bodyspace.net


Les Halles Zephyr

2018
Not Not Fun Records


A distância, sempre a distância - e um horizonte que não chega mas, também, porque haveríamos de nos preocupar em atravessar terras e vales rumo a ele, quando há tanto por (não) descobrir aqui mesmo onde nos encontramos? A relva nem sempre é mais verde do outro lado; se nos dedicarmos à que temos, ela revelar-nos-à os seus mistérios. Basta querer.

Assim é com Zephyr, álbum sobre a não-viagem, sobre o estado de espírito não de quem abandonou, mas sim de quem se acomodou ao que encontra ao seu redor. Música ambiente cujo propósito não é o de fazer respirar por uns momentos, mas o de fazer parar - para sempre -, criar raízes, erguer uma casa soalheira e apreciar a fauna e a flora que a rodeiam.

Isto tudo através de flautas, distorção, sinos e sintetizadores, quarto mundo que afinal é nosso; através de melodias criadas pelo vento ou pela água, de pequenos suspiros vindos do coração, de um fogo a crepitar enquanto se prepara a carne que lá assaremos. A serenidade enquanto propósito final das coisas. Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave / Escondem o horizonte, empurram o nosso olhar para longe de todo o céu, / Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que os nossos olhos nos podem dar, / E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver. Nem mais, nem menos.


Paulo Cecílio
pauloandrececilio@gmail.com
07/06/2018