Super Bock em Stock 2010
Lisboa
3-4 Dez 2010
Mais que um festival, o Super Bock em Stock é uma autêntica maratona: dado que os concertos se dão em pontos vários da Avenida da Liberdade, os festivaleiros são obrigados a certas ginásticas e correrias (uma apologia do parkour, quiçá) entre viaturas e semáforos vermelhos se é que querem perder o mínimo possível daquilo que lhes é oferecido. Claro que haverá sempre algo por ver e ouvir, mas terá de ser esse o preço a pagar por não termos ainda acesso à clonagem humana. O que paira no ar é uma certa ironia; um festival patrocinado pela Super Bock a fazer os possíveis para que os melómanos percam as suas barrigas de cerveja. PC

Tiago Bettencourt
Teria sido difícil ter de escolher entre Bettencourt e Jorge Palma, mas, virtude do concerto deste ter sido adiado para meia hora mais tarde, foi ao ex-Toranja que coube o abrir de hostilidades, perante uma plateia ainda algo reduzida presente no BES Arte & Finança. A sua actuação baseia-se no seu último disco gravado com os Mantha (Em Fuga), mas Tiago Bettencourt parece não querer ainda abandonar raízes - começar com "Chaga", dos Ornatos Violeta (inflluência óbvia) comprova isso mesmo. Entre piano e guitarra, as canções de Bettencourt não perdem uma toada pop coesa e amiga das palavras; fosse a pop como o tabaco e Tiago seria Português Suave. À quarta canção já o espaço se encontra melhor preenchido e rendido à sua música. Pelo meio, um destaque para "O Lobo", resgate à Americana, aqui tornada Lusitana. Aposta inicial claramente ganha. PC

B Fachada com Sérgio Godinho © Sofia Ferreira

B Fachada (part. esp. Sérgio Godinho)
O concerto arranca com um tema inédito (não faz parte do novo É Pra Meninos), como se B Fachada precisasse ainda de justificar a fulgurante capacidade criadora. Segue-se "Dia de Natal", um dos temas do novo disco (onde se pede ao barbudo "um babygrow de cabelal, uma motinha e um cd de metal"), numa versão electrificada com uma agressividade sonora a que não estávamos habituados - durante aquela música o São Jorge 2010 foi o Newport 1965 de Fachada. Acompanhado por uma nova guitarra eléctrica, "a Paulinha", seguem-se mais alguns temas do disco para meninos e meninas, com Fachada a apresentar canções infantis com a habitual riqueza palavrosa: humor, subversão, ingenuidade, ironia ("o gajo é bom nas líricas", diz um espectador na fila atrás). Entra o verso "Só me mostravas discos do Sérgio Godinho, dominavas o glossário daquele verso irregular" e eis que chega o próprio, a referência do título, para acompanhar o refrão. Durante meia dúzia de temas Godinho fica em palco: passa por clássicos seus, "Lisboa que amanhece" e "O elixir da eterna juventude", assiste à versão fachadista de "Etelvina" e acompanha o bardo de Cascais na nova "Questões de Moral" (que arranca com zero safadeza e termina a questionar a possibilidade de se ser filho da mãe). Godinho abandona o palco para Fachada voltar aos seus temas, mas 60 minutos é pouco tempo para um repertório que se agiganta a cada disco. Só dá para passar por dois ou três momentos do homónimo "B Fachada" (cantados quase em uníssono pela sala, absolutamente conquistada) e de fora ficam os temas de "Há festa na moradia" (excepção ao tema de Godinho) e dos vários discos e EPs anteriores. É certo que este não foi um concerto normal. Mas com Fachada nunca nada o é. NC

Owen Pallett
Heartland ainda circula em força nos leitores de muitos; esquecendo que o canadiano deu três actuações em Portugal neste 2010 no contexto da sua apresentação, o Tivoli encheu para ver o artista anteriormente conhecido por Final Fantasy apresentar a sua pop de câmara com trajeito electrónico, canções belíssimas com o violino e a caixa de ritmos marcando o compasso. O seu amor - já por diversas vezes expresso - ao nosso país é condensado numa simples frase antes de "Midnight Directives": "nunca vivi aqui, mas já cá escrevi um álbum". O músico não perde o tino de tema para tema, nem quando comete um pequeno erro que leva a uma enorme ovação de apoio, nem quando faz do violino um ukelele. Melhor seria impossível. PC

Zola Jesus © Sofia Ferreira

Zola Jesus
A diva "neo-goth" Nika Roza Danilova (nome de baptismo de Zola Jesus) levou ao São Jorge os seus cabelos louros de raízes pretas e pernas enroladas em ligaduras brancas. A sala estava muito bem composta para receber aquelas canções feitas de escuridão, new wave e fragilidade. Zola apresentou as suas canções com um grande à vontade no palco, passeando-se de um lado para o outro (e a até rebolar no chão), e cada canção foi crescendo, conseguindo encher aquela sala grande. A acompanhar a voz de Zola encontrava-se apenas o apoio electrónico, material suficiente para dar vida aos temas do mais recente Stridulum. Na primeira fila encontravam-se dezenas de fãs entusiasmados e Zola até lhes passou o microfone, subindo também às colunas. A actuação teve como ponto negativo a curta duração, de apenas meia hora (o programa anunciava uma hora inteira). NC

Hollywood, Mon Amour
Foi você que pediu uma banda de versões? Saídos do mesmo pomar dos Nouvelle Vague, os Hollywood Mon Amour pegam em canções várias dos anos 80 cinematográficos e dão-lhe uma nova roupagem: da versão soft de "Eye of the Tiger", a "Call Me" de Blondie, e ainda "This Is Not America", os franceses mostram realmente um apego especial pelo cinema e o concerto acaba por ser agradável q.b.. Quanto mais não seja pelos magníficos (sublinhado) atributos físicos de cada uma das cantoras convidadas - será seguro dizer que 90% da sala estava composto por elementos do sexo masculino. Claro que quando descambam numa versão jazzística de "Footloose" não há par de mamas que valha a pena. PC

Garagem Vodafone © Sofia Ferreira

Wavves
Há um ano atrás já tínhamos visto Nathan Williams a berrar o aborrecimento e as tábuas de skate no aquário da ZDB. Nessa altura havia o álbum Wavvves a lançar o hype e a energia já estava toda lá. Desta vez a festa de guitarra eléctrica em desvario aconteceu na "Garagem Vodafone" (eufemismo para o parque de estacionamento do Marquês de Pombal, ali debaixo do Parque Eduardo VII) e teve como bónus o calorzinho extra de King of the Beach, disco que sobreviveu ao verão. Volume alto, rifalhadas e distorção serviram de suporte a canções como a homónima "King of the Beach" ou "Green Eyes", que ao vivo ganham uma dimensão imensa. Nem faltou "So Bored", hino geracional, já no encore. Como ponto negativo apenas há que notar a breve duração, a actuação durou apenas cerca de quarenta minutos. NC
· 06 Dez 2010 · 21:28 ·
Nuno Catarino e Paulo Cecílio
RELACIONADO / B Fachada
Discos
B Fachada
2009
Há Festa na Moradia
2010
Deus, Pátria e Família
2011
B Fachada
2011
Entrevistas
Gelado de Limão
15 Jun 2009
Ao Vivo
B Fachada / Kurt Vile & The Violators
9 Dez 2009: Frágil, Lisboa
Vashti Bunyan / B Fachada
13 Mai 2010: Lux, Lisboa
B Fachada
19 Set 2010: Clube Ferroviário, Lisboa
B Fachada
4 Abr 2011: Teatro Maria Matos, Lisboa
Etc.
Tradição Oral Contemporânea [DVD]
2008
Entrevistas
Samba no parque
21 Out 2010
Discos
The Electric Lady
2013
Entrevistas
Trágico Comediante
19 Jan 2011
Ao Sabor dos Dias
22 Fev 2006
Ao Vivo
Nuno Prata / Josh Rouse
17 Dez 2004: Fórum Lisboa, Lisboa
Festival New Sounds of Portugal
18 Set 2004: Parque Palmela, Cascais
Ao Vivo
Owen Pallett
10 Mar 2010: Teatro Maria Matos, Lisboa
Discos
Pré-Histórias
1972
Ligação Directa
2006
Ao Vivo
Sérgio Godinho
07 Dez 2006: Casa da Música, Porto
Sérgio Godinho
16 Mai 2007: Teatro Maria Matos, Lisboa
Sérgio Godinho
12- Abr 2014: Teatro São Luiz, Lisboa
Discos
Life Sux EP
2011
Afraid Of Heights
2013
Discos
Versions
2013
Entrevistas
Sinfonia Desconcertante
09 Nov 2009
Ao Vivo
Zola Jesus
3- Nov 2015: Musicbox, Lisboa
Artigos
As dez melhores canções de sempre neste preciso momento #18 - Zola Jesus
25/01/2010
ÚLTIMAS REPORTAGENS
ÚLTIMAS

Parceiros