bodyspace.net


Veenho Veenho EP

2017
Xita Records


Eu hoje não estou bem, cantam os Veenho ao longo de todos os 1:39 minutos de "Paracetamol", a faixa com a qual abrem o seu EP de estreia. Isto, senhoras e senhores, é o que se chama de «lema geracional»: uma frase com a qual dezenas atrás de dezenas de jovens adultos e adultos jovens se podem identificar. Incluindo este escriba, que só agora está a escrever sobre o EP dos Veenho uns cinco meses depois de o ter recebido por e-mail. Mas prossigamos...

É disto que parece ser feita a música do quarteto, um dos nomes que fazem a Xita Records, que celebra em breve dois anos de existência. "Disto", quer dizer, lemas: logo a seguir, em "Costa Oeste", somos brindados com um 'tou à espera do sol, que parece mesmo, mesmo indicar aqueles momentos em que estamos perdidos de bêbados mas só queremos é ver o astro-rei nascer, seguido por um que se foda o que tu pensas, em "Ruim".

Identificável e pontuado por guitarras que pegam no surf do século XXI, carregado de energia e juventude, Veenho é um EP curtinho que faz da banda um caso a seguir no futuro, caso mantenham o mesmo nível de orelhudismo (inventei agora) que aqui encontramos. Rock n' roll como temos visto no Portugal lo-fi ao longo dos últimos anos, de putos para putos e eternos putos. Veenham mais, é isso.


Paulo Cecílio
pauloandrececilio@gmail.com
25/07/2017