa Económica Operária
· POR Rodrigo Nogueira · 11 Nov 2009 · 15:28 ·
Com os Sticks na primeira parte e um DJ set do Cole Alexander no fim. A pergunta que se impõe é: quanto é que é custa a imperial na Caixa Económica Operária?

É aproximadamente isto que teremos todos a oportunidade de ver:

A névoa de Grouper no Porto e em Lisboa
· POR Pedro Rios · 11 Nov 2009 · 12:35 ·


Grouper é uma das figuras mais especiais da actual cena independente. Cavou um espaço seu, onde constrói canções habitadas por névoa, fantasmas, solidão. Rejeita clichés: não é música que se diverte a cortar pulsos; não é folk, apesar da simplicidade, da guitarra acústica e de se centrar na voz de Liz Harris; não é dissonante, como tantos colegas experimentais, mas só se aproxima da melodia por vias travessas.

Ela actua hoje no Plano B (às 21h30, bilhetes a 12 euros) e amanhã na ZDB (às 22h00, também a 12 euros). Em ambas as noites, há ainda concertos de Norberto Lobo, mago português da guitarra, Tiny Vipers, folk não reverente, que "procura o encantamento e o transe” ("New York Times"), e Inca Ore, inclassificável agente da música livre contemporânea.
Os Them Crooked Vultures têm um disco e fazem questão de o mostrar a toda a gente
· POR André Gomes · 11 Nov 2009 · 00:31 ·


O super grupo Them Crooked Vultures, ou seja, Dave Grohl, Joshua Homme e John Paul Jones, confirmaram a data de 16 de Novembro como sendo o dia do lançamento do seu álbum homónimo de estreia pela RCA Records. E, coisa bonita, abriram uma continha no Youtube para mostrar todas as canções do álbum. É possível apanhar a coisa por tempo indeterminado (se calhar até há data marcada para sair do ar, nós é que sinceramente não sabemos) seguindo este link.

O álbum, com produção de autor, apresenta 13 faixas e tem vindo a despertar toda a atenção do mundo (OK, se calhar exageramos) desde que neles se falou e desde que se apresentaram em estreia a 9 de Agosto, na sala Cabaret Metro, em Chicago. Seguiu-se uma série de espectáculos durante uma mão cheia de cidades no Reino Unido e resto da Europa. Depois chegaram os States. Um dia destes chegam aqui, quem sabe, mais depressa do que a reunião dos Led Zeppelin.
Joe Lovano acidentado
· POR Nuno Catarino · 09 Nov 2009 · 10:08 ·
A notícia chegou via web 2.0. Através do seu twitter o saxofonista americano Joe Lovano informou que partiu os braços num acidente, pelo que teve de cancelar todos os espectáculos até ao final do ano. O acidente aconteceu aqui ao lado, em Espanha, e o músico falhou as actuações previstas para Madrid e Barcelona. Quem se deslocou ao Seixal Jazz, no passado dia 21 de Outubro ainda teve a sorte de assistir a um belo concerto do azarado saxofonista com o seu grupo US Five. Aqui fica a sua mensagem original: “I'm okay. In a freak accident, I fell and somehow broke both arms. Had to cancel all gigs through the end of the year. I'll be back soon!”.

O site oficial confirma a informação, avançando mais detalhes: “Dear Friends: Joe has been on tour in Europe for the last several weeks, first with his fantastic new ensemble, Us Five, following that with several festival shows with his acclaimed Nonet. In late October Joe had an unfortunate accident and suffered two broken arms which required surgery to repair. The procedure has since been completed and Joe is resting comfortably in a Barcelona hospital. He will make a full recovery in a few weeks and deeply regrets having to cancel all his shows during November and December. Joe will be back in action in January and fully intends to keep his non-stop schedule flowing as always. Thanks for all your good wishes!” Põe-te bom depressa, Joe! E vê lá se para o ano passas por aqui outra vez.
A "agricultura celestial"* de Mark McGuire, Stellar Om Source e Steve Hauschildt no Porto e em Coimbra
· POR Pedro Rios · 08 Nov 2009 · 23:28 ·
Depois de terem actuado na Galeria Zé dos Bois, a trupe cósmica (dois Emeralds, a banda que ainda não desiludiu no que toca à revisitação da música de sintetizadores que a Alemanha gerou nos anos 1970, e Stellar Om Source, algures entre a new age e a kosmische musik) actua amanhã no Porto e terça-feira em Coimbra.

O concerto do Porto é no espaço Cavalo Branco, vulgo "casa dos organizadores", começa às 19h00 e tem entrada livre (se bem que se aconselha a doação para suportar os custos da deslocação aos simpáticos músicos). Os três músicos tocam no dia seguinte, no Via Club, em Coimbra, às 24h00.

* recorremos à expressão de Matt Valentine para designar a sua música. Cai muito bem neste trio de exploradores.

Entretanto, atentem no domínio de Christelle Gualdi, em Angers, França, no passado mês de Outubro:

Matt Valentine e Erika Elder actuam em Portugal em Fevereiro
· POR Pedro Rios · 08 Nov 2009 · 14:50 ·

Matt Valentine Erika Elder


Matt Valentine e Erika Elder actuam em Portugal em Fevereiro de 2010. Segundo o site da Ecstatic Peace, a editora de Thurston Moore que assegura a edição do novo Barn Nova, o duo (muito provavelmente acompanhado pela Golden Road, que toca no disco) termina uma digressão europeia com três possíveis datas em Portugal: a 25 de Fevereiro no Museu do Chiado, em Lisboa, e nos dois dias seguintes em duas datas a confirmar.

Aqui fica "Summer Magic" de Barn Nova:

MV & EE - Summer Magic [mp3]

A BBC Four preparou um documentário sobre o Krautrock e esta pode bem ser a melhor proposta para o vosso fim-de-semana
· POR André Gomes · 07 Nov 2009 · 15:48 ·
Chama-se Krautrock: The Rebirth of Germany, foi realizado pela BBC Four e relata o nascimento do krautrock, que gerou bandas como os Can, Faust, Neu! e Kraftwerk como (ou terá sido ao contrário?), e é um maravilhoso documentário para confirmar ou descobrir um dos períodos mais férteis da história da música. A boa notícia é que pode ser visto no conforto do vosso lar sem terem sequer de sair desta casa - e da vossa.

Minta toma o lugar de Rita Redshoes na banda de David Fonseca e não podia estar mais feliz com isso
· POR André Gomes · 07 Nov 2009 · 12:51 ·
Minta por Gonçalo Franco
© Gonçalo Franco

A Blitz já tinha anunciado na sua versão online, Minta, que é na verdade Francisca Cortesão, que lançou há não muito tempo o disco Minta & The Brook Trout, foi a escolhida para substituir Rita Redshoes na banda de David Fonseca. Ao Bodyspace Francisca Cortesão conta como: «candidatei-me, como as outras pessoas, através do mail que foi anunciado no blog do David. E felizmente fui a escolhida». É esta a beleza da democracia, estendida neste caso à música.

Francisca Cortesão não esconde a felicidade pela oportunidade que tem à frente: «estou muito contente por várias razões: pela oportunidade de tocar músicas que não as minhas, por me religar ao piano, que tinha deixado de lado, por poder fazer coisas musicalmente que estão bastante distantes daquilo que costumo fazer, por poder tocar com um grupo excepcional de músicos e ter acesso a sítios a que dificilmente chegaria com Minta. Não sei bem o que isto representa para a minha carreira, vamos andando e vamos vendo. Minta continua, claro».

Os próximos capítulos da aventura de Minta estão quase a chegar mas entretanto vale mesmo a pena deitar ouvidos ao seu disco de estreia a solo, que deverá marcar presença nas listas de melhores discos deste 2009 que caminha vertiginosamente para o fim.
Tiago Sousa tem novo disco e nós temos um dos seus novos temas para audição exclusiva
· POR André Gomes · 06 Nov 2009 · 22:40 ·
© Vera Marmelo

Acabou a Merzbau mas Tiago Sousa continua a dar o seu contributo pela música. Chegará muito em breve o terceiro disco do músico que vive no Barreiro, Insónia, e será editado pela editora alemã Humming Conch. O disco, sabemos, vive quase exclusivamente do piano, e conta com algumas aparições de bateria ou de clarinete, cortesia dos músicos convidados João Correia e Ricardo Ribeiro. Insónia foi gravado no início de 2009 por Geoffrey Mulder e masterizado pelo músico Taylor Deupree, conhecido pelo seu trabalho na editora 12 Rec. Para este trabalho de Tiago Sousa fala-se de "deambulações marcadamente impressionistas com ecos de Debussy ou de Chopin e o savoir-faire que faz de pequenas e simples melodias hinos acabados de meditação e recolhimento". Mas antes que o novo disco chegue (tem data marcada para 16 de Novembro), o Bodyspace encena a estreia mundial de um dos temas de Insónia. É só clicar ali no simpático player para ouvir "Reflexo".

Tiago Sousa - Reflexo [mp3]

Valete reage à demissão de Paulo Bento e fala de novo álbum em exclusivo ao Bodyspace
· POR Miguel Arsénio · 06 Nov 2009 · 16:57 ·
Quando a notícia desta manhã dava como certa a demissão do treinador Paulo Bento, na continuidade de um rol de maus resultados desportivos obtidos no comando técnico do Sporting, “Baza Correr com o Paulo Bento”, o ataque verbalizado pelo MC Valete, ganhou uma nova leitura e contornos proféticos. Depois da razia, que se escutava nesse discurso de contestação, Valete faz agora uma avaliação construtiva da saída de Paulo Bento: (…) parecia eminente, a equipa jogava mal e sentia-se nela muita debilidade emocional. Mas eu acho que, se essa debilidade emocional fosse ultrapassada, a equipa poderia recuperar bem. Ao contrário do que andavam a dizer, eu não acho que o Sporting tem uma equipa fraca. A equipa não jogava bem, mas a certa altura do ano passado o Paulo Bento conseguiu fazer do Sporting uma equipa compacta e difícil de bater, acho que ele só precisava de acertar no 11 tipo, fazer uma ou outra alteração que a equipa poderia voltar a ter bons resultados.

Sobre o impacto de “Baza correr com o Paulo Bento”, aquando do seu lançamento no início de 2008, o MC acrescenta: Foi apenas a reprodução através de uma música de aquilo que os adeptos estavam a sentir na altura. E tem-se falado muito desta época, mas provavelmente o Sporting nunca jogou tão mal como jogou na época 2007-2008. O Paulo Bento teve muitos méritos sem dúvida nenhuma, mas também é preciso dizer que beneficiou muito de uma época de caos desportivo que estava a viver o Benfica. Além disso, Valete rejeita a validade do tema no enquadramento das suas actuações ao vivo: Nunca actuaria esse som ao vivo. Para mim aquilo foi apenas um som de momento que eu tinha a perfeita noção que seria temporal. O som nem sequer tinha validade enquanto o Paulo Bento estivesse no Sporting, porque o som relata aquele momento da época de 2007-2008, e até fala de jogadores que já nem estão no Sporting. Acho que depois dessa altura o Sporting até melhorou.

Ficamos assim esclarecidos em relação ao Sporting, mas a conversa passou ainda pelo álbum, que irá suceder a Serviço Público (2006): Estou a acabar um álbum novo, e que será duplo. O álbum vai-se chamar Homo-Libero, uma expressão do latim que quer dizer Homem Livre. É um álbum conceptual que falará muito duma necessária libertação individual e colectiva que precisamos fazer para podermos ser realmente felizes. O sentido da vida é a felicidade. O álbum também é uma sugestão para o próximo estágio da evolução humana, onde passaríamos do Homo Sapiens, para este Homo Libero. Um homem elevado e verdadeiramente emancipado. Temos libero então.

O vídeo de “Baza correr com o Paulo Bento” continua em rotação no You Tube:

Buraka Som Sistema compilam Fabriclive.49
· POR Rafael Santos · 06 Nov 2009 · 11:23 ·
Quem disse que não havia mais-valia entre nós? Quem disse que a qualidade do que exportamos está uns furos a baixo do que se produz lá fora lá? Fodam-se essas almas mesquinhas que não põe os olhos sobre alguns dos nossos melhores valores: os Octa Push ou os Buraka Som Sistema, como flagrante exemplo. Especialmente os Buraka que não param de demonstrar que podem ser tão bons (ou melhores) que muitos que por aí se dedicam ao mesmo oficio.

Isto tudo para dizer que com um pouco de determinação, um punhado de ideias válidas – e sim, também com uma boa dose de sorte – é possível subir aos palcos de divulgação mais privilegiados. Se os Octa Push conseguiram um lugar no alinhamento de Steppa’s Delight da Soul Jazz, era inevitável, mais dia menos dia, os Buraka Som Sistema compilarem um Fabric (nome do local de um dos mais desejados clubes de Londres). E é mesmo isso que já aconteceu. A um mês de estar nas lojas, o próximo volume de Fabriclive, o número 49 na série, será mesmo da responsabilidade de Andro Carvalho, João Barbosa e Rui Pité. O alinhamento, que abre espaço a alguns produtores de kuduro e dubstep, já é conhecido, e é este que passamos a descrever:

01. Dre Skull – Gone Too Far Ft Sizzla (Buraka Som Sistema Remix)
02. Buraka Som Sistema – General (Stenchman Mix)
03. Buraka Som Sistema – General (L-VIS 1990 Mix)
04. Ku Bo Ft Anbuley - Tsu Bo
05. DJ Znobia – Pausa
06. Buraka Som Sistema – Kurum (Roulet Mix)
07. Seductive - Underground Sound
08. Diplo & Laidback Luke – Hey
09. Buraka Som Sistema – IC19 (A1 Bassline Attack Mix)
10. L-VIS 1990 - United Groove (Buraka Som Sistema Remix)
11. Skream – Fick
12. DJ Riot – Mermaid Dub
13. Zomby – Dynamite Sandwich
14. Crime Mob – Rock Yo Hips Ft Lil Scrappy
15. DJ Znobia – Danca Da Mae Ju (Buraka Som Sistema Edit)
16. Batida - Bazuka (Quem Me Rusgou?)
17. Yolanda Be Cool - Afro Nuts (Douster Remix)
18. Solo – Joga Bola
19. Buraka Som Sistema Feat Deize Tigrona – Aqui Para Voces (Buratronic Mix By Buraka Som Sistema)
20. Djedjotronic - Gum Attack
21. Harvard Bass – Caked / Buraka Som Sistema Feat Pongolove – Kalema (Wegue Wegue) Acapella
22. Mastiksoul – Run For Cover (Dub Mix)
23. Nova Lima – Machete
24. DJ Malvado - Puto Mekie
25. Buraka Som Sistema – Luanda-Lisboa (Nic Sarno Mix)
26. SonicC - Stickin
27. Major Lazer – Bruk Out (Buraka Som Sistema Mix)
28. Buraka Som Sistema Feat Bruno M – Tiroza (Bert On Beats Remix)
Um Novembro em grande para os Octa Push
· POR Rafael Santos · 04 Nov 2009 · 00:01 ·
Octa Push

Os Octa Push são portugueses. Quem tivesse dúvidas quanto à nacionalidade, está esclarecido. E mesmo que sejam mais conhecidos lá fora, também não há grandes ambiguidades em relação à localidade onde começaram as suas actividades. Foi em Carcavelos que os manos Mushug e Dizzycutter refogaram a miscelânea sonora (que congrega na sua matriz o dubstep e o dancehall) que lhes deu passagem para conceituados eventos como o Sónar (em Barcelona) ou o Amsterdam Dance Event, não esquecendo a presença num dos mais desejados clubes de Londres: o Fabric.

Muitos dirão nada de novo, é certo. O que fica desde já é a particularidade de mais passo que projecta o nome Octa Push para o lugar cimeiro dos nomes a ter em atenção nos próximos tempos. Além de garantida a participação com um tema ("Quebu Sabe") no segundo volume de Steppa's Delight, uma antologia da responsabilidade da Soul Jazz Records, a dupla vê ainda o mesmo tema ser objecto de edição em 12”, também pela mão da mesma editora. Um privilegio, portanto.

Muito antes da Soul Jazz lhes ter posto a vista em cima, houve quem tenha apostado na sonoridade da dupla sem preconceito. Seria uma completa irresponsabilidade nossa não fazer qualquer referência à plataforma editorial da Iberian Records (com sede em Lisboa e Barcelona) que permitiu a Mushug e Dizzycutter a merecida projecção através de algumas edições físicas em formato de 12".

Para verem que não há fumo sem fogo, e que o hype é real, realizar-se-á hoje à noite (dia 4 de Novembro) a festa de lançamento do novo EP dos Octa Push, a ser editado no dia 9 deste mesmo mês. A festa irá realizar-se no Clube Rua no Bairro Alto (Lisboa) e além da óbvia participação dos Octa Push num live-act, o evento contará também com os DJ sets de Unidade Sonora (Conspira) e Nsekt.

Aproveitamos, em nome da divulgação, para deixar aqui uma promo-mix (download gratuito) onde poderão regozijar-se com o som dos Octa Push e confirmar as suspeitas positivas que ficaram na redacção do Bodyspace.

Para ouvir de imediato: “Deixa” com Toni Clean, tema de abertura do novo EP da dupla de Carcavelos:

Gajo dos Titus Andronicus obriga-te a olhar para dentro e reflectir sobre a tua vida
· POR Rodrigo Nogueira · 03 Nov 2009 · 11:07 ·
O que é que tu fizeste no Halloween? Vá, pronto, no Dia das Bruxas, que isto é em português. Embebedaste-te como noutro sábado qualquer e, consequentemente, disseste ou fizeste algo de que te arrependes agora. Isto, claro, se te lembrares do que foi. Provavelmente nem sequer te mascaraste porque isso não é bem tradição por cá. Mas há quem tenha feito muito mais. Muito mais. A Vice – que tem uma congénere portuguesa que ainda não faz estas coisas –, por exemplo, deu uma festa em Brooklyn. Onde tocaram os Bad Brains, os Jesus Lizard e os Titus Andronicus. E era uma festa temática. O tema? 1994. Como era uma festa temática, os Titus Andronicus decidiram fazer um concerto em que só tocaram versões dos Weezer. O que, diga-se de passagem, é o melhor conceito de todo o sempre. Brilhante. Estamos a falar de 1994, e pensar em 1994 e não ver azul é basicamente ser daltónico.

Mas aconteceu algo não muito bonito nessa festa. Patrick Stickles, guitarrista e vocalista dos Titus Andronicus, não gostou nada do ambiente. Saiu para acompanhar o seu engate à saída – diz que não a trataram nada bem – e depois tentou voltar e foi barrado à porta por ter uma bandeira dos Estados Unidos a fazer parte da máscara dele. Isso e estar a usar collants. Um idiota qualquer de um segurança deu-lhe porrada. Tal e qual os gajos que lhe batiam no liceu porque ele era "diferente". Lembras-te dos teus anos de liceu? Também apanhavas porrada? Agora és rei? Será que isso mudou assim tanto? Teve de entrar pela porta de trás ou algo parecido. Estar a resumir isto é aborrecido. É provável que nem queiras saber dos Titus Andronicus (poucos de nós querem). São só mais uns tipos, putos, jovens, etc., que tocam canções rápidas e barulhentas e não se percebe nada do que estão a dizer. Uns punks modernos, pronto. O que interessa mesmo é que o tipo escreveu no blog deles um óptimo texto sobre a noite. Disse mal dos Bad Brains e como deram um concerto aborrecido sem sequer se esforçarem porque se drogam imenso, entre outras coisas. Falou sobre como, por dinheiro, aguentou a festa toda. Sobre como os tipos que lhe bateram são como os tipos que lhe batiam no liceu. Isto num sítio em que é suposto ele, como hipster ou o caraças, ser rei. Reflectiu sobre a vida hedonista desta juventude, das drogas, da música alta, das fotografias para pôr no Flickr e no Facebook, das drogas, da bebida, das saídas nocturnas e do caraças. O que é que isto tudo quer dizer? Será que vale tudo a pena? Que exemplo estás a dar à próxima geração? Aos putos que andam a crescer com o Twilight e a exaltação da abstinência e da beleza extrema (e o facto de o filme ser para adolescentes mas não ter piadas nenhumas, foda-se, a vida é uma merda e o caraças, mas porque é que não podemos rir-nos disso, que é isso que é preciso e que forma o carácter?). Essa geração de putos que não sabem rir também vai estar perdida e a culpa é tua.

Pensa bem nisso. Não são os Black Lips (e que se deixe isto bem claro: Black Lips > outras bandas destas) que vêm cá para a semana (dia 11 na Caixa Económica Operária)? Já deves estar a sujar ainda mais os teus ténis, a pôr as tuas skinny jeans a cheirar mal e talvez a deixar crescer um bigode ou algo do género e, se for essa a tua chávena de chá, a ligar ao teu dealer para teres todas as tuas drogas favoritas nessa noite. Vais embebedar-te? Fixe, provavelmente eu também. Mas pensa um bocado. Dá graças (a Deus ou à dupla Gomes) por Lisboa, pelo menos, raramente ter porteiros assim nos concertos que curtes. E será que o gajo dos Titus Andronicus vai continuar a fazer textos destes? Qualquer dia é o novo Carles.
Morreu António Sérgio, o homem de "quando a rádio era rádio"
· POR Pedro Rios · 01 Nov 2009 · 14:11 ·
Morreu António Sérgio, um dos maiores nomes da rádio portuguesa – da rádio que não sucumbiu às mecânicas playlists, à ditadura do fácil. Deu mais de 40 anos da sua vida a esse meio. Morreu António Sérgio, "o John Peel português", senhor do "Som da Frente", d’"A Hora do Lobo", do "Lança-Chamas", dos primeiros momentos do punk (lançou a Rotação, que editou Sémen, o primeiro single dos Xutos & Pontapés) e do pós-punk em Portugal.

Recorramos a Miguel Esteves Cardoso, em artigo de 2007 no "Público" (PDF), a propósito da última emissão do programa "A Hora do Lobo" na Rádio Comercial: "António Sérgio nunca esteve bem em qualquer estação de rádio. Mesmo quando a rádio era rádio. Porque António Sérgio é uma estação de rádio andante e uma estação não cabe noutra estação".

Morreu no passado sábado à noite, vítima de ataque cardíaco. Tinha 59 anos. O velório realiza-se a partir das 18h00, na Basílica da Estrela, em Lisboa.

As reacções de pesar estão um pouco por todo o lado. Eis algumas:

"O Mestre deixou-nos hoje de manhã, vítima de ataque cardíaco. (...) A seu pedido e da sua família, a sua voz continuará a ouvir-se na Radar. Estamos sem palavras" - Radar

"Gostava da paixão sereníssima daquela voz, daquela selecção irrepreensível, emocionava-me e aprendia. Recentemente encontrava-o às vezes no Snob, ao balcão, e por timidez não lhe agradecia, nunca lhe agradeci, e agora é tarde, ou talvez não seja". Pedro Mexia

"Foi com ele que aprendi a ouvir música. Obrigado, Sérgio." Nuno Galopim

Parceiros