Noites Ritual Rock 2005
Jardins do Palácio de Cristal, Porto
26-27 Ago 2005

Eis que chegou Agosto, um mês depois do primeiro grande festival de Verão (Vilar de Mouros) ter arrancado. E já vão 14 anos em que o final de Agosto é sinónimo de Noites Ritual Rock, um certame dedicado exclusivamente à música feita em Portugal. À primeira vista, uma divisão: um palco com nomes mais ou menos confirmados/consagrados/conhecidos (escolher a, b ou c) e um outro para bandas cujos nomes não são ainda tão sonantes, ou porque pertencem a um circuito mais independente, ou porque ainda estão a dar os primeiros passos. Mas numa visão mais atenta e pormenorizada, era possível perceber outra divisão no que diz respeito ao palco principal: uma primeira noite de sons mais dançáveis (música electrónica, de cariz mais ou menos poético, ou o funk) e uma segunda dedicada às guitarras e ao rock com mais ou menos roll.

Mas cumprem-se os rituais, então. O ritual de imaginar ou saber que o palco (digamos) secundário pode ser o trampolim para o palco principal num futuro próximo - para isso é preciso perceber, numa jogada de quase totoloto, aqueles que são merecedores de tal promoção. O ritual curioso de ver toda a gente correr de um lado para o outro no final das actuações, procurando não perder um segundo que seja do que se está a passar em ambos os palcos.
Cabia a Complicado, o projecto de Miguel Gomes dos Mindelo (também conhecido por acompanhar Francisco Silva/Old Jerusalem ou os Neon Road), abrir a noite de sexta-feira para mais uma apresentação de Haunted, o disco de estreia editado pela Bor Land. Cabia, mas de Complicado nada se ouviu, uma vez que o concerto foi cancelado, reduzindo para duas as propostas do selo nortenho. Com efeito, foi mesmo no palco principal que tudo começou, com os lisboetas Wordsong, o projecto responsável por musicar os poemas de Al Berto e, mais recentemente, de Fernando Pessoa, independentemente dos heterónimos (houve até uma passagem pelo poema “Opiário”). Mas pode-se mesmo dizer que o início do concerto foi algo complicado, uma vez que questões técnicas causaram problemas logo ao começar. Uma vez começado o concerto, tornou-se claro – se ainda não tinha ficado com o disco – que as criações ou recriações dos Wordsong e a mistura que dali resulta (as palavras inseridas numa envolvência electrónica) são tão arriscadas como uma manifestação exagerada de euforia por ruas de Budapeste. Admira-se a coragem (talvez os dois mundos não cheguem a colidir), mas não é de todo certo que a aliança seja saudável e pacífica. Por outro lado, as projecções de ruas velhas, de homens e de solidão jogam na perfeição com o imaginário de qualquer um dos poetas. Tanto quanto se sabe, então, os Wordsong planeiam editar um novo disco que irá revisitar os eternos poemas de Pessoa. E foi precisamente por aí que a primeira parte do concerto se construiu. Depois veio Al Berto, “Le Plus Grande Calligraphe” e outros grandes poemas (e aqui, a voz de Pedro d'Orey é perfeita na interpretação dos textos), num concerto feito de apenas um ou outro bom momento. Um concerto que valeu sobretudo pelo texto (muito mais do que pela música em si), pela interpretação, pelo elogio da palavra.

Alla Polacca © Carlos Oliveira

Pouco depois, e um pouco mais abaixo, as tais duas propostas da Bor Land, os Ölga e os Alla Polacca, duas bandas em situações bastante diferentes no que toca a edições. Os primeiros, formados em 2001, lançaram em 2005 What Is e têm vindo a promover aquele que é o sucessor do EP de 2004. Apetece dizer que os Ölga estão mais coesos e a pedir desculpa pelo lugar-comum. Apetece também dizer que os Ölga parecem cada vez melhores ao vivo e que “Money” é provavelmente o melhor tema que alguma vez escreveram. Os teclados marcam enorme e fundamental surpresa, o krautrock, os samples de discursos e a percussão (por vezes tribal) também (as duas baterias provam isso mesmo). Há até o cheiro de música feita noutros locais que não a Europa. Mas é com as explorações sónicas que os Ölga impressionam mais. Quanto aos Alla Polacca, banda que provavelmente editará novo disco em 2006, mostraram-se bem superiores ao concerto que deram há relativamente pouco tempo no Passos Manuel (com Complicado na primeira parte) e por tornar ainda mais claro que não se vão limitar a copiar o caminho percorrido no disco de estreia, o split com os Stowaways (outra banda que planeia editar novo disco em 2006, desta vez pela Transformadores). Isto é, o caminho dos Alla Polacca agora é outro. Um caminho peculiar, um caminho arriscado mas aparentemente mais próprio. Impressões para confirmar brevemente num próximo disco. Por enquanto, como no concerto, há temas mais ou menos antigos, inversões de marcha e mudanças de faixa repentinas.

Ölga © Carlos Oliveira

Para fechar a noite, senhoras e senhores, o funk (e não só), pelas mãos dos Cool Hipnoise, num concerto em jeito de celebração dos 10 anos de carreira, assinalados com a compilação Groove Junkies 1995 > 2005, editada recentemente. E até se pode dizer que o concerto que os Cool Hipnoise deram nas Noites Ritual Rock foi um concerto de promoção ao “best of”. “Ponto Sem Retorno”, “Funk é Mem'Bom”, “Groove Junkie”, a curiosa versão de “Come as You Are” dos Nirvana e o inédito “Brother Joe”, o single do best of, uma canção demarcadamente anti-Bush, foram temas essenciais num alinhamento que teve ainda em “Catinga” e numa versão de “Everybody's Got To Learn Sometime” dos Korgis alguns dos momentos mais curiosos e surpreendentes. Mas surpresa, surpresa, foi mesmo a entrada em palco de Ace e Presto dos Mind da Gap, lá para perto do fim. Não devido a bons contributos musicais, entenda-se, mas porque a colaboração da dupla teve resultados tímidos, pelo que nunca se percebeu muito bem o que foram para lá fazer.

Cool Hipnoise © Carlos Oliveira
· 26 Ago 2005 · 08:00 ·
André Gomes
andregomes@bodyspace.net
RELACIONADO / Alla Polacca
Discos
’Not The White P’?
2003
We’re Metal and Fire In the Pliers of Time
2008
Entrevistas
A hora da verdade
01 Dez 2008
Ao Vivo
Deerhoof / Alla Polacca
05 Jun 2006: Porto Rio, Porto
Alla Polacca
21 Mar 2004: Teatro Helena Sá e Costa, Porto
Discos
Too Flop to Boogie
2002
Entrevistas
Danças de Rancho
12 Out 2006
Ao Vivo
Lisboa Soundz
28 Ago 2005: Docapesca, Algés
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
Bunnyranch
10 Abr 2004: Porto Rio, Porto
Discos
Haunted
2005
Ao Vivo
Festival Paredes de Coura 2005
15-18 Ago 2005: Paredes de Coura
Ao Vivo
Sapo Surf Bits 2005
02-03 Set 2005: Ericeira
Ao Vivo
Noites Ritual Rock 2004
27-28 Ago 2004: Porto
Entrevistas
Arte (bruta) em constante mutação
04 Abr 2012
Um segundo de cada vez
27 Jun 2007
Ao Vivo
Dead Combo / Wray Gunn
01 Dez 2005: Santiago Alquimista, Lisboa
Festival Sudoeste 2005
04-07 Ago 2005: Zambujeira do Mar
Super Bock Super Rock
28-30 Mai 2005: Parque do Tejo, Lisboa
Wraygunn
19 Nov 2004: Porto Rio, Porto
Festival Paredes de Coura 2004
17-/20 Ago 2004: Paredes de Coura
X-Wife + Wraygunn
03 Jul 2004: Caldas de São Jorge
Discos
Ölga EP
2004
What is
2005
Entrevistas
Um violento despertar
01 Mai 2005
Ao Vivo
Um Dia a Caixa Vem Abaixo
27-28 Jan 2006: Caixa Económica Operária, Lisboa
Ölga + Logh
08 Abr 2005: Santiago Alquimista, Lisboa
Ölga
08 Abr 2004: O Meu Mercedes é Maior Que o Teu, Porto
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros